A APRESENTAÇÃO HISTÓRICA COMO MÉTODO HISTORIOGRÁFICO DE WALTER BENJAMIN

Autores

  • Augusto Bruno de Carvalho Dias Leite UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

História, apresentação histórica, Walter Benjamin.

Resumo

Trata-se, aqui, de uma sumária apresentação da tarefa do historiador segundo a perspectiva do pensador judeo-alemão Walter Benjamin (1892~1940). A historiografia sugerida por Benjamin emerge da reformulação de uma série de conceitos centrais para a prática filosófica ou científica, tais como verdade e sistema. Essa reflexão leva ao questionamento dos métodos de absorção e exposição do conhecimento até então aventados. Para a história, especificamente, Benjamin propõe a apresentação histórica enquanto método historiográfico, objeto central do presente artigo.

Biografia do Autor

Augusto Bruno de Carvalho Dias Leite, UFMG - Universidade Federal de Minas Gerais

Mestre (2013) e licenciado (2010) em História, área de concentração Teoria da História, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Realizou estágio doutoral na Université Paris VII - Denis Diderot, França (2013-2014), França (2015-2016); foi pesquisador livre nas bibliotecas da Universidade de Tsukuba, Japão, e no Deutsches Historisches Institut Paris, França. No mestrado, estudou a teoria da história de Walter Benjamin em conexão com sua filosofia da linguagem e da tradução.

Referências

BENJAMIN, Walter; TIEDEMANN, Rolf; SCHWEPPENHAUSER, Hermann. Gesammelte Schriften. Frankfurt am Main: Suhrkamp, 1991. (GS)

____________________. Briefe (2 bände). Suhrkamp: Frankfurt am Main, 1978.

____________________; TIEDEMANN, Rolf; BOLLE, Willi; MATOS, Olgaria C. F.; ARON, Irene. Passagens. Belo Horizonte: Editora UFMG; São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2006.

____________________. Magia e técnica, arte e politica: ensaios sobre literatura e historia da cultura. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

____________________; BARRENTO, João. Origem do drama trágico alemão. Belo Horizonte: Autêntica, 2011.

ADORNO, Theodor. “O ensaio como forma”. In: ADORNO, Theodor W. Notas de literatura I. São Paulo (SP): Livraria Duas Cidades: Ed. 34, 2003.

GAGNEBIN, Jeanne-Marie. “Walter Benjamin e a História aberta”. In: BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e politica: ensaios sobre literatura e historia da cultura. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1986.

__________________________. Do conceito de Darstellung em Walter Benjamin ou verdade e beleza. Kriterion [online] vol.46, n.112, pp. 183-190, 2005.

__________________________. História e narração em W. Benjamin. Campinas, SP: São Paulo: Perspectiva / FAPESP / UNICAMP, 1994.

__________________________. “Walter Benjamin: estética e experiência histórica” In: ALMEIDA, Jorge de; BADER, Wolfgang. Pensamento Alemão no século XX: grandes protagonistas e recepção das obras no Brasil. São Paulo: Goethe-Institut, Cosac & Naify, 2009.

HUMBOLDT, Wilhem von. “Sobre a tarefa do historiador”. In: A história pensada: teoria e método na historiografia européia do século XIX. São Paulo: Contexto, 2010.

KITTSTEINER, Hans Dieter. "Walter Benjamin's Historicism". New German Critique, No. 39, Second Special Issue on Walter Benjamin, Autumn, pp. 179-215, 1986.

KOYRE, Alexandre. Estudos de historia do pensamento cientifico. Rio de Janeiro: Forense-Universitária; Brasília: Ed. Universidade de Brasília, 1982.

LÖWY, Michael; BRANT, Wanda Nogueira Caldeira.; GAGNEBIN, Jeanne-Marie; MULLER, Marcos Lutz. Walter Benjamin: aviso de incêndio : uma leitura das teses 'Sobre o conceito de história'. São Paulo: Boitempo, 2005.

MACHADO, Francisco de Ambrosis Pinheiro. Imanência e história: a crítica do conhecimento em Walter Benjamin. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2004.

MATOS, Olgaria C. F. t.O iluminismo visionário: Benjamin, leitor de Descartes e Kan São Paulo: Brasiliense, 1993.

MOSÈS, Stéphane. L’Ange de l’Histoire. Éditions Gallimard: Paris, 2006.

__________________. “Walter Benjamin and Franz Rosenzweig”. In: SMITH, Gary. Benjamin: philosophy, aesthetics, history. Chicago: University of Chicago Press, 1989.

OLIVEIRA, Bernardo Jefferson de. Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. 2. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

OTTE, Georg. "Dizem-me que sou louco": as epistemologias poéticas de Baudelaire e Benjamin. Alea [online], vol.9, n.2, pp. 230-238, 2007.

_____________; VOLPE, M. L. "Um olhar constelar sobre o pensamento de Walter Benjamin". Fragmentos, número 18, p. 35/47 Florianópolis/ jan - jun/ 2000.

RICOEUR, Paul. Temps e Récit: 1. L’intrigue et le récit historique. Seuil: Paris, 1983.

_________________. Temps e Récit: 3. Le temps raconté. Seuil: Paris, 1985.

_________________; LAVELLE, Patrícia. Sobre a tradução. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

ROSENZWEIG, Franz. Der Stern der Erlösung. Freiburg im Breisgau: Universitätsbibliothek, 2002.

SPIEGEL, Gabrielle M. The Task of the Historian. American Historical Association, New York: 2009.

WEBER, Samuel. Benjamin’s Abilities. London: Harvard University Press, 2008.

WOHLFARTH, Irving. 'Et cetera? The Historian as Chiffonier', New German Critique, no.

, Fall, 142-68, 1986..

Downloads

Publicado

2016-07-31

Como Citar

LEITE, A. B. . de C. D. A APRESENTAÇÃO HISTÓRICA COMO MÉTODO HISTORIOGRÁFICO DE WALTER BENJAMIN. rth |, Goiânia, v. 15, n. 1, p. 104–126, 2016. Disponível em: https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/41048. Acesso em: 25 set. 2022.

Edição

Seção

Walter Benjamin e a teoria da história