QUENTIN SKINNER E PAUL RICOEUR: DO GIRO LINGUÍSTICO AO GIRO ÉTICO-POLÍTICO NA HISTÓRIA INTELECTUAL

Autores

  • Breno Mendes UFMG
  • Pedro Henrique Barbosa Montandon De Araújo UFGM

Palavras-chave:

Giro linguístico, Giro ético-político, Escola de Cambridge, Hermenêutica, Sentido.

Resumo

Nosso objetivo central é compreender as articulações entre o giro linguísitco e o giro ético-político na história intelectual contemporânea por meio de análises dos principais aportes teórico-metodológicos trazidos pela Escola de Cambridge com Quentin Skinner e pela Hermenêutica com Paul Ricoeur. Após investigar a compreensão de cada vertente sobre a questão do sentido e da interpretação dos textos, terminamos nosso artigo com uma abordagem das implicações éticas do estudo da história intelectual.

Biografia do Autor

Breno Mendes, UFMG

Doutorando em História/UFMG sob a orientação de José Carlos Reis. Bolsista CAPES/PROEX.

Pedro Henrique Barbosa Montandon De Araújo, UFGM

Mestrando em História/UFMG sob a orientação de Heloísa Starling. Bolsista CAPES/PROEX.

Referências

AMBROSINI, Diego Rafael. As "viradas" linguística, histórica e interpretativa: novos paradigmas teóricos em História das Ideias e a relação estrutura/agência. In: Ostrensky, Eunice & Tierno, Patricio (orgs.). Teoria, Discurso e Ação Política. São Paulo, Editora Alameda, 2013.

CHARTIER, Roger. À beira da falésia: a história entre certeza e inquietudes. Trad. Patrícia Chittoni Ramos. Porto Alegre: UFRGS Editora, 2002.

DELACROIX, Christian. Linguistic Turn. In: DELACROIX, Christian et al. (Ed.). Historiographie. Concepts et débats. Paris: Gallimard, 2011. v. 1.

DOMINGUES, Ivan. Epistemologia das ciências humanas: Tomo 1: Positivismo e Hermenêutica. Durkheim e Weber. São Paulo: Edições Loyola: 2004.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método. 11. ed. Trad. Flávio Paulo Meurer. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: Editora Universitária São Francisco, 2013.

GRONDIN, Jean. Introdução à hermenêutica filosófica. Trad. Benno Dischinger. São Leopoldo: Editora Unisinos, 1999.

GUNNELL, John G. Interpretation and the History of Political Theory: Apology and Epistemology. American Political Science Review. vol. 76, 1982, pp. 317-27.

HENRIQUES, Fernanda. A concepção da linguagem na fenomenologia hermenêutica de Paul Ricoeur. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DA AFFEN: A FENOMENOLOGIA HOJE, 1., 2002, Cõvilha. Actas... Cõvilha, 2002.

ISER, Wolfgang. Os atos de fingir ou o que é fictício no texto ficional. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da Literatura em Suas Fontes. Rio de Janeiro: F. Alves, 1983.

______. O Ato de Leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Ed. 34, 1996, v.1. JASMIN, Marcelo Gantus. "História dos Conceitos e Teoria Política e Social: referências preliminares". Revista Brasileira de Ciências Sociais, vol. 20. n.57. Fev/2005. pp. 27-38.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado – contribuição à semântica dos tempos históricos. Trad. Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro: Editora PUCRio/Contraponto, 2006.

MENDES, Breno. Paul Ricoeur e a narrativa historiográfica: para além do debate epistemológico, a dimensão ética. In GARCIA, Fernando; MENDES, Breno; VIEIRA, Andrea. Teoria da história em debate: modernidade, narrativa, interdisciplinaridade. Jundiaí: Paco editorial, 2014.

______. A representância do passado histórico em Paul Ricoeur: Linguagem, narrativa e verdade. 223 f. Dissertação (Mestrado em História). Universidade Federal de Minas Gerais, Programa de Pós-Graduação em História, Belo Horizonte, 2013.

OLIVEIRA, Manfredo. Reviravolta linguístico-pragmática na filosofia contemporânea. 3. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2006.

PALTI, Elias. La revolución teórica de Skinner, y sus límites. Revista Internacional de Filosofía Política, 34, p. 251-265, 2010.

POCOCK, John. G. A. O Conceito de Linguagem e o Métier D'Historien. In: POCOCK, John G. A. Linguagens do Ideário Político. São Paulo, Edusp, 2003.

RICOEUR, Paul. O discurso da ação. Introdução e notas de Gonçalo Marcelo. Lisboa: Edições 70, 2012.

______. Hermenêutica e ideologias. Organização, tradução e apresentação de Hilton Japiassu. Petrópolis: Vozes, 2008.

______. Autobiografia intelectual. Trad. Patrícia Wilson. Buenos Aires: Nueva Visión, 2007a.

______. Du texte à l’action. Paris: Seuil, 1986.

______. Lectures 2. La contrée des philosophes. Paris: Seuil, 1992b.

______. O conflito das interpretações. Ensaios de hermenêutica. Trad. Hilton Japiassu. Rio de Janeiro: Imago, 1978.

______. Teoria da interpretação. O discurso e o excesso de significação. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 1976.

RORTY, Richard. El giro lingüístico. Dificultades metafilosóficas de la filosofia lingüística. Trad. Gabriel Bello. Barcelona: Ediciones Paidós, 1990.

SANTOS, Fábio Murici dos. RANGEL, Marcelo de Mello. Algumas palavras sobre giro ético-político e história intelectual. Revista Ágora. Vitória, n°21, 2015, p. 7-14.

SCHELEIERMACHER, Friederich. Hermenêutica. Arte e técnica da interpretação. Tradução e apresentação de Celso Reni Braida. Petrópolis: Vozes, 2001.

SKINNER, Quentin. Liberdade Antes do Liberalismo. São Paulo: Editora Unesp, 1999.

_______. Visões da política. Algés-Portugal: DIFEL, 2005.

_______. Sobre significado e método. Entrevista com Quentin Skinner. Revista formas de vida. Lisboa, n° 4, maio de 2014.

TARLTON, Charles D. Historicity, Meaning and Revisionism in the Study of Political Thought. History and Theory. vol. 12, 1973, pp. 307-328.

Downloads

Publicado

13-02-2017

Como Citar

Mendes, B., & De Araújo, P. H. B. M. (2017). QUENTIN SKINNER E PAUL RICOEUR: DO GIRO LINGUÍSTICO AO GIRO ÉTICO-POLÍTICO NA HISTÓRIA INTELECTUAL. Rth |, 16(2), 177–196. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/44817

Edição

Seção

Artigos livres