UM OUTRO OLHAR SOBRE OS CEMITÉRIOS: REFLETINDO A ARTE CEMITERIAL SOB A PERSPECTIVA DAS PESQUISAS, AÇÕES, PASSEIOS E EVENTOS CULTURAIS

Autores

  • Clarisse Ismério Universidade da Região da Campanha- URCAMP

Palavras-chave:

Arte, Cemitério, Pesquisa, Patrimônio, Cultura.

Resumo

A morte e os cemitérios são temas considerados como tabus por grande parte da sociedade.  Por outro lado, nos últimos anos, observamos um aumento das pesquisas em torno dessas temáticas, seja por tentar refletir mais sobre a morte ou por tentar conhecer o passado através da arte cemiterial. Cada cemitério é um museu a céu aberto, pois possibilita reconstituir a história das famílias tradicionais, a mobilidade social e sua mentalidade, fruto da importância política e da opulência econômica das cidades. Diante dessa visão, propomos uma reflexão sobre as pesquisas, ações, passeios e eventos culturais que possibilitam ver a cemiterial com “outros olhos”. 

Biografia do Autor

Clarisse Ismério, Universidade da Região da Campanha- URCAMP

Graduou-se em História, Licenciatura e Bacharelado, pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS) em 1992, em Porto Alegre. Em 1995 concluiu o Mestrado em História, no Programa de Pós-Graduação em História, da PUCRS, desenvolvendo uma pesquisa sobre o achatamento cultural e profissional imposto às mulheres pela doutrina positivista no Rio Grande do Sul, que foi transformada no livro Mulher: a Moral e o Imaginário 1889-1930, pela EDIPUCRS. E, em 1999, terminou o Doutorado em História do Brasil, também pela PUCRS, com o trabalho Igreja e Nacionalismo: O Movimento Renovador da Cristandade. Por meio do Programa de Bolsa Recém-Doutor da FAPERGS, de 2000 a 2001, desenvolveu o projeto O jornal Echo Americano (1871-72) através da análise visual e simbólica: relações histórico-antropológicas entre o simbolismo e imaginário sociocultural e político, no Museu de Comunicação do RS Hipólito José da Costa, de Porto Alegre, e no Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, da Universidade do Vale do Rio dos Sinos (UNISINOS), São Leopoldo. E também, em 2002, foi bolsista do Programa Recém-Doutor do CNPq com o projeto Processos Civilizacionais no Final do Século XX: Práticas Sociais (cidade e urbanismo) através dos Jornais Correio do Povo e Zero Hora, também desenvolvido na UNISINOS. Desde 2005 atua como professora e pesquisadora na Universidade da Região da Campanha (URCAMP), Bagé. E coordena o Curso de História na mesma instituição. Tem experiência na área de História, Sociologia e Antropologia, atuando principalmente nos seguintes temas: cultura, educação patrimonial, gênero e patrimônio cultural. Trabalhou, de 2011 a 2012, na Secretaria de Políticas Públicas para Pessoa Idosa (SEMPPI), Prefeitura de Bagé, organizando eventos e na área de projetos. Criadora do evento Cultural Sarau Noturno realizado no Cemitério da Santa Casa de Bagé desde o ano de 2008, que resultou no livro Sarau Noturno, publicado em 2016 pela Editora Chiado de Lisboa. Coordenadora do Projeto Patrimônio Digital: pesquisa, digitalização e criação jogos educativos e ambientes virtuais interativos e imersivos (2015) desenvolvido no Museu D. Diogo de Souza. Filiada à Associação Brasileira de Estudos Cemiteriais (ABEC). Avaliadora INEP/MEC - Credenciamento. Coordenadora Institucional do PIBID Edital CAPES 7/2018. Atualmente desenvolve o projeto de pós-doutorado "Senhoras da palavra: reconstruindo as histórias de professoras, jornalistas e escritoras feministas do Rio Grande do Sul", sob orientação da Profa. Dra. Edla Eggert, no Programa de Pós-graduação em Educação, na Escola de Humanidades de PUCRS.

Referências

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS CEMITERIAIS (ABEC). Disponível em http://estudoscemiteriais.com.br/index.php/a-abec/ Acesso em 12 jun de 2017.

ARAÚJO, Thiago Nicolau de Araújo. O Que Amamos não Esquecemos: Cemitérios-Finitude –Teologia. Lisboa: Chiado, 2016.

ARIÈS, Philipe. 1982. O Homem diante da morte. Rio de janeiro: Francisco Alves, Vol. II, 1982.

BASTIANELLO,Eliane M. Tonini.Os monumentos funerários do Cemitério da Santa Casa de Caridade de Bagé e seus significados culturais: memória pública, étnica e artefactual(1858-­??1950).Dissertação de Mestrado do Programa em Memória e Patrimônio Cultural daUniversidade Federal de Pelotas, 2010.

BELLOMO,Harry. Cemitérios do Rio Grande do Sul: arte, sociedade, ideologia.Porto Alegre: EDIPUCS, 2000.

BORGES, Maria Elizia. Um Espaço Expandido na Cidade de Bagé(Apresentação). In. ISMÉRIO, Clarisse. Sarau Noturno.Lisboa: Editora Chiado, 2016.

BORGES, Maria Elizia. 2002. Arte funerária no Brasil (1890-1930) ofício de marmoristas italianos em Ribeirão Preto.Belo Horizonte: Editora C/ Arte, 2002.

HORTA, Maria de Lourdes Parreiras. Fundamentos da educação patrimonial. Ciências e Letras (Porto Alegre), n.27, 2000. p. 25-35.

HORTA,Maria de Lourdes, Grumberg, Evelina & Monteiro, Adriane. 1999. Guia Básico da Educação Patrimonial.Brasília: IPHAN, 1999.

ISMÉRIO, Clarisse. Sarau Noturno. Lisboa: Editora Chiado, 2016.

ISMÉRIO, Clarisse. Os Símbolos e Representações Femininas da Arte Cemiterial no Período Republicano do Rio Grande do Sul/ Brasil (1889-1930). Revista Grafía Universidad Autónoma de Colombia, v. 13, p. 48-65, 2016. Disponível em: http://revistas.fuac.edu.co/index.php/grafia/article/viewFile/671/623 Acesso em 13 jun 2017.

ISMÉRIO,Clarisse. 2013.Projeto Cultural Sarau Noturno: desenvolvendo a educação patrimonial através da arte cemiterial. Revista Vox Musei, Lisboa, v. 1, p. 113?127.ISMÉRIO, Clarisse. 2007.Projeto História através da Arte Cemiterial. Universidade da Região da Campanha (URCAMP), Bagé, RS.

LYOTARD,Jean?François.1993. O pós?moderno explicado as crianças.2. Ed. Lisboa: Dom Quixote.

(CONT.)

Downloads

Publicado

2017-12-28

Como Citar

ISMÉRIO, C. UM OUTRO OLHAR SOBRE OS CEMITÉRIOS: REFLETINDO A ARTE CEMITERIAL SOB A PERSPECTIVA DAS PESQUISAS, AÇÕES, PASSEIOS E EVENTOS CULTURAIS. Revista de Teoria da História, Goiânia, v. 18, n. 2, p. 100–115, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/50894. Acesso em: 16 jul. 2024.