Tempo, espaço e subjetividades

A emergência do conceito de colonialidade do ser

Autores

Resumo

Apresento nesta resenha a emergência do conceito de colonialidade do ser com base no pensamento do filósofo porto-riquenho Nelson Maldonado-Torres. A colonialidade do ser envolve a introdução da lógica colonial nas concepções e na experiência de tempo e espaço, bem como na subjetividade. A colonialidade do ser inclui a colonialidade da visão e dos demais sentidos, que são meios em virtude dos quais os sujeitos têm um senso de si e do seu mundo. Um levantamento da colonialidade do ser requer uma averiguação da colonialidade do poder, conceito do sociólogo peruano Aníbal Quijano; e da colonialidade do saber, conceito do sociólogo venezuelano Edgardo Lander. Essas três dimensões da colonialidade, portanto, aprisionam os corpos dissidentes em uma espécie de reencenação do passado prestes a irromper no presente.

Biografia do Autor

Ana Luiza Rios Martins, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, Ceará, Brasil, luiza.rios@uece.br

Currículo:  http://lattes.cnpq.br/7683715326018849

Downloads

Publicado

2023-12-30

Como Citar

RIOS MARTINS, A. L. Tempo, espaço e subjetividades: A emergência do conceito de colonialidade do ser. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 26, n. 2, p. 177–183, 2023. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/77280. Acesso em: 14 jul. 2024.