MAX WEBER: CIÊNCIA DA CULTURA E HISTÓRIA

Autores

  • Astor Antônio Diehl Universidade de Passo Fundo

Palavras-chave:

Max Weber, Max Weber e a História, Teoria da História, Cultura histórica, Cultura historiográfica.

Resumo

O debate envolvendo Ciência da Cultura e História atualmente está vinculado às mais diferentes áreas da sociologia do conhecimento, das ciências cognitivas, da psicologia e da educação, para referir apenas algumas, e elas pretendem compreender e participar de matrizes sociais, cujos parâmetros temáticos e teóricos esclarecem os eixos formadores das expectativas no horizonte cultural e as possibilidades de estudos nessa nova ecologia de ideias modernas. Nesse sentido, o objetivo é entender os processos da cultura contemporânea como sendo constituídos de processos generativos imersos na história sociocultural e de uma subjetividade transversal no reconhecimento dos novos processos emergentes. Sendo assim, enveredamos para a tentativa de entender como o conceito de ciência da cultura está explicitado em Max Weber, especialmente, com a História e como esta relação está relacionada no mundo da vida e nos processos de modernização. Esta relação possibilita enfatizar uma rede de vínculos com a ciência e com a racionalidade no processo de constituição cultural da História do tempo presente na América Latina.

Biografia do Autor

Astor Antônio Diehl, Universidade de Passo Fundo

Possui graduação em Estudos Sociais pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1980), graduação em História Licenciatura Plena pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1982), mestrado em Mestrado Em História do Brasil pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (1987) e doutorado em Teoria Metodologia e Didática da História - Ruhr Universität Bochum (1991). Atualmente é docente do Curso de Graduação em História da Universidade de Passo Fundo, e docente permanente do Programa de Pós-Graduação em Envelhecimento Humano da UPF. Tem experiência na área de Ciências Humanas, História, com ênfase em Teorias e Metodologia da História, atuando principalmente nos seguintes temas: História, Educação, Teoria e História da Historiografia e o Envelhecimento Humano, aspectos sócio-culturais.

Referências

ANTONIO, Robert J.; GASSMAN, Robert M. (ed.). A Weber-Marx Dialogue. University of Kansas: 1985.

BERNARD, Philippe J. Perversões da utopia moderna. Bauru: Edusc, 2000, p. 224-225.

COELHO, Maria Francisca Pinheiro e outros (orgs.). Política, ciência e cultura em Max Weber. Brasília: UnB: São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2000.

COHN, Gabriel (org.). Weber. 3. edição. São Paulo: Ática, 1986.

DIEHL, Astor Antônio. A cultura historiográfica nos anos 80. 2. Edição. Passo Fundo: UPF editora, 2004.

DIEHL, Astor Antônio. Ideias de futuro no passado. Passo Fundo: Berthier, 2015.

DIEHL, Astor Antônio. Max Weber e a história. 2. Edição. Passo Fundo: Editora da UPF, 2004.

DIEHL, Astor Antônio. Para uma teoria e cultura historiográfica. Passo Fundo: Berthier, 2015.

GERTZ, René E. (org.). Max Weber & Karl Marx. São Paulo: editora Hucitec, 1994.JAY, Martin. Dialektische Phantasie. Frankfurt: Fischer Verlag, 1981.

KOCKA, J. Kontroversen über Max Weber. In: Neue Politische Literatur, 21(1976), p. 281-301.

KOSELLECK, R. Crítica e crise. Rio de Janeiro: EDUERJ: Contraponto, 1999.

MERQUIOR, José Guilherme. Rousseau e Weber. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1990.

MOMMSEN, W. Max Weber. Gesellschaft, Politik und Geschichte. 2. edição. Frankfurt: Suhrkamp, 1982.

MOSER, Walter. Spätzeit. In: MIRANDA, Wander Melo (org.). Narrativas da modernidade. Belo Horizonte: Autêntica: 1999, p. 33-54.

PEUKERT, Detlev J. K. Max Webers Diagnose der Moderne. Göttingen: Vandenhoeck und Ruprecht, 1989.

SCHLUCHTER, Wolfgang. Max Webers Sicht des okzidentalen Christentums. Frankfurt: Suhkamp, 1988.

SOUZA, Jessé (org.). A atualidade de Max Weber. Brasília: UnB, 2000.

SOUZA, Jessé (org.). O malandro e o protestante: a tese weberiana e a singularidade cultural brasileira. Brasília: UnB, 1999.

SOUZA, Jessé. A modernização seletiva: uma reinterpretação do dilema brasileiro. Brasília: UnB, 2000.

WEBER, Max. A ‘objetividade’ do conhecimento nas ciências sociais. In: COHN, Gabriel (org.).Weber. 3. Edição. São Paulo: editora Ática, 1986. p. 126.WEBER, Max. Gesammelte Aufsätze zur ReligionssoziologieI. 9. edição. Tübingen: J. C. B. Mohr, 1988 (vol. II, 7. Edição, 1988 e vol. III, 8.edição, 1988).

WEBER, Max. Gesammelte Aufsätze zur Wissenschaftslehre. Tübingen: J.C Mohr, 1988.

WEISS, Johannes (org.). Max Weber Heute. Frankfurt: Suhrkamp, 1989.

Downloads

Publicado

2017-02-13

Como Citar

DIEHL, A. A. MAX WEBER: CIÊNCIA DA CULTURA E HISTÓRIA. rth |, Goiânia, v. 16, n. 2, p. 60–89, 2017. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/44810. Acesso em: 28 nov. 2022.

Edição

Seção

Max Weber