Análise morfológica e motivação dos orônimos de Tasso Fragoso-MA

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v34.71987

Palavras-chave:

Onomástica, Oronímia, Sul do Maranhão

Resumo

Este trabalho relaciona-se ao Atlas Toponímico do Estado do Maranhão e baseia-se nos estudos do léxico, Onomástica, campo da Toponímia, com o objetivo de analisar a estrutura morfológica dos orônimos do município de Tasso Fragoso-MA, bem como os aspectos icônicos que subjazem à motivação na escolha dos nomes desses acidentes geográficos. Os resultados apontam para a alta recorrência do uso de substantivos para denominar os lugares e revelam a metonímia como um processo básico para referenciar os acidentes físicos dos nomes em estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, Karylleila Santos. O lugar nos estudos toponímicos: reflexões. Revista de Estudos da Linguagem, Belo Horizonte, v. 25, n. 2, p. 585-607, 2017.

BRASIL. Portaria nº 36, de 28 de janeiro de 1959. Recomenda a adoção da Nomenclatura Gramatical Brasileira no ensino programático da Língua Portuguesa. [Rio de Janeiro: CiFEFiL, 2008]. Disponível em: http://www.filologia.org.br/revista/19/08.pdf. Acesso em: 17 nov. 2021.

BRÉAL, Michel. Ensaio de semântica. Ciências das significações. 2. ed. Campinas, SP: Editora RG, 2008.

CAMACHO, Roberto Gomes et al. O substantivo. In: ILARI, Rodolfo (org.). Gramática do português culto falado no Brasil: palavras de classe aberta. São Paulo: Contexto, 2014. v. 3. p. 13-63.

CARDEIRA, Esperança. O Essencial sobre a história do português. Lisboa: Editorial Caminho, 2006.

CARVALHINHOS, Patrícia de Jesus. Onomástica e lexicologia: o léxico toponímico como catalisador e fundo de memória. Estudo de caso: toponímia os sociotopônimos de Aveiro (Portugal). Revista USP, São Paulo, [s. v.], n. 56, p. 172-179, 2003.

CASTILHO, Ataliba T. de; ELIAS, Vanda Maria. Pequena gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2012.

CASTRO, Maria Célia Dias de. Maranhão: sua toponímia, sua história. 2012. Tese (Doutorado em Letras e Linguística) – Faculdade de Letras, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Brasil, 2012.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário etimológico da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2007.

CUNHA, Antônio Geraldo da. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. 4. ed. Rio de Janeiro: Lexikon, 2010.

DAUZAT, Albert. Les noms de Lieux: Origine et évolution. Paris, France: Delagrave, 1926.

DICK, Maria Vicentina de Paula do Amaral. Toponímia e Antrotoponímia no Brasil: Coletânea de textos. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1992.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio de Língua Portuguesa. Coordenação: Maria Baird Ferreira e Margarida dos Anjos. 5. ed. Curitiba: Positivo, 2010.

GUIRAUD, Pierre. A semântica. Tradução e adaptação: Maria Elisa Mascarenhas. 4. ed. São Paulo: Difusão Editorial, 1986.

HOUAISS, Antônio; VILLAR, Mauro de Sales. Dicionário Eletrônico Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Instituto Antônio Houaiss: Objetiva, 2007. 1 CD-ROM.

IBGE. Mapa Municipal Estatístico da cidade de Tasso Fragoso. Rio de Janeiro: 2010. 1 mapa, color. Escala 1 : 100.000. Disponível em: https://geoftp.ibge.gov.br/cartas_e_mapas/mapas_municipais/colecao_de_mapas_municipais/2020/MA/tasso_fragoso/2112001_MM.pdf. Acesso em: 17 ago. 2016.

ILARI, Rodolfo et al. A preposição. In: ILARI, Rodolfo (org.). Gramática do português culto falado no Brasil: palavras de classe fechada. São Paulo: Contexto, