A alta prosápia de todos

Autores

  • Jamesson Buarque

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v14i1.7307

Resumo

Os pilares crítica e criação, os aspectos polifonia, mito, polissemia e estrutura
mais a interpretação correspondem aos tópicos básicos deste artigo. “A juventude
dos deuses”, de Alexei Bueno, como poema de caráter épico-lírico na
literatura nacional contemporânea, é investigado aqui por atender muito bem a
tais tópicos. Ademais, “A juventude dos deuses”, dialogando com os tempos,
consegue inquirir a história para garantir se há o homem. “A semiotização épica
do discurso”, do professor Anazildo Vasconcelos da Silva, o pensamento
fenomenológico do Santo Agostinho e de Husserl mais reflexões de Esteban e
Octávio Paz sobre a razão da poesia, perante princípios da tradição e da atualidade,
foram os principais meios teóricos pelos quais o artigo foi desenvolvido.
Como resultado, observamos que a épica em “A juventude dos deuses” se
fundamenta em um eu lírico que comunga com diversas vozes e se funde à
essência hermética das coisas dialogando com os tempos, ou seja, em sua
poesia Alexei Bueno consegue observar a unidade anterior à fragmentação do
mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2009-09-10

Como Citar

BUARQUE, J. A alta prosápia de todos. Signótica, Goiânia, v. 14, n. 1, p. 87–104, 2009. DOI: 10.5216/sig.v14i1.7307. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/7307. Acesso em: 19 abr. 2024.

Edição

Seção

Artigo