DOI-CODI atualista

O tempo como tecnologia de controle social

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/rth.v25i2.73946

Palavras-chave:

Ditadura Militar, Atualismo, Contra-insurgência

Resumo

Entre as várias ferramentas de que o sistema DOI-CODI dispunha para o controle social, o tempo foi uma das mais destacadas. Nesse artigo, o tempo é entendido, assim, como um instrumento de controle social. Tempo não no sentido abstrato, cronológico, mas sim como ritmo social. No caso em questão, o ritmo imposto pelo sistema DOI-CODI era, sobretudo, definido pela lógica do atualismo, com a produção permanente de informações, a reprodução automática de toda uma maquinaria burocrática e militar que visava agir rápida e intensamente sobre seus alvos, tendo, por isso, desdobramentos operacionais nas estratégias e táticas de combate ao inimigo interno. Nesse sentido, buscamos também desvendar como os instrumentos usados pelo DOI-CODI no combate à chamada subversão, tais como e principalmente a tortura sistemática, obedeciam a essa mesma lógica temporal. No final do artigo, consideramos que mesmo com o fim dos DOI-CODI essa lógica sobreviveu ao fim da Guerra Fria.

Biografia do Autor

Daniel Faria, Universidade de Brasília, Brasília, Distrito Federal, Brasil, krmazov@hotmail.com

Currículo: http://lattes.cnpq.br/9729600921917268

Referências

ARAÚJO, Valdei e PEREIRA, Mateus. Atualismo 1.0: Como a ideia de atualização mudou o século XXI. Mariana: Editora SBTHH, 2018.

ARAÚJO, Valdei e PEREIRA, Mateus.. Atualismo: pandemia e historicidades no interminável 2020. In: Estudos Ibero-Americanos, Porto Alegre, vol. 47, n. 1, pp. 1-16, jan- abr- 2021.

BENITES, Afonso Benites. Intervenção federal no Rio desperta fantasmas sobre o papel do Exército. El País. 21 de fevereiro de 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/02/20/politica/1519155351_378130.html. Acesso em 25 de julho de 2022.

BUCK-MORSS, Susan. Dreamworld and catastrophe: The passing of mass utopia in east and west. Cambridge: MIT Press, 2000.

CHAMAYOU, Gregoire. Teoria do drone. São Paulo: Cosac y Naif, 2015.

COMISSÃO ANÍSIO TEIXEIRA DE MEMÓRIA E VERDADE. Relatório final. Brasília, Universidade de Brasília, 2015, disponível em: https://www.comissaoverdade.unb.br/relatorio acesso em 27 de junho de 2022.

DANIEL, Herbert. Passagem para o próximo sonho: um possível romance autocrítico. Rio de Janeiro: Codecri, 1982.

DUARTE-PLON, Leneide. A tortura como arma de guerra: Da Argélia ao Brasil. Como os militares franceses exportaram os esquadrões da morte e o terrorismo de Estado. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

DUBEUX, Ana. Não há guerra que não seja letal, diz Torquato Jardim ao Correio. Correio Braziliense. 20 de fevereiro de 2018. Disponível em: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica/2018/02/20/interna_politica,660876/correio-entrevista-o-ministro-da-justica-torquato-jardim.shtml. Acesso em 25 de julho de 2022.

FICO, Carlos. Como eles agiam: Os subterrâneos da Ditadura Militar. Espionagem e polícia política. Rio de Janeiro/São Paulo: Record, 2001.

FILHO, Aton Fon et al. A repressão militar-policial no Brasil: o livro chamado João. São Paulo: Expressão Popular, 2016.

GALULA, Davi. Teoria e prática da contra-rebelião. Rio de Janeiro, Edições GRD, 1966.

GRAHAM, Stephen. Cidades sitiadas: O novo urbanismo militar. São Paulo: Boitempo, 2016.

GRANDIN, Greg Grandin. The last colonial massacre: Latin America in the cold war. Chicago: University of Chicago Press, 2011.

JOFFILY, Mariana. No centro da engrenagem: Os interrogatórios na Operação Bandeirante e no DOI de São Paulo. 1969-1975. São Paulo: EdUSP, 2013.

MARTINS, Rafael Moro. Documento de treinamento anti-esquerda do Exército tem MLT, Partido Operário e Mídia Samurai como inimigos. The Intercept, 07n de dezembro de 2021. Disponível em: https://theintercept.com/2021/12/07/exercito-treinamento-anti-esquerda-documento/ . Acesso em 31/08/2022.

MARTINS FILHO, João Roberto. A influência doutrinária francesa sobre os militares brasileiros nos anos de 1960, in: Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol 23, n. 67, pp. 39-50, junho de 2008.

