Pensamento latino-americano: identidades, redes e produção de conhecimento

Apresentação do dossiê

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rth.v26i2.78167

Resumo

Há um pensamento latino-americano? Em caso de resposta positiva, o que o constitui e como concebê-lo no tempo? As possíveis respostas a essas perguntas levam ainda ao questionamento sobre o que é, afinal, a América Latina, e como a ideia/conceito alterou-se ao longo da história. A discussão sobre o conceito e a ideia de América Latina não é uma novidade. Políticos apropriaram-se desse construto ainda no século XIX, pouco após a sua criação, não apenas para diferenciar-se de seu outro vizinho ao Norte, os Estados Unidos, mas também para condenar seus desígnios e práticas imperialistas. Perguntar-se a respeito do que seria a América Latina desemboca ainda na questão de se o Brasil estaria nela incluído. É nossa proposta que o caminho para respostas possíveis passe justamente pelas produções intelectuais denominadas ou autodenominadas latino-americanas.

Biografia do Autor

Sabrina Costa Braga, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, sabrinacostabraga94@gmail.com

Currículo: http://lattes.cnpq.br/3937621434163282 

Thiago Prates, Universität Hamburg, Hamburgo, Alemanha, thiago.prates@uni-hamburg.de

Currículo: http://lattes.cnpq.br/6554215042613929

Raul Lanari, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, raul_lanari@ufg.br

Currículo: http://lattes.cnpq.br/2310137671706837

Referências

ARDAO, Arturo. Génesis de la idea y el nombre de América Latina. Caracas: Centro de Estudios Latinoamericanos Rómulo Gallegos, 1980.

ARDAO, Arturo. La inteligencia latinoamericana. Montevideo: Universidad de la República, 1987.

BAGGIO, Kátia Gerab. A “outra” América: a América Latina na visão dos intelectuais brasileiros das primeiras décadas republicanas. Tese (doutorado) - São Paulo, Universidade de São Paulo, 1998.

BEIRED, José Luis Bendicho. Sob o signo da nova ordem. Intelectuais autoritários no Brasil e na Argentina. São Paulo: Loyola, 1999.

BETHELL, Leslie. O Brasil e a ideia de “América Latina” em perspectiva histórica. Estudos Históricos, v. 22, n. 44, p. 289-321, 2009.

CAPELATO, Maria Helena. Multidões em cena. Propaganda política no varguismo e no populismo. São Paulo: Editora UNESP, 1998.

CUSICANQUI, Silvia Rivera. Ch’ixinakax utxiwa: uma reflexão sobre práticas e discursos descolonizadores. Tradução de Ana Luiza Braga e Lior Zisman Zalis. São Paulo: N-1 Edições, 2021.

DEVÉS VALDÉS, Eduardo. El pensamiento latino-americano en el siglo XX. Entre la modernización y la identidad. Tomo I. Del Ariel de Rodó a la CEPAL (1900-1950). Buenos Aires: Biblos, 2000.

DORATIOTO, Francisco. Maldita guerra. Nova história da Guerra do Paraguai. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.

FAUSTO, Boris; DEVOTO, Fernando. Brasil e Argentina: um ensaio de história comparada (1850-2002). São Paulo: Editora 34, 2004.

GERSTLE, Gary. Raça e nação nos Estados Unidos, México e Cuba, 1880-1940. In: PAMPLONA, Marco A.; DOYLE, Don H. (Orgs.). Nacionalismo no Novo Mundo. Rio de Janeiro: Record, 2008.

GONZALES, Lélia. Por um feminismo afro-latino-americano: ensaios, intervenções e diálogos. Rio de Janeiro: Zahar, 2020.

IANNI, Octavio. O labirinto latino-americano. Petrópolis: Editora Vozes, 1993.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. A queda do céu: Palavras de um xamã yanomami. Tradução de Leila Perrone-Moisés. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2019.

KRENAK, Ailton. O amanhã não está à venda. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

KRENAK, Ailton. Futuro Ancestral. São Paulo: Companhia das Letras, 2022.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. Tabula Rasa. n. 9, p. 73-101, 2008.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Tradução de Solange Ribeiro de Oliveira. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

MIGNOLO, Walter. The Idea of Latin America. Oxford: Blackwell, 2005.

QUIJADA, Mónica. Sobre el origen y difusión del nombre “América Latina” (o uma variación heterodoxa em torno al tema de la construcción social de la verdade). Madrid: Revista de Indias, 1998, v. 58, n. 214. p. 595-616.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: QUIJANO, Aníbal. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005.

RIBEIRO, Darcy. La nación latinoamericana. Nueva Sociedad, n. 62, 1983, p. 5-23.

RIBEIRO, Darcy. América Latina: a pátria grande. Rio de Janeiro: Fundação Darcy Ribeiro, 2012.

ROJAS MIX, Miguel. Los cien nombres de América: eso que descubrió Colón. Barcelona: Lumen, 1991.

ROJAS MIX, Miguel. América Imaginaria. Barcelona: Lumen, 1992.

ROTA, Alesson R. El uso de la minería de datos como heurística para la teoría de la historia y la historia de la historiografía. Amoxtli, n. 07, 2022.

SILVEIRA, Mariana de Moraes. Desloca(liza)r o direito: intercâmbios, projetos partilhados e ações públicas de juristas (Argentina e Brasil, 1917-1943). Tese (Doutorado) - São Paulo - Universidade de São Paulo.

TORRES CAICEDO, José María. Mis ideas y mis principios. Paris, 1875.

WASSERMAN, Claudia. Percursos intelectuais latino-americanos: “Nuestra América” de José Martí, e “Ariel” de José Enrique Rodó – As condições de produção e o processo de repercussão do pensamento identitário. Diálogos, DHI/UEM, v. 8, n. 1, p. 51-66, 2004.

Downloads

Publicado

2023-12-30

Como Citar

COSTA BRAGA, S.; PRATES, T.; LANARI, R. Pensamento latino-americano: identidades, redes e produção de conhecimento: Apresentação do dossiê. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 26, n. 2, p. 5–14, 2023. DOI: 10.5216/rth.v26i2.78167. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/78167. Acesso em: 18 jul. 2024.