Conversa sobre Teoria da História com o ChatGPT

Autores

Resumo

Esta entrevista foi realizada em português, no dia 17 de fevereiro de 2023, na página do portal OpenAI com o ChatGPT – sigla de Chat Generative Pre-trained Transformer – um chatbot anabolizado desenvolvido em parceria com a Microsoft e que usa um mecanismo generativo capaz de examinar extensos bancos de dados e dialogar em diferentes línguas com os usuários. Chatbots são programas de computador que interagem com usuários mediante regras e frases pré-definidas existentes em um conjunto limitado de dados, usados no atendimento de companhias telefônicas, comércios e algumas empresas algum tempo. O ChatGPT, entretanto, com seu sistema avançado de aprendizagem, denominado GPT3, trouxe uma comunicação mais natural, fluida e rápida. Ele é capaz de elaborar respostas longas combinando informações variadas de forma mais criativa. Ou seja, ele não recorta textos ou frases – como se os plagiasse –; segundo seus criadores ele aprende e aperfeiçoa suas respostas cada vez mais, criando uma versão própria sobre assuntos variados. Lançado como protótipo em 30 de novembro de 2022, tornou-se desde então uma sensação pela qualidade de suas respostas, gerando um amplo debate sobre seus usos, riscos e repercussão. Após seu lançamento, em janeiro de 2023, o programa alcançou mais de 100 milhões de usuários e seu valor foi estimado em aproximadamente 30 bilhões de dólares. Segundo seus desenvolvedores, o ChatGPT é capaz ainda de ajustar suas respostas com o perfil do usuário, facilitando a comunicação e o entendimento. Foi com o intuito de conhecer suas habilidades, que resolvi conhecer melhor esta ferramenta e testar seus conhecimentos em Teoria da História.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O aberto: o homem e o animal. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017.

ALMEIDA, Juniele Rabêlo; ROVAI, Marta Gouveia de Oliveira (Org.). Introdução à História Pública. São Paulo: Letra e Voz, 2011.

ANKERSMIT, Frank. Historical Representation. Stanford: Stanford University Press, 2002.

ANKERSMIT, Frank. Meaning, Truth, and Reference in Historical Representation. Cornell: Cornell University Press, 2012.

ANKERSMIT, Frank. Narrativismo y teoría historiográfica. Santiago: Finis Terrae, 2013.

ARAUJO, Valdei L. de; PEREIRA, Mateus H. Atualismo 2.0. Edição revista e ampliada. Vitória: Milfontes, 2022.

AVELAR, Alexandre de Sá; VALIM, Patrícia. Apresentação do dossiê: Negacionismos e usos da história. Revista Brasileira de História, n. 41, v. 87, 2021.

ÁVILA, Arthur, NICOLAZZI, Fernando (Org.). A história indisciplinada. Vitória: Milfontes, 2020.

BARTHES, Roland. A escrita da história. In: O rumor da língua. São Paulo: Brasiliense, 1984.

BENTIVOGLIO, Julio; TOSI, Verónica (Org.). Do passado histórico ao passado prático: 40 anos de Meta-história. Vitória: Milfontes, 2017.

BENTIVOGLIO, Júlio; AVELAR, Alexandre de Sá (Org). O futuro da história: da crise à reconstrução de teorias e abordagens. Vitória: Milfontes, 2019.

BERNHEIM, Ernst. Introdução à ciência histórica. Vitória: Milfontes, 2021

BLOCH, Marc. Apologia da história ou o ofício do historiador. Rio de Janeiro: Zahar, 2002.

BOUTIER, Jean; JULIA, Domenique (Org.). Passados recompostos. Rio de Janeiro: FGV, 1998.

CARR, Edward H. O que é a história? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

DELGADO, Lucília de A. N.; FERREIRA, Marieta de Moraes. História do tempo presente: desafios. Rio de Janeiro: FGV, 2003.

DILTHEY, Wilhelm. Introdução às Ciências Humanas: tentativa de uma fundamentação para o estudo da sociedade e da história. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

DOMANSKA, Ewa. Encounters: Philosophy of history after postmodernism. Richmond: University of Virginia Press, 1998.

