Liberdade para ler

Autores

  • Renato Suttana

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v19i2.7472

Resumo

Partindo da noção de que o sentido é determinado, isto é, de que a possibilidade
da polissemia e da “abertura” do sentido – proposta pela crítica contemporânea
– concerne ao universo das disputas acerca da interpretação, não colocando
em questão a necessidade fundamental de engajamento do leitor com aquilo
que lê, propõe-se aqui a idéia de que esse modo de ver tende a confundir a
liberdade inerente ao ato com certa arbitrariedade ou necessidade de controle
sobre o significado que dominam o ambiente da crítica. No entanto, a liberdade,
manifestando-se como essencial à leitura, funda um espaço onde o ato de ler
adquire uma dimensão própria, que não autoriza nem justifica o jogo arbitrário
das interpretações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-09-17

Como Citar

SUTTANA, R. Liberdade para ler. Signótica, Goiânia, v. 19, n. 2, p. 319–342, 2009. DOI: 10.5216/sig.v19i2.7472. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/7472. Acesso em: 2 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo