“HÁ LIMITE PARA TODAS AS COISAS”: ANTIRREFORMA E CONSERVADORISMO NA ASSEMBLEIA GERAL DE 1881

Autores

  • Alexandra do Nascimento Aguiar Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Palavras-chave:

Conservadorismo, partidos políticos, reformas, Lei Saraiva, Câmara dos Deputados

Resumo

O artigo se propõe a refletir sobre os fundamentos do pensamento conservador a partir da análise de fragmentos de obras de Edmund Burke, Joseph de Maistre e Juan Donoso Cortés. Na presente proposta o conservadorismo é compreendido como elemento de coesão na política partidária, tendo como objeto a Assembleia Geral de 1881, a primeira composta sob a reforma eleitoral que introduziu o voto direto no país. Perseguimos a hipótese de que as ideias conservadoras predominaram nos discursos parlamentares dessa legislatura (1881-1884) e orientaram as condutas em votações e alianças entre os partidos imperiais.

Biografia do Autor

Alexandra do Nascimento Aguiar, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Possui doutorado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2016), mestrado em História Social pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (2009) e graduação em História pela Universidade Gama Filho (2006). Tem experiência em magistério no Ensino Médio e em pesquisa em História, atuando principalmente nos seguintes temas: Reforma Eleitoral de 1881 (Lei Saraiva); Parlamento; Partidos Políticos Imperiais; Pensamento Conservador; Organização Política da Primeira República.

Referências

Anais da Câmara dos Deputados, 21 de março de 1882.

Anais da Câmara dos Deputados, 23 de março de 1882.

BURKE, Edmund. Reflexão sobre a revolução em França. Brasília: Universidade de Brasília, 1982.

CORTÉS, Juan Donoso. Ensayo sobre el Catolicismo, el Liberalismo y el Socialismo. Biblioteca Virtual Universal, 2003.

HIMMELFARB, Gertrude. Os caminhos para a modernidade. São Paulo: É Realizações, 2011.

LEFEBVRE, George. A Revolução Francesa. São Paulo: IBRASA, 1966.

MONTESQUIEU. Do Espírito das leis. São Paulo: Martin Clairet, 2006.

NISBET, Robert. Conservantismo. In: BOTTOMORE, Tom; NISBET, Robert (org.). História da análise sociológica. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

NISBET, Robert. O Conservadorismo. Lisboa: Editorial Estampa, 1987.

PAVANI, Roney Marcos. Repensando o conservadorismo católico: política, religião e história em Juan Donoso Cortés. Dissertação de mestrado defendida na Universidade Federal do Espírito Santo em 2010.

POCOCK, J. G. Linguagem do ideário político. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2003.

ROMERO, José Luís; Romero; ROMERO, Luís Alberto. Pensamiento Conservador(1815-1898). Volume 1. Fundacion Biblioteca Ayacuch, 1986.

SOARES, José Miguel Nanni. Considérations sur la France de Joseph de Maistre: revisão (historiográfica) e tradução. Dissertação de mestrado defendida na Universidade de São Paulo, 2009.

Downloads

Publicado

01-08-2019

Como Citar

Aguiar, A. do N. (2019). “HÁ LIMITE PARA TODAS AS COISAS”: ANTIRREFORMA E CONSERVADORISMO NA ASSEMBLEIA GERAL DE 1881. Rth |, 21(1), 77–98. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/59768