ONDE VAIS HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA? CAMINHOS E PROBLEMAS ? DA GERAÇÃO DE 1939-45 ATÉ AOS FINAIS DOS ANOS 80: ESBOÇO DE UM BALANÇO HISTORIOGRÁFICO

Autores

  • Nuno Bessa Moreira Universidade do Porto

Palavras-chave:

Historiografia, Ensaios / III, Magalhães Godinho, Barradas de Carvalho; A. H. De Oliveira Marques

Resumo

O objetivo central deste artigo é a realização de um balanço provisório da História da Historiografia em Portugal e do seu lugar na Historiografia Portuguesa até ao 25 de Abril de 1974 (aflorando o período que se estende até finais dos anos 80). Utilizaremos como fonte principal os Ensaios III Sobre Teoria da História e Historiografia, de Vitorino Magalhães Godinho, publicados em 1971. Inserida a obra referida nos contextos político, social e ideológico, efetuar-se-á uma análise de discurso, promovendo comparações com Da História Crónica à História-ciência (1972), de Joaquim Barradas de Carvalho, e com a Antologia de Historiografia Portuguesa, de Oliveira Marques. O principal resultado desta investigação, ainda indiciária, repercute um clima de incerteza e ambiguidade. Magalhães Godinho ou Oliveira Marques contribuíram para o arranque e a primeira sistematização de uma nova história da historiografia. Os seus esforços implicaram uma progressiva especialização de saberes. 

Biografia do Autor

Nuno Bessa Moreira, Universidade do Porto

Investigador na área de história da historiografia.

A sua formação está umbilical e inquestionavelmente ligada à Faculdade de Letras do Porto e ao respectivo curso de História. Este testemunho emocional é passível de ser inadequado ou exageradamente pessoal. Todavia, podem poupar-se adjetivos, dispensar-se advérbios, isentando-se esta exposição de metáforas. Nenhum destes exercícios subtrai ou muito menos anula a experiência vivida nos planos formativo e informativo. Também as vertentes inerentes a qualidades de cariz humanista necessitam de um acervo de conhecimentos, adquirido em permanência. A convergência das duas dimensões foi sempre uma marca das aulas ministradas pelos professores do Departamento de História. A investigação doutoral deste investigador decorreu sob o prisma da história da historiografia, domínio que indaga as condições espácio-temporais e socioculturais das biografias dos historiadores, bem como das suas práticas, discursos e representações. Acresce que este cultor de Clio realizou uma tese de mestrado em História Moderna, situação que atesta a amplitude cronológica dos seus interesses historiográficos.

Para além de experiências profissionais como professor do Ensino Secundário é autor de múltiplos artigos (indexados e não indexados) e participou igualmente em vários eventos (conferências e congressos) com comunicações subordinadas às áreas aludidas. É também membro do CITCEM - FLUP desde 2007.

Em 2014 foi-lhe atribuído um prémio de investigação pelo CIJVS (Centro de Investigação Professor Doutor Veríssimo Serrão). Em novembro de 2017 foi agraciado com a Medalha Amigo da Marinha Brasileira, por indicação do Doutor Artur Victoria.

Referências

Nuno Bessa Moreira é CARBONELL, Charles-Olivier. Pour une nouvelle histoire de l’historiographie, In Storia della Storiografia, número 1, Milão: Jaca Books: 7-25, 1982.

CARVALHO, Joaquim Barradas de. Da História-Crónica à História Ciência, Lisboa: Livros Horizonte, 1971.

CARVALHO, Joaquim Barradas de. As Ideias Políticas e Sociais de Alexandre Herculano, 2ª edição, Lisboa: Seara Nova, 1971.

COUVANEIRO, João Luís Serrenho. O Curso Superior de Letras (1861-1911: nos primórdios das Ciências Humanas em Portugal. Dissertação de Doutoramento em História, Faculdade de Letras de Lisboa, Lisboa, 2012.

DORES, Hugo. A história na Faculdade de Letras de Lisboa (1911-1930). Lisboa: Faculdade de Letras, 2009. [Dissertação de Mestrado].

GODINHO, Vitorino Magalhães. Razão e História (Introdução a um problema), Lisboa, Faculdade de Letras, 1940. [Dissertação de Licenciatura em histórico-filosóficas].

GODINHO, Vitorino Magalhães. Ensaios III, Sobre Teoria da História e Historiografia, Lisboa: Sá da Costa, 1971.

GODINHO, Vitorino Magalhães. A democracia socialista, um mundo novo e um novo Portugal, Lisboa: Publicações Génese, 1975.

GODINHO, Vitorino Magalhães. Vitorino Henriques Godinho (1878-1962), Lisboa: Assembleia da República/ Dom Quixote, 2005.

LEONE, Carlos, Portugal Extemporâneo História das ideias do discurso Crítico Português no século XX, volume II, Lisboa: Imprensa Nacional Casa da Moeda, 2005.

LIMA, Sílvio de. Ensaio sobre a Essência do Ensaio, Coimbra, Arménio Amado Editor, 1944.

Lukács, Georg. Die Seele und die Formen. Essays. Neuwied: Luchterhand, pp. 7-31, 1971.

MAGALHÃES, Joaquim Romero de. Godinho, Vitorino Barbosa de Magalhães (Lisboa, 1918 – Lisboa 2011), in Dicionário de Historiadores Portugueses Da Academia Real das Ciências ao Estado Novo. Sérgio Campos Matos (coordenação), (s/d).

MAGALHÃES, Joaquim Romero de. Carvalho, Joaquim Barradas de (1920-1980), in Dicionário de Historiadores Portugueses Da Academia Real das Ciências ao Estado Novo. Sérgio Campos Matos (coordenação), (s/d)

MARQUES, A.H. de Oliveira. Antologia da Historiografia Portuguesa, 2 volumes, Lisboa: Publicações Europa-América, 1974

MARQUES, A.H. de Oliveira. Estudos de Historiografia Portuguesa, Lisboa: Palas Editora, 1988.

MARSON Adalberto. Presença de um mestre: Joaquim Barradas de Carvalho, In Revista Brasileira de História, números 1-2, S. Paulo: 285-288, 1981.

MATTOSO, José. A escrita da História, Lisboa: Círculo de Leitores, 1988.

MOREIRA, Nuno Miguel Magarinho Bessa. A Revista de História (1912-1928), Dissertação de Doutoramento em História, 2 vols., Porto: Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2012. [Dissertação de Doutoramento em História].

MOTA, Carlos Guilherme. Joaquim Barradas de Carvalho, in Estudos avançados, volume 8, número 22, S. Paulo: 289-295, 1994.

NUNES, João Paulo Avelãs. A história económica e social na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra: o historicismo neo-metódico: ascensão e queda de um paradigma historiográfico. Lisboa: Instituto de Inovação Educacional, 1995.

NUNES, João Paulo Avelãs. O Estado, a Historiografia e Outras Ciências/Tecnologias sociais, in Historiografias Portuguesa e Brasileira no século XX Olhares Cruzados, João Paulo Avelãs Nunes e Américo Freire (coordenação), Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra e Fundação Getúlio Vargas, pp.53-79, 2013.

RÊGO, António. History in times of Fascism. Discipline and Practices of History During the beggining of Portuguese New State, Leiden: University of Leiden, 2015. [Master Thesis].

RIBEIRO, Maria Manuela Tavares. (coord.) Outros Combates pela História, Coimbra: Imprensa da Universidade, 2010

SÉRGIO, António (1920), Ensaios, Tomo I, Rio de Janeiro, Anuário do Brasil, 1920.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo. História Breve da Historiografia Portuguesa, Verbo, Lisboa, 1962.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo. História e conhecimento histórico. Verbo, Lisboa, 1968.

SERRÃO, Joaquim Veríssimo. A Historiografia Portuguesa Doutrina e Crítica, séculos XIIXVI, Verbo, Lisboa, I Volume 1972. SOUSA, José Manuel Guedes (2012), Vitorino Magalhães Godinho: história e cidadania nos anos 40. Faculdade de Letras, LISBOA. [Dissertação de Mestrado]. TORGAL, Luís Reis; MENDES, José Maria Amado; CATROGA, Fernando, (1996), História da História em Portugal. Círculo de Leitores, Lisboa.

Downloads

Publicado

27-07-2017

Como Citar

Moreira, N. B. (2017). ONDE VAIS HISTÓRIA DA HISTORIOGRAFIA? CAMINHOS E PROBLEMAS ? DA GERAÇÃO DE 1939-45 ATÉ AOS FINAIS DOS ANOS 80: ESBOÇO DE UM BALANÇO HISTORIOGRÁFICO. Rth |, 17(1), 183–218. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/48011

Edição

Seção

Cartografias da História da Historiografia portuguesa