O AUTOR COMO GESTO: REVISITANDO UMA QUESTÃO FOUCAULTIANA

Autores

  • Reginaldo Sousa Chaves UESPI

Palavras-chave:

Autor, Dispositivo, Gesto, Michel Foucault, Giorgio Agamben

Resumo

O presente artigo pretende retomar em detalhes a conferência O que é um autor?, realizada em 1969 por Michel Foucault, e discutir seus principais aspectos. Trata-se de um problema que interessa aos estudiosos que trabalham majoritariamente com textos literários ou não (historiadores, críticos, filósofos, entre outros). Assim, tomamos como escopo deslindar uma ideia de autoria que permita lidar criticamente com esta noção fundamental para os intérpretes de texto. Para tanto, confrontamos a análise foucaultiana com a de outros pensadores: Roland Barthes, Roger Chartier e Jorge Luís Borges. Finalmente, discutimos O que é um autor? por meio da atenta leitura da conferência de Foucault levada a cabo pelo filósofo Giorgio Agamben, que a interpreta à luz do texto A Vida dos Homens Infames (1982). Desse modo, delimitamos o que poderia ser uma noção de autoria como gesto, que se caracteriza pelo reconhecimento de uma resistência da captura do sujeito nos dispositivos de poder.

Biografia do Autor

Reginaldo Sousa Chaves, UESPI

Professor Assistente II da Universidade Estadual do Piauí (UESPI). Doutor em História Social pela Universidade Federal do Ceará (UFC), Mestre em História do Brasil e Especialista em História Cultural pela Universidade Federal do Piauí (UFPI). Trabalha os seguintes temas: leitura histórica de textos literários, ficcionalidade da História e Teoria da História. Pesquisa a relação entre História, arte, temporalidade e cultura no Brasil nas décadas de 1950 a 1960 com ênfase no surrealismo e nas obras de Roberto Piva e Jorge Mautner.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. O autor como gesto. In: Profanações. Trad. Selvino José Assmann. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p. 55-63.

BARTHES, Roland. A morte do autor. In: O rumor da língua. 3º Edição. Trad. Mário Laranjeira. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 57-64.

BLANCHOT, Maurice. A Literatura e o direito a morte. In: ______. A Parte do Fogo. Rio de Janeiro: Rocco, 1997. p. 291-330.

BLANCHOT, Maurice. O Infinito literário: o Aleph. In: O Livro por vir. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Martins Fontes, 2005. p. 136-140.

BORGES, Jorge Luís. Obras Completas. Trad. Carlos Nejar. São Paulo: Globo, 1998.

BORGES, Jorge Luís. O Fazedor. Trad. Rolando Roque da Silva. São Paulo: Difel, 1984.

CERTEAU, Michel de. História e Psicanálise: Entre a Ciência e a Ficção. Trad. Guilherme João de Freitas Texeira. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

CHARTIER, Roger. O que é um Autor? Revisão de uma genealogia. Trad. Luzmara Curcino e Carlos Eduardo Bezerra. São Carlos: EdUFSCAR, 2012.

DEFERT, Daniel. Cronologia. In: FOUCAULT, Michel. Problematização do sujeito: Psicologia, Psiquiatria e Psicanálise. (Ditos e Escritos, Vol. 1). Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Trad. Vera Lucia Avellar Ribeiro. 3ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2011.

DIDIER, Eribon. Michel Foucault e seus contemporâneos. Trad. Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. Trad. Roberto Machado. Rio de Janeiro: Graal, 2003.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Trad. Laura Fraga de Almeida Sampaio. São Paulo: Loyola, 1996.

FOUCAULT, Michel. Arqueologia do Saber. Trad. Luís Felipe Baeta Neves. 8ª Ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: Vontade de Saber. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 15ª Ed. Rio de Janeiro: Graal, 2003.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: Uso do Prazeres. Trad. Maria Therezada Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque. 12ª Ed. Rio de Janeiro: Graal, 2007.

FOUCAULT, Michel. As Palavras e as Coisas: uma arqueologia das ciências humanas. Trad. Salma Tannus Muchail. 9ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

FOUCAULT, Michel. O que é um autor?. In: ______.Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. (Ditos e Escritos, Vol. III). Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 264-298.

FOUCAULT, Michel. O Pensamento do Exterior. In: ______. Estética: Literatura e Pintura, Música e Cinema. (Ditos e Escritos, Vol. III). Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2001. p. 219-242.

FOUCAULT, Michel. A vida dos homens infames. In: ______. Estratégia, poder-saber. (Ditos e escritos IV). Organização e seleção de textos: Manoel Barros da Motta. Trad. Inês Autran Dourado Barbosa. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003. p. 203-222.

FOUCAULT, Michel. Raymond Roussel. Trad. Manoel Barros da Motta e Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999.

LARROSSA, Jorge. Linguagem e Educação depois de Babel. Trad. Cynthia Farina. Belo Horizonte: Autêntica, 2004.

MACHADO, Roberto. Foucault, a filosofia e a literatura. Rio de janeiro: Jorge Zahar, 2000.

MONEGAL, Emir R. Borges: Uma Poética da Leitura. Trad. Irlemar Chiampi. Perspectiva: São Paulo, 1980.

ORTEGA, Francisco. Amizade e estética da existência em Foucault. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

SCHWARTZ, Jorge. (org.) Borges Babilônico: uma enciclopédia. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

Downloads

Publicado

28-12-2018

Como Citar

Chaves, R. S. (2018). O AUTOR COMO GESTO: REVISITANDO UMA QUESTÃO FOUCAULTIANA. Rth |, 20(2), 90–105. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/56508