Os projetos de escrita da história de Alfredo Ellis JR. e Sérgio Buarque de Holanda: uma guerra de ideias no mundo dos letrados de São Paulo nos anos 1930 e 1940?

Autores

  • Revista Teoria da História Universidade Federal de Goiás Faculdade de História - Departamento de História

Resumo

O texto procura analisar a guerra de ideias que circunscreveu os espaços de atuação dos letrados de São Paulo entre os anos 1930 e 1940, em função da alteração política e econômica do país, que deu base ao início do governo provisório de Getúlio Vargas. Pretende-se mostrar como Alfredo Ellis Jr. e Sérgio Buarque de Holanda se posicionaram diante de questões como a “temporalidade”, a “periodização”, a “verdade”, a “representação do passado” e as “regras do método histórico”.

Palavras-chave: autodidatismo; homens de letras; profissionalização; ofício de historiador; Alfredo Ellis Jr.; Sérgio Buarque de Holanda.

Referências

ABUD, K. O sangue intimorato e as nobilíssimas tradições. A construção de um símbolo paulista: o bandeirante. Tese de Doutorado em História, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, USP, 1985.

ADORNO, S. Os aprendizes do poder. O bacharelismo liberal na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

AGAMBEN, G. O que é o contemporâneo? e outros ensaios. Chapecó/SC: Argos, 2009.

ANHEZINI, K. Um metódico à brasileira: a história da historiografia de Afonso de Taunay (1911-1939). São Paulo: Editora UNESP, 2011.

AZEVEDO, F. A cultura brasileira. Introdução ao estudo da cultura no Brasil. – 4ª edição revista e ampliada – Brasília: Ed. UNB, 1963.

BONTEMPI Jr., B. A cadeira de História e Filosofia da Educação da USP entre os anos 40 e 60: um estudo das relações entre a vida acadêmica e a grande imprensa. Tese de doutorado em Educação, PUC/SP, 2001.

BOTELHO, A.; SCHWARCZ, L. M. (org.) Um enigma chamado Brasil: 29 intérpretes e um país. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

BOUDIEU, P. O campo científico. In: ORTIZ, Renato (org.) Pierre Bourdieu. São Paulo: Ática, 1983, p. 122-155.

____. O senso prático. Tradução de Maria Ferreira. Petrópolis/RJ: Vozes, 2009.

____. Homo academicus. Florianópolis/SC: UFSC, 2011.

BRANDÃO, G. M. Linhagens do pensamento político brasileiro. São Paulo: Hucitec, 2007.

BRESCIANI, M. S. M. O charme da ciência e a sedução da objetividade: Oliveira Vianna entre intérpretes do Brasil. São Paulo: Ed. UNESP, 2005.

CANDIDO, A. O significado de Raízes do Brasil. In: HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. Edição comemorativa 70 anos. SP: Companhia das Letras, 2006, p. 235-50.

____. A visão política de Sérgio Buarque de Holanda. In: CANDIDO, A. (Org.). Sérgio Buarque de Holanda e o Brasil. 3ª edição. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1998.

CARVALHO, J. M. Pontos e bordados: escritos de história e política. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 1998.

____. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

ELLIS, M. Alfredo Ellis Júnior, 1896-1974. São Paulo: Editora Bentivegna, 1997.

ELLIS Jr., A. Confederação ou separação. 3ª Edição revista e aumentada. São Paulo: Editorial Paulista, 1934a (1ª Edição de 1932).

____. A nossa guerra. Estudo de synthese critica político-militar. 2ª Edição. São Paulo: Editora Piratininga S. A., 1933 (1ª Edição de 1932).

____. Meio século de bandeirismo (1590-1640). São Paulo: FFCL/USP, 1939 (Boletim IX, n. 1, da cadeira de História da Civilização Brasileira).

____. Feijó e sua época. São Paulo: FFCL/USP, 1940 (Boletim XIX, n. 2, da cadeira de História da Civilização Brasileira).

____. Um parlamentar paulista da República. São Paulo: FFCL/USP, 1949 (Boletim CII, n. 9, da cadeira de História da Civilização Brasileira).

____. A economia paulista no século XVIII. São Paulo: FFCL/USP, 1950 (Boletim 115, n. 11, da cadeira de História da Civilização Brasileira).

____. O bandeirismo paulista e o recúo do meridiano. 2ª Edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1934b.

____. Os primeiros troncos paulistas e o cruzamento Euroamericano. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1936.

____. A evolução da economia paulista e suas causas. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1937.

____. História da Civilização – 5ª série. São Paulo: Livraria Acadêmica, Saraiva & Cia., 1935.

FAUSTO, B. Getúlio Vargas: o poder e o sorriso. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

FERREIRA, A. C. A epopéia bandeirante. Letrados, instituições, invenção histórica (1870-1940). São Paulo: Editora UNESP, 2002.

FERRETTI, D. Z. O uso político do passado bandeirante: o debate entre Oliveira Vianna e Alfredo Ellis Jr. (1920-1926). Estudos Históricos, FGV, n. 41, 2008, p. 59-78.

FRANZINI, F. À sombra das palmeiras: a coleção Documentos Brasileiros e as transformações da historiografia nacional (1936-1959). Rio de Janeiro: Edições Casa de Rui Barbosa, 2010.

GLEZER, R. O fazer e o saber na obra de José Honório Rodrigues: um modelo de análise historiográfica. São Paulo, 1976. Tese de doutorado em História, FFLCHUSP, 2v.

GOMES, A. C. História e historiadores. A política cultural do estado novo. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

HOLANDA, S. B. Raízes do Brasil. 1ª Edição. Prefácio de Gilberto Freyre. Rio de Janeiro: José Olympio, 1936.