DOMAŃSKA, Ewa. Para Além do Antropocentrismo nos estudos históricos. Expedições: Teoria da História & Historiografia, v. 4, n. 1, 2013.

DOSSE, François; DELACROIX, Christian; GARCIA, Patrick. Historicidade. Buenos Aires: Waldhuter Editores, 2010.

DOSSE, François. A história em migalhas. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

DROYSEN, Johann G. Manual de teoria da história. Petrópolis: Vozes, 2009.

GINZBURG, Carlo. O extermínio dos judeus e o princípio da realidade. In: MALERBA, Jurandir. A História escrita: teoria e história da historiografia. São Paulo: Contexto, 2006.

HUMBOLDT, Wilhelm von. A tarefa dos historiadores. In: MARTINS, Estevão R. C. A história pensada. São Paulo: Contexto, 2010.

IGGERS, Georg G. et al. (Org.). A global history of modern historiography. Harlow: Pearson Longman, 2008.

JENKINS, Keith. A história repensada. São Paulo: Contexto, 2004.

KOSELLECK, Reinhart. Espaço de Experiência e Horizonte de Expectativa. In: Futuro Passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006.

KUHN, Thomas. A estrutura das revoluções científicas. São Paulo: Perspectiva, 1985.

LANGLOIS, Charles-Victor; SEIGNOBOS, Victor. Introduction aux études historiques. Paris, Hachette, 1898.

LIMA, Luiz Costa. A aguarrás do tempo. Rio de Janeiro: Rocco, 1989.

LIMA, Luiz Costa. História, ficção, literatura. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

LIMA, Luiz Costa. Máscaras da mímesis. Rio de Janeiro: Record, 1999.

LORENZ, Chris; BEVERNAGE, Berber (Org.). Breaking up time: negotiating the borders between present, past and future. Goettingen: Vandenhoeck & Ruprecht, 2013.

MALERBA, Jurandir. Fazendo história pública. Vitória: Milfontes, 2021.

MICHELET, Jules. L’Oiseau. Paris: Hachette, 1858.

NORA, Pierre et al. (Org.). História: novos objetos. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1978.

OLIVEIRA, Maria da Glória. Os sons do silêncio: interpelações feministas decoloniais à História da historiografia. História da Historiografia, v. 11, n. 18, 2018.

PAUL, Herman. Hayden White. Cambridge: Polity Press, 2011.

PIMENTA, João Paulo G. O livro do tempo: uma história social. Lisboa: Edições 70, 2021.

RANKE, Leopold von. A história como ciência e como arte. In: MALERBA, Jurandir (Org.). Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. Rio de Janeiro: FGV, 2010.

RICOEUR, Paul. History and truth. Evanston: Northwestern University Press, 2007.

ROUSSO, Henri. A última catástrofe: a história, o presente, o contemporâneo. Rio de Janeiro: FGV, 2016.

ROVELLI, Carlo. A ordem do tempo. São Paulo: Objetiva, 2018.

RÜSEN, Jörn. Razão histórica. Brasília: Unb, 2001.

RÜSEN, Jörn. Teoria da História: uma teoria da história como ciência. Curitiba: Editora UFPR, 2015.

SALOMON, Marlon J. Heterocronias: estudos sobre a multiplicidade dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Ricochete, 2018.

SCHAFF, Adam. History & truth. New York: Pergamon, 1976.

SIMON, Zoltán Boldizsár. Os teóricos da história têm uma teoria da história? Reflexões sobre uma não-disciplina. Vitória: Milfontes,2019.

TURIN, Rodrigo. Tempos precários: aceleração, historicidade e semântica neoliberal. São Paulo: Zazie Edições, 2019

VEYNE, Paul. Como se escreve a história? Lisboa: Edições 70, 2008.

WHITE, Hayden. Meta-história: a imaginação histórica no século XIX. São Paulo: Edusp, 1995.

Downloads

Publicado

2023-07-27

Como Citar

BENTIVOGLIO, J. Conversa sobre Teoria da História com o ChatGPT. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 26, n. 1, p. 316–335, 2023. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/75344. Acesso em: 2 mar. 2024.