MARTINS FILHO, João Roberto. Tortura e ideologia: os militares brasileiros e a doutrina da guerre révolutionnaire (1959-1974). In: SANTOS, Cecília; TELES, Edson e TELES, Janaína de Almeida. Desarquivando a ditadura: memória e justiça no Brasil. São Paulo: Hucitec, pp.179-203, 2009.

MASSUMI, Brian. Ontopower: War, powers and the State of Perception. Durham/ London: Duke Univeristy Press, 2015.

MBEMBE, Achille. Necropolítica: Biopoder, soberania, estado de exceção, política da morte. Tradução de Renata Santini. São Paulo: n-1 edições, 2018.

MCCLINTOCK, Michael. Instruments of statecraft: U.S Guerrilla Warfare, Counter-Insurgency, and Counter-terrorism, 1940-1990. New York: Pantheon Books, 1992.

MICHON, Pascal. Sobre as novas maneiras do fluir da linguagem na era do capitalismo flex-reticular: para uma poética da sociedade. In: SEIXAS, Jacy, CERASOLI, Josianne, NAXARA, Márcia (orgs.). Tramas do político: Linguagens, formas, jogos. Uberlândia: Ed.UFU, pp. 301-316, 2012.

PERDIGÃO, Freddie. O Destacamento de Operações de Informações (DOI) no EB: histórico e papel no combate à subversão, situação atual e perspectivas. (Monografia), Escola de Comando e Estado-Maior do Exército, Rio de Janeiro, 1978. Disponível em: https://www.marxists.org/portugues/tematica/livros/diversos/monografia.pdf . Acesso em 16/06/2022.

PLATT. Washignton. A produção de informações estratégicas. Tradução de Major Álvaro Galvão Pereira e Capitão Heitor Aquino Ferreira. Rio de Janeiro: Agir, 1967.

SILVA, Tomás. Entramos em qualquer lugar do Rio de Janeiro, garante o interventor Braga Netto. Último Segundo, 07 de março de 2018. Disponível em: https://ultimosegundo.ig.com.br/brasil/2018-03-07/braga-netto-intervencao-rio-de-janeiro.html . Acesso em 25 de julho de 2022.

TAPIA, Cristian Gutiérrez. La contrasubversión como política: La doctrina de guerra revolucionária francesa y su impacto em las FFAA de Chile e Argentina. Santiago: LOM, 2018.

WESCHELR, Lawrence. Um milagre, um universo: O acerto de contas com os torturadores. Tradução de Tomás Rosa Bueno. São Paulo: Companhia das Letras, 1990.

CENTRO DE INFORMAÇÕES DA AERONÁUTICA. Como eles agem 2. Arquivo Nacional, Fundo CISA, br_dfanbsb_vaz_0_0_00134_d0001de0001, 10 de janeiro de 1972.

CENTRO DE INFORMAÇÕES DO EXÉRCITO. Informe n. 573/70. José André Yglesias. Arquivo Nacional, Fundo SNI, br_dfanbsb_v8_mic_gnc_aaa_70017228_d0002de0002, 05 de agosto de 1970.

ESTADO-MAIOR DAS FORÇAS ARMADAS. Informação. Arquivo Nacional, Fundo Estado-Maior das Forças Armadas, br_dfanbsb_2m_0_0_0006_v_03_d0001de0001, 27 de novembro de 1970.

ESTADO-MAIOR DAS FORÇAS ARMADAS. Relatório sintético. Arquivo Nacional, Fundo Estado-Maior das Forças Armadas, br_dfanbsb_2m_0_0_0006_v_01_d0001de0001, 1967.

ESTADO-MAIOR DO EXÉRCITO. Manual de Campanha. Guerra Revolucionária. Rio de Janeiro, 1968.

SERVIÇO NACIONAL DE INFORMAÇÕES. Informação n. 008/115/77. Atualização das atividades de elementos atingidos pelo AI 1 e AI 2. Arquivo Nacional, Fundo SNI, br_dfanbsb_v8_mic_gnc_aaa_77113686_d0001de0002, 30 de março de 1977.

SERVIÇO NACIONAL DE INFORMAÇÕES. Informação. Arquivo Nacional, Fundo SNI, br_dfanbsb_v8_mic_gnc_aaa_84042678_d0001de0002, 1983.

Downloads

Publicado

2023-01-17

Como Citar

FARIA, D. DOI-CODI atualista: O tempo como tecnologia de controle social. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 25, n. 2, p. 89–113, 2023. DOI: 10.5216/rth.v25i2.73946. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/73946. Acesso em: 23 maio. 2024.