____. Raízes do Brasil. Edição comemorativa 70 anos. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

____. O extremo oeste. Introdução de José Sebastião Witter. São Paulo: Brasiliense, 1986.

____. Monções. 1ª Reimpressão da 3ª Edição ampliada. São Paulo: Brasiliense, 2000 (1ª Ed. 1945).

____. Caminhos e fronteiras. 3ª Edição. São Paulo: Companhia das Letras, 1994 (1ª Ed. 1956).

____. Visão do Paraíso: os motivos edênicos no descobrimento e colonização do Brasil. 1ª Edição. Rio de Janeiro: José Olympio, 1959, 412p.

____. O espírito e a letra: estudos de crítica literária I (1920-1947). Organização, introdução e notas de Antônio A. Prado. São Paulo: Companhia das Letras, 1996, v. 1.

____. Para uma nova história. Organização de Marcos Costa. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2004.

____. Escritos coligidos, 1920-1949. Organização de Marcos Costa. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo; Editora UNESP, 2011, v. 1.

KOSELLECK, R. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos históricos. Rio de Janeiro: Contraponto; Ed. PUC-Rio, 2006.

LAPA, J. R. A. Historiografia brasileira contemporânea. A história em questão – 2ª edição – Petrópolis/São Paulo: Vozes, 1981.

MANNHEIM, K. Ideologia e utopia. Sérgio Magalhães Santeiro. 4ª Edição. Rio de Janeiro: Guanabara, 1986.

MARRAS, S. (org.) Atualidade de Sérgio Buarque de Holanda. São Paulo: Edusp, 2012.

MICELI, S. Intelectuais à brasileira. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

MONTEIRO, J. M. Tupis, tapuias e historiadores. Estudos de história indígena e de indigenismo. Tese de Livre Docência, Unicamp, Campinas, 2001.

MONTEIRO, P. M. Mário de Andrade e Sérgio Buarque de Holanda: correspondência. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

MONTEIRO, P. M.; EUGÊNIO, J. K. (org.) Sérgio Buarque de Holanda: perspectivas. Campinas/SP: Ed. Unicamp; UERJ, 2008.

NICODEMO, T. L. Urdidura do vivido: Visão do paraíso e a obra de Sérgio Buarque de Holanda nos anos 1950. São Paulo: Edusp, 2008.

____. Alegoria moderna: consciência histórica e figuração do passado na crítica literária de Sérgio Buarque de Holanda. Tese de doutorado em História; FFLCH/USP, 2011.

NOGUEIRA, A. R. Sérgio Buarque de Holanda: o Homem. In: Sérgio Buarque de Holanda: Vida e Obra. Secretaria do Estado da Cultura. São Paulo – SP: Arquivo do Estado; USP e Instituto de Estudos Brasileiros, 1988, p. 17-26.

PÉCAUT, D. Os intelectuais e a política no Brasil (entre o povo e a nação). São Paulo: Ática, 1990.

REIS, J. C. As identidades do Brasil: de Varnhagen a FHC. Rio de Janeiro: FGV, 1999.

____. As identidades do Brasil 2. Rio de Janeiro: FGV, 2006.

ROCHA, J. C. C. Crítica literária: em busca do tempo perdido. Chapecó/SC: Argos, 2011.

RODRIGUES, J. H. História da história do Brasil. Historiografia colonial (v. 1). 2ª Edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1979.

ROIZ, D. S. Os caminhos (da escrita) da História e os descaminhos de seu ensino: a institucionalização do ensino universitário de História na Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da Universidade de São Paulo (1934-1968). Curitiba/PR: Editora Appris, 2012a.

____. Linguagem, cultura e conhecimento histórico: ideias, movimentos, obras e autores. Jundiaí/SP: Paco Editorial, 2012b.

_____. A dialética entre o “intelectual-letrado” e o “letrado-intelectual”: projetos, tensões e debates na escrita da história de Alfredo Ellis Jr. e Sérgio Buarque de Holanda (1929-1959). Tese de doutorado em História, UFPR, 2013.

ROIZ, D. S.; SANTOS, J. R. As transferências culturais na historiografia brasileira: leituras e apropriações do movimento dos Annales no Brasil. Jundiaí: Paco Editorial, 2012.

RÜSEN, J. Razão histórica. Teoria da História I: os fundamentos da ciência da história. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2001.

____. Reconstrução do passado. Teoria da história II: os principios da pesquisa histórica. Tradução de Asta-Rose Alcaide. Brasília: Ed. UnB, 2007a.

____. História viva. Teoria da História III: formas e funções do conhecimento histórico. Tradução de Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2007b.

SIRINELLI, J-F. Os intelectuais. In: REMOND, René (org.) Por uma história política. Tradução de Dora Rocha. 2ª Edição. Rio de Janeiro: FGV; Ed. UERJ, 2003, p. 231-270.

WEGNER, R. A conquista do oeste. A fronteira na obra de Sérgio Buarque de Holanda. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2000.

VIDAL, D. G., FARIA FILHO, L. M. História da Educação no Brasil: a constituição histórica do campo (1870-1970). Revista Brasileira de História, v. 23, n. 45, 2003, p. 37-70.

Downloads

Publicado

03-03-2017

Como Citar

Teoria da História, R. (2017). Os projetos de escrita da história de Alfredo Ellis JR. e Sérgio Buarque de Holanda: uma guerra de ideias no mundo dos letrados de São Paulo nos anos 1930 e 1940?. Rth |, 10(2), 10–46. Recuperado de https://revistas.ufg.br/teoria/article/view/28277

Edição

Seção

A cultura intelectual brasileira: trajetórias institucionais e intérpretes