HISTORIOGRAFIA E VISADA ÉTICA: HAYDEN WHITE E OS PASSADOS PRÁTICOS

Autores

  • Walderez Simões Costa Ramalho UFOP-MG
  • Augusto Martins Ramires UFOP-MG
  • Leticia Almeida Ferraz UFOP-MG

Palavras-chave:

Teoria da História, História da Historiografia, Ética, Representação, Literatura

Resumo

Este artigo propõe uma reflexão teórica acerca dos passados práticos, conceito que Hayden White lançou em seus últimos trabalhos. Nossa interpretação buscou integrar tanto os textos White, como de historiadores nacionais e estrangeiros que trataram dessa mesma noção, para então lançarmos nossa hipótese, segundo a qual a pertinência teórica da proposta whiteana encontra limites significativos, mas que não deve ser descartada de todo por apresentar um chamado ético fundamental para os historiadores. Esse chamado passa por uma reaproximação entre história e literatura, um dos principais pontos do argumento de White. O artigo se estrutura em três passos: apresentar a ideia de passado prático e sua diferença com o passado histórico segundo White; relacionar essa proposta conceitual com a obra precedente do historiador estadunidense; e fazer um balanço crítico dessa proposta, avaliando as possibilidades e limites de sua aplicação para a História da Historiografia.

Biografia do Autor

Walderez Simões Costa Ramalho, UFOP-MG

Graduado em História-Licenciatura pela Universidade Federal de Minas Gerais (março de 2012). De julho de 2011 a agosto de 2012 possuiu bolsa de iniciação científica do CNPq, trabalhando no projeto de pesquisa "Tempos e narrativas do Brasil", coordenado pelo professor José Carlos Reis. Mestre pelo Programa de Pós-graduação em História pela UFMG (junho de 2015), sob orientação do professor José Carlos Reis, e bolsista do Fundo de Amparo À Pesquisa de Minas Gerais (FAPEMIG). Doutorando em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (desde 2017), sob orientação do professor Valdei Lopes de Araújo, e também bolsista da FAPEMIG. Membro do Núcleo de Estudos em História da Historiografia e Modernidade (NEHM-UFOP), da Sociedade Brasileira de Teoria e História da Historiografia (SBTHH), e do Núcleo Interdisciplinar de Estudos Teóricos (NIET). Tem experiência nas áreas de Teoria e História da Historiografia e História do Brasil República, além de professor de História do ensino fundamental e médio.

Augusto Martins Ramires, UFOP-MG

Graduado em História pela Universidade Federal de Ouro Preto. Bolsista de Iniciação Cientifica pela FAPEMIG com a pesquisa: "Usos do passado: escrita da história em Bartolomé Mitre (1857 - 1886)", orientada pela Profª. Drª. Helena Miranda Mollo. Bolsista de Intercambio pela AUGM Associação de Universidades Grupo Montevideo/CNPQ no ano de 2013, pela UNCuyo Universidad Nacional de Cuyo Argentina em convênio com a Universidade Estadual Paulista (UNESP/ASSIS) Mestre pelo Programa de Pós-Graduação em História/UFOP. Doutorando pelo Programa de Pós-Graduação em História/UFOP. Pesquisador vinculada à Linha de pesquisa 2 - Ideias, Linguagens e historiografia do PPGHIS-UFOP; Integrante do Núcleos de Estudos de História da Historiografia e Modernidade (NEHN/UFOP). Ex-Secretário da Revista História da Historiografia. ISSN: 19839928. Qualis A1. (Durante o ano de 2018). Interesses: História da Historiografia; Teoria da História, Filosofia da História; com ênfase em história da historiografia argentina e América Latina do século XIX.

Leticia Almeida Ferraz, UFOP-MG

Licenciada em História pela Universidade Federal de Ouro Preto (2010-2014). Fez a iniciação científica "?Práticas de Ciéncia e Escrita da História: A relação entre cultura científica e cultura histórica na segunda metade do oitocentos brasileiro? sob a orientação da professora Drª Helena Miranda Mollo e apoio da FAPEMIG (2012-2014). Atualmente faz mestrado também pela Universidade Federal de Ouro Preto, sob orientação da Professora Helena Miranda Mollo. Atua como professora de inglês há 3 anos, tendo lecionado para todos níveis de conhecimento da língua e com alguma experiência em tradução.

Referências

ÁVILA, Arthur Lima de. (In)disciplinando a história: do passado histórico ao passado prático. Revista Maracanan, Rio de Janeiro, n. 18, p. 35-49, jan./jun. 2018.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama trágico alemão. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

BEVERNAGE, Berber; LORENZ, Chris. Breaking up time: negotiating the borders between past, present and future. Storia della Storiografia, v. 63, n. 1, p. 31-50, 2013.

CALDAS, Pedro. Para além do giro linguístico: uma abordagem existencialista da obra de Hayden White. História da Historiografia, Ouro Preto, n. 11, p. 272-278, 2013.

CARVALHO, Augusto de. História do passado: da conceitualização tradicional à reconfiguração em Walter Benjamin, Martin Heidegger e Sigmund Freud. 2017. 392 f. Tese (Doutorado em História) -Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

CESAR, Temístocles. Hamlet Brasileiro: ensaio sobregiro linguístico e indeterminação historiográfica (1970-1980). História da Historiografia, Ouro Preto, v. 17, p. 440-461, 2015.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e Método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Tradução de Flávio Paulo Meurer. 15ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes; Bragança Paulista (SP): São Francisco, 2015.GONTIJO, Rebeca. Sobre cultura histórica e usos do passado: a Independência do Brasil em questão. Almanack, v. 8, p. 44-53, 2014.

GUMBRECHT, Hans Ulrich. Em 1926: vivendo no limite do tempo. Rio de Janeiro: Record, 1999.

HARLAN, David. “‘The Burden of History’ Forty Years Later.” In: ANKERSMIT, Frank; DOMANSKA, Ewa. Re-Figuring Hayden White. Stanford (EUA): Stanford University Press, 2009, p.169–189.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Trad. Márcia Schuback. Petrópolis, RJ ; Bragança Paulista, SP: Vozes ; Editora Universitária São Francisco, 2012.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre (Orgs.). História: novos problemas. Tradução de Theo Santiago. 4ª edição. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1995.

LORENZ, Chris. It Takes Three to Tango: History between the “Practical” and the “Historical” past. Storia della Storiografia, v. 65, n.1, p. 29-46, 2014.

MALEBRBA, Jurandir (Org.). A história escrita: teoria e história da historiografia. São Paulo: Editora Contexto, 2006.

MEDEIROS, Bruno Franco; ARAUJO, Valdei Lopes. A história de Minas como história do Brasil. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 43, n. 1, p. 22-37, jan./jul. 2007.

MENDES, Breno. “Paul Ricoeur e a narrativa historiográfica: para além do debate epistemológico, a dimensão ética”. In: GARCIA, Fernando; MENDES, Breno; VIEIRA, Andrea. Teoria da história em debate: modernidade, narrativa, interdisciplinaridade. Jundiaí (SP): Paco Editorial, 2014, p.59-78.

MUDROVCIC, María Inés. Historical Narrative as a Moral Guide and the Present as History as an Ethical Project. História da Historiografia, Ouro Preto, n. 21, p. 10-24, ago. 2016.

OAKESHOTT, Michael. “Historical Experience”. In: Experience and its Modes. Cambridge: Cambridge University Press, 1933.

PAUL, Herman. Hayden White: the historical imagination. Nova York: Polity, 2011. Resenha de: OHARA, João Rodolfo Munhoz. Um Hayden White existencialista: por uma historiografiada libertação. Revista de Teoria da História, v. 7, n. 13, p. 287-292, abr. 2015.

PIMENTA, João Paulo; ATTI, César Augusto; CASTRO, Sheila Virgínia; DIMAMBRO, Nadiesda; LANNA, Beatriz Duarte; PUPO, Marina; VIEIRA, Luiz Otávio. A independência e uma cultura de história no Brasil. Revista Almanack, n. 8, p. 2-36, 2014.

RAMALHO, Walderez Simões Costa. A historiografia da mineiridade: trajetórias e significados na história republicana do Brasil. Dissertação (Mestrado em História) –Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

RANGEL, Marcelo de Mello; ARAUJO, Valdei Lopes de. Apresentação –Teoria e História da Historiografia: do giro linguístico ao giro ético-político. História da Historiografia, Ouro Preto, n.17, p.318-332; abr. 2015.

RICOEUR, Paul. Tempo e Narrativa. São Paulo: Martins Fontes, 2010.

ROMEIRO, Adriana; SILVEIRA, Marco Antônio (Org.). Diogo de Vasconcellos: o ofício do historiador. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2014.

SILVA, Rodrigo Machado. O Heródoto mineiro: da tradição monárquica à historiografia republicana. Revista Temporalidades, Belo Horizonte, v. 2, n. 1, p. 56-65, jan./jul. 2010.

SIMON, Zoltán Boldizsár. History manifested: making sense of unprecedented change, European Review of History, v.22, n.5, p.819-834, 2015.

SPIEGEL, Gabrielle. Above, About and Beyond the Writing of History: A Retrospective View of Hayden White’s Metahistory on the 40th Anniversary of its Publication. Rethinking History,v. 17, n. 4, p. 492–508, 2013.

______. The future of the past: history, memory and the ethical imperatives of writing history. Journal of philosophy of history, v. 8, p. 149-179, 2014.

TURIN, Rodrigo. Uma nobre, difícil e útil empresa: o ethos do historiador oitocentista. História da Historiografia, Ouro Preto, n. 2. p. 12-28, mar. 2009.

______. Entre o passado prático e o passado histórico: as figurações do historiador no Brasil contemporâneo. 2016. (Apresentação de Trabalho/Conferência ou palestra).

VASCONCELLOS, Diogo L. A. P. de. História média das Minas Gerais. 2. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 1948 [1918].

WHITE, Hayden. Metahisory: the historical imagination on the 19th century. Baltimore: The John Hopkins University Press, 1973.

______. The content of the form: narrative discourse and historical representation. Baltimore: The John Hopkins University Press, 1987.

______. “O fardo da história”. In: Trópicos do discurso: ensaio sobre a crítica da cultura. São Paulo: EDUSP, 1994.

______. O evento modernista. Lugar comum, n. 5-6, p. 191-219, 1999.

______. The practical past. Historien, v. 10, p. 10-19, 2010.

______. Politics, history and the practical past. Storia della Storiografia, v. 1, n. 61, 2012. p. 127-134.

______. The practical past. Evanston: Northwestern University Press, 2014.

Downloads

Publicado

28-12-2018

Como Citar

Ramalho, W. S. C., Ramires, A. M., & Ferraz, L. A. (2018). HISTORIOGRAFIA E VISADA ÉTICA: HAYDEN WHITE E OS PASSADOS PRÁTICOS. Rth |, 20(2), 106–129. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/56509