EDOARDO GRENDI E GIOVANNI LEVI: DA ANTROPOLOGIA À MICROANÁLISE HISTÓRICA (1977-1985)

Autores

  • Daniel Precioso Universidade Estadual de Goiás

Palavras-chave:

Antropologia Social, Antropologia Econômica, Micro-História italiana, Edoardo Grendi, Giovanni Levi

Resumo

Este artigo consiste em um breve exame do diálogo estabelecido entre Micro-História e Antropologia. O seu objetivo é avaliar a influência da antropologia econômica e da antropologia social sobre dois dos principais expoentes da chamada micro-história italiana: Edoardo Grendi e Giovanni Levi. Para tanto, o estudo se divide em três partes: na primeira, percorremos o caminho que liga os pressupostos da antropologia econômica de Witold Kula e Karl Polanyi aos interesses da micro-história social; na segunda, examinamos a influência exercida pela antropologia social para a construção da proposta da microanálise em Grendi; por último, em vista do caráter fundamentalmente empírico e experimental da micro-história, buscaremos delinear a forma como se deu a apropriação de abordagens e conceitos antropológicos em pesquisas concretas de Grendi e Levi, publicadas entre 1977 e 1985.

Biografia do Autor

Daniel Precioso, Universidade Estadual de Goiás

Doutor em História pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atualmente é professor efetivo da Universidade Estadual de Goiás (UEG) e docente do Programa de Pós-Graduação em História (stricto sensu) da UEG-Morrinhos. Foi investigador visitante do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDEHUS) da Universidade de Évora (Portugal) (estágio de doutorado no exterior - PDSE / CAPES). Tem experiência na área de História, com ênfase na História do Brasil Colonial e do Antigo Regime Português, atuando nos seguintes temas: condições de vida de alforriados (e seus descendentes); sociabilidade religiosa e participação política de negros e mulatos; práticas mágico-religiosas de africanos no Atlântico Sul. 

Referências

ALMEIDA, Carla, OLIVEIRA, Mônica (orgs.). Exercícios de micro-história. Rio de Janeiro: Editora FGV, 2009.

BANTI, Alberto M. Storie e microstoire: L’histoire sociale contemporaine en Italie. Genèses; Sciences sociales et histoire, Belin, n. 3, p. 134-147, Mars. 1991.

BARTH, Fredrik. O guru, o iniciador e outras variações antropológicas. Rio de Janeiro: Contracapa, 2000.

BARTH, Fredrik. Process and form in social life. Selected essays of Fredrik Barth. Volume I. London, Boston and Henley: Routledge & Kegan Paul, 1981.

BARTH, Fredrik. Sohar. Culture and Society in a Omani Town. Baltimore and London: The Johns Hopkins University Press, 1983.

CERUTTI, Simona. Microhistory: social relations versus cultural models? In: CASTRÉN, Anna-Maija, LONKILA, Markku, PELTONEN, Matti. Between Sociology and History. Essays on Microhistory, Collective Action, and Nation-Building. Helsinki: SKS / Finnish Literature Society, 2004. p. 17-40.

FRAGOSO, João. Alternativas metodológicas para a história econômica e social: micro-história italiana, Fredrik Barth e a história econômica colonial. In: ALMEIDA, Carla, OLIVEIRA, Mônica (orgs.). Nomes e Números: alternativas metodológicas para a história econômica e social. Juiz de Fora: Ed. UFJF, 2006.p. 27-48.

GINZBURG, Carlo (org.). A micro-história e outros ensaios. Lisboa: Difel, 1991.

GINZBURG, Carlo. História noturna: decifrando o sabá. SãoPaulo: Companhia das Letras, 1991.

GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas, Sinais. Morfologia e História. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GINZBURG, Carlo. O fio e os rastros. Verdadeiro, falso, fictício. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

GOUBERT, Pierre. Cent Mille Provinciaux au XVIIe siècle –Beauvais et Le Beauvaisis de 1600 à 1730. Paris: Flamarion, 1968.

GRENDI, Edoardo. Il Cervo e la repubblica. Il modello ligure di antico regime. Torino: Giulio Einaudi editore s.p.a., 1993.

GRENDI, Edoardo..Polanyi: dall’antropologia economica alla microanalisi storica. Milano: Etas Libri, 1978.

KULA, Witold. Teoria Económica do Sistema Feudal. Lisboa: Editorial Presença, 1979.

LEVI, Giovanni. A herança imaterial. Trajetória de um exorcista no Piemonte do século XVII.Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

LEVI, Giovanni. Centro e Periferia di uno Stato Assoluto. Turin: Rosemberg & Seller, 1985.

LEVI, Giovanni. Entrevista concedida a Juan José Marin. Revista de História, Heredia (Costa Rica), n. 41, p. 131-148, En.-Jun. 2000.

LEVI, Giovanni. Sobre a micro-história. In: BURKE, Peter. A Escrita da História: novas perspectivas (trad.). São Paulo: Ed. UNESP, 1992. p. 133-62.

LIMA, Henrique Espada. A micro-história italiana: escalas, indícios e singularidades. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

LIMA, Henrique Espada. E. P. Thompson e a micro-história: trocas historiográficas na seara da história social. Revista Esboços (UFSC), Florianópolis, n. 12, p. 53-74, 2004.

POLANYI, Karl. The Great Transformation. The political and economic origins of our time. Boston: Beacon Press, 1957.

REVEL, Jacques (org.). Jogos de Escalas. A experiência da microanálise. Rio de Janeiro: Editora FGV, 1998.

Downloads

Publicado

01-08-2019

Como Citar

Precioso, D. (2019). EDOARDO GRENDI E GIOVANNI LEVI: DA ANTROPOLOGIA À MICROANÁLISE HISTÓRICA (1977-1985). Rth |, 21(1), 132–167. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/55931