BIOGRAFAR, IMAGINAR, ESCREVER: ESCRITA BIOGRÁFICA E IMAGINAÇÃO HISTÓRICA EM JOÃO MANUEL PEREIRA DA SILVA (1817-1898)

Autores

  • Rafael Terra Dall'Agnol UFRGS

Palavras-chave:

História da historiografia, Historiografia brasileira, Século XIX, Imaginação Histórica, Escrita Biográfica

Resumo

Este artigo busca estudar a relação entre escrita biográfica e imaginação histórica nas obras de João Manuel Pereira da Silva, especialmente em Plutarco Brasileiro. As vinte biografias produzidas pelo historiador nesse trabalho constituem a fonte principal deste trabalho. A partir delas, é possível compreender o pensamento do autor sobre a utilização da capacidade imaginativa no trabalho historiográfico. Posteriormente, a partir das reflexões de Luiz Costa Lima, será demonstrado de que forma Pereira da Silva exerce sobre seus romances históricos um controle do imaginário a fim de orientar seus leitores para uma leitura possível de sua obra.

Biografia do Autor

Rafael Terra Dall'Agnol, UFRGS

Graduado e Mestre em história na pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Doutorando em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Tem experiência na área de teoria da história, historiografia brasileira e ensino de História.

Referências

VERÍSSIMO, José. História da Literatura Brasileira: de Bento Teixeira (1601) a Machado de Assis (1908). Rio de Janeiro: José Olympio Editôra, 1954.

CEZAR, Temístocles. “Livros de Plutarco: biografia e escrita da história no Brasil do século XIX”. Métis. História & Cultura, v.2, n.3, jan./jun., 2003, p. 73-94.

CEZAR, Temístocles. “Lições sobre a escrita a história: as primeiras escolhas do IHGB. A historiografia brasileira entre os antigos e os modernos”. In: Estudos de historiografia brasileira. Rio de Janeiro: FGV, 2011, p. 93-124.

CEZAR, Temístocles. “Fustel de Coulanges”. In: MALERBA, Jurandir. Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, p. 307-317.

COLANGES, Fustelde. “Aula inaugural do curso de história da faculdade de Estrasburgo (1862)”. In: MALERBA, Jurandir. Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, p. 317-318.

COLANGES, Fustel de. “Regras de uma história imparcial”. In: MALERBA, Jurandir. Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, p. 318-322.

DALL AGNOL, Rafael Terra. O passado a serviço do presente: imaginação histórica no Brasil oitocentista (c. 1839-60). UFRGS: Porto Alegre, 2014. (Trabalho de Conclusão de Curso).

DICKENS, Charles. Hard Times. London: Penguin Classics, 2003.

DIEHL, Astor Antônio. A cultura historiográfica brasileira: do IHGB aos anos 30. Passo Fundo: Ediupf, 1998.

DOSSE, François. História e historiadores no século XIX. In: MALERBA, Jurandir. Lições de história: o caminho da ciência no longo século XIX. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2010, p. 15-32.

ENDERS, Armelle. “João Pereira da Silva, Francisco Adolfo Varnhagen et lês malheurs de l?histoire moderne du Brésil”. Revista de História (RH), edição especial –1° de semestre de 2010 –antigos, modernos e selvagens, p. 115-129.

ENDERS, Armelle. Os vultos da nação: fábrica de heróis e formação dos brasileiros: Rio de Janeiro: Editora FGV, 2014, p. 175-234.

GAY, Peter. O estilo na história. São Paulo: Companhia das Letras, 1990

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. Historiografia e nação no Brasil: 1838-1857. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2011

GUIMARÃES, Manoel Luiz Salgado. “Entre as Luzes e o Romantismo: as tensões da escrita da história no Brasil oitocentista”. In: Estudos sobre a escrita da história. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2006.

HARTOG, François. Evidência da história: o que os historiadores vêem. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

HARTOG, François. Regimes de historicidade: presentismo e experiência do tempo. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

KOSELECK, Reinhart. “História magistra vitae. Sobre a dissolução do topos na história moderna em movimento. In: KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto, 2006, p. 41-60.

LIMA, Luiz Costa. “O imaginário e a imaginação”. In: LIMA, Luiz Costa. O controle do imaginário & a afirmação do romance: Dom Quixote, As relações perigosas, Moll Flanders, Tristram Shandy.São Paulo: Companhia das Letras, 2009, p. 110-155.

LIMA, Luiz Costa. LIMA, Luiz Costa. Trilogia do controle: o controle do imaginário: sociedade e discurso ficcional: o fingidor e o censor. Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

MARTINS, Estevão de Rezende. “Introdução”. In: MARTINS, Estevão de Rezende. A história pensada: teoria e método na historiografia europeia do século XIX. São Paulo: Contexto, 2010, p.7-14.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Escrever vidas, narrar a história: a biografia como problema historiográfico no Brasil oitocentista, RJ: Editora FGV, 2011.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. “Biografia e historia magistra vitae: sobre a exemplaridade das vidas ilustres no Brasil oitocentista” Anos90: Porto Alegre, v. 22, n. 42, p. 273-294, dez. 2015.

RANKE, Leopold von. “O conceito de história universal”. In: MARTINS, Estevão de Rezende. A história pensada: teoria e método na historiografia europeia do século XIX. São Paulo: Contexto, 2010, pp. 202-216.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. São Paulo: Ed. WMF Martins Fontes, 2010.

RODRIGUES, José Honório. “O Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro”. In: RODRIGUES, José Honório. A pesquisa histórica no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional/MEC, 1978.

SILVA, Antonio de Moraes. Diccionario da língua portuguesa composto pelo padre Rafael Buteau, reformado, e acrescentado por Antonio de Moraes Silva. Disponível em: www.brasiliana.usp.br/bbd/handle/1918/00299210.

SILVA, João Manuel Pereira da. História da fundação do Império brazileiro. Rio de Janeiro: B.L. Garnier, 1864-1868. 7 v.

SILVA, João Manuel Pereira da. Memórias de meu tempo. Brasília: Senado Federal, 2003.

SILVA, João Manuel Pereira da. Plutarco Brasileiro. Rio de Janeiro: Em Casa dos Editores Eduardo e Henrique Laemmert, 1847. 2 v.

SILVA, João Manuel Pereira da. Os varões illustres do Brazil durante os tempos coloniáes. Pariz : Livraria de A. Franck..., : Livraria de Guillaumin..., 1858. 2 v.

SILVA, Innocencio Francisco da. Diccionario bibliographico portuguez. Lisboa: Imprensa Nacional, 1858-1927.

VOLTAIRE. Dictionaire Philosophique. In: VOLTAIRE. Oeuvres complètes de Voltaire : avec des notes et une notice sur la vie de Voltaire. Paris : Chez Firmin Didot Frères, Fils, 1857-1859. 13 v, Tome VII.

WHITE, Hayden. Meta-História: a imaginação histórica do século XIX. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2008.

Downloads

Publicado

28-12-2018

Como Citar

Dall’Agnol, R. T. . (2018). BIOGRAFAR, IMAGINAR, ESCREVER: ESCRITA BIOGRÁFICA E IMAGINAÇÃO HISTÓRICA EM JOÃO MANUEL PEREIRA DA SILVA (1817-1898). Rth |, 20(2), 152–180. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/56511