A utopia-nacional corporativista em “Populações Meridionais do Brasil”

  • Marcello Felisberto Morais de Assunção Universidade Federal de Goiás (UFG)

Resumo

Neste texto pretendo realizar uma análise da obra de Oliveira Viana ‘‘Populações Meridionais do Brasil’’ (1920) a partir da defesa da tese, de que o autor representa, na sua particularidade, a expressão de uma visão de mundo não de uma aristocracia ou burguesia em ascensão (como se refere uma historiografia dominante), mas, sim, de uma outra classe também dominante no capitalismo (e em particular no Brasil): os gestores.

Palavras-chave: Capitalismo, João Bernardo, Gestores, Visão de mundo, Intelligentsia brasileira, Oliveira Viana.

Referências

BERNARDO. João. Economia dos conflitos sociais. São Paulo: Editora Cortez, 1991.

________________. Labirintos do fascismo: na encruzilhada da ordem e da revolta. Porto:

Afrontamento, 2003.

________________. Saint-Simon, teórico do poder empresarial. In: _______. Democracia totalitária:

Teoria e prática da empresa soberana. São Paulo: Cortez Editora, 2004, p. 17-40.

BOURDIEU, Pierre. Algumas propriedades dos campos. In: ______. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983, p. 89-94.

________________. O campo intelectual um mundo a parte. In: ______. Coisas ditas. São Paulo: Editora brasiliense, 1990, p. 169-180.

________________. Sobre o poder simbólico. In: ______. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2000, p. 7-16.

CARVALHO, José Murillo. A utopia de Oliveira Viana. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, vol. 4, n. 7, 1991, p.82-99.

DÓRIA, Carlos Alberto. O dual, o feudal e o etapismo na teoria da Revolução Brasileira. In. MORAES, Joao Quartim. História do marxismo no Brasil, v. III. São Paulo: Editora da UNICAMP, 1998. p. 201-244.

GOLDMANN, Lucien. Dialética e cultura. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

__________________. Crítica e dogmatismo na cultura moderna. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1973.

LAMOUNIER, Bolívar. Formação de um pensamento político autoritário na Primeira República: uma interpretação. In Holanda, Sérgio Buarque. História Geral da Civilização Brasileira. São Paulo: Difel, 3ª ed., 2º vol., tomo III, 1985, p.345-374.

LOWY, Michael. As aventuras de Karl Marx contra o Barão de Munchhausen: Marxismo e positivsmo na sociologia do conhecimento. São Paulo: Busca Vida, 1987.

MEDEIROS, Jarbas. Ideologia autoritária no Brasil (1930-1945). Rio de Janeiro: Editora Fundação Getulio Vargas, 1978.

ODALIA, Nilo. As formas do mesmo: Ensaios sobre o pensamento historiográfico de Varnhagem e Oliveira Viana. São Paulo: Editora da UNESP, 1997.

PINTO, João Alberto da Costa. Os gestores na organização do capitalismo brasileiro (1930-1945). História Revista, Goiânia, v.11, n.2, Jul./Dez. 2006.

__________________________. Sobre a identidade intelectual na produção da sociedade capitalista.

Revista UFG/ Julho 2011/ Ano XIII/ n.10.

PIVA, Luiz Guilherme. Ladrilhadores e semeadores: A modernização brasileira no pensamento político de Oliveira Viana, Sérgio Buarque de Holanda, Azevedo de Amaral e Nestor Duarte (1920-1940). São Paulo: Editora 34, 2000.

PORTELLI, Hugues. Gramsci e o bloco histórico. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977. Souza, Jessé. A modernização seletiva: uma reinterpretação do dilema brasileiro. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2000.

TRAGTEMBERG, Maurício. As harmonias administrativas de Saint-Simon a Elton Mayo. In: _______. Burocracia e ideologia. São Paulo: Ática, 1974, p. 58-89.

VIANA, Oliveira. Populações Meridionais do Brasil. Brasília: Câmara dos deputados, 1981.

______________. Idealismo da constituição. São Paulo, Companhia Editora Nacional: 1939.

VIEIRA, Evaldo. Autoritarismo e corporativismo no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

WILLIANS, Raymond. Literatura e sociologia: em memória de Lucien Goldmann. In: ______. Cultura e materialismo. São Paulo: Editora da UNESP, 2011.

Como Citar
Morais de Assunção, M. (1). A utopia-nacional corporativista em “Populações Meridionais do Brasil”. Revista De Teoria Da História - Journal of Theory of History, 10(2), 94-113. https://doi.org/10.5216/rth.v10i2.28282
Seção
Dossiê: A cultura intelectual brasileira: trajetórias institucionais e intérpretes