Do sintético para o analítico: uma tendência em três línguas neolatinas

Autores

  • Márcia Elizabeth Bortone
  • Maria Lúcia Mexias Simon

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v6i1.7372

Resumo

O presente artigo procura enfocar a tendência em substituir o uso do futuro sintético pelo perifrástico em três línguas neolatinas transpostas para a América. O fenômeno é abordado do ponto de vista histórico e sociolingüístico. O estudo pretende trazer à baila reflexão acerca de uma prática de ensino dogmático que se contrapõe ao uso efetivo da língua.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-09-11

Como Citar

BORTONE, M. E.; SIMON, M. L. M. Do sintético para o analítico: uma tendência em três línguas neolatinas. Signótica, Goiânia, v. 6, n. 1, p. 73–90, 2009. DOI: 10.5216/sig.v6i1.7372. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/7372. Acesso em: 27 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo