COMPLEXIDADE E TRANSDISCIPLINARIDADE - DOI 10.5216/teri.v1i1.14390

Autores

  • Américo SOMMERMAN UFBA

DOI:

https://doi.org/10.5216/teri.v1i1.14390

Palavras-chave:

Transdisciplinaridade, Interdisciplinaridade, Complexidade, Ciência Moderna

Resumo

No auge do reducionismo e da hiperespecialização dele decorrente nas primeiras décadas do século XX, o paradigma da simplicidade da física clássica e as ideias centrais postuladas pela ciência moderna: a da separação total entre o indivíduo observador e objeto observado, a do universo regido pela ordem e obedecendo a lógica aristotélica começam a ser derrogados com a constatação, pelas ciências naturais, da complexidade, da desordem, de lógicas dos sistemas que violavam os princípios da lógica clássica. Além disso, a própria premissa do reducionismo: a existência de um único nível de realidade foi invalidada. O pensamento reducionista defendia a posição epistemológica de que era possível explicar todos os objetos, fenômenos e sistemas a partir da redução deles à suas partes mais simples e elementares e da compreensão dessas partes. Isso gerou uma hiperespecialização crescente que trouxe perdas, benefícios, transformações e, paradoxalmente, novas aberturas. Nesse contexto, mostraram-se cada vez mais necessários uma razão complexa, que buscasse estabelecer relações entre esses pólos contraditórios, e, também, diálogos cada vez mais amplos entre as disciplinas e entre os saberes. Surgiram, então, o Pensamento Complexo, trabalhando com essa razão complexa, a partir da interseção de várias teorias (teoria da informação, teoria dos sistemas, teoria da auto-organização, teoria do caos) e as abordagens e as metodologias pluri, inter e transdisciplinares.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Américo SOMMERMAN, UFBA

Doutor em Difusão do Conhecimento pela UFBA, Co-criador do Centro de Educação Transdisciplinar (CETRANS), Membro Ativo do Centre International de Recherches et Études Transdisciplinaires (CIRET), e-mail: americosommerman@uol.com.br.

Referências

CARTA DA TRANSDISCIPLINARIDADE. In: Educação e transdisciplinaridade. Brasília: UNESCO/USP, 2000. In: O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: Triom, 2001.

ELIADE, Mircea. Mefistófeles e o andrógino. São Paulo: Martins Fontes, 1991.

GALVANI, Pascal. Fertilization croisée des savoirs et ingenierie d’alternance socio-formative: le programe de recherche-formation-action quart monde/université, 1999. In: Transdisciplinarité et Formation. Paris: L’Harmattan, 2005.

LE MOIGNE, Jean-Louis. Legitimer les connaissances interdisciplinaires dans nos cultures, nos enseignements et nos pratiques. In: Ingénierie de l’interdisciplinarité: um nouvel esprit scientifique. Paris: L’Harmattan, 2002.

LUPASCO, Stéphane. O homem e as suas três éticas. Lisboa: Instituto Piaget, [s.d.].

MACHADO, Nílson José. Educação: projetos e valores. São Paulo: Escrituras, 2000.

MORIN, Edgar. Por uma reforma do pensamento. In: O pensar complexo: Edgar Morin e a crise da modernidade. Nascimento, Elimar Pinheiro do; Pena-Veja, Alfredo (orgs.). 3ª ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2001.

MORIN, Edgar. Ciência com consciência. 4a ed. Rio de Janeiro: Bertrand, 2000.

NICOLESCU, Basarab. O manifesto da transdisciplinaridade. 2a ed. São Paulo: Triom, 2001.

PLOTINO. Tratados das Enéadas. São Paulo: Polar, 2002.

Downloads

Publicado

2013-10-09

Como Citar

SOMMERMAN, A. COMPLEXIDADE E TRANSDISCIPLINARIDADE - DOI 10.5216/teri.v1i1.14390. Revista Terceiro Incluído, Goiânia, v. 1, n. 1, p. 77–89, 2013. DOI: 10.5216/teri.v1i1.14390. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teri/article/view/14390. Acesso em: 2 fev. 2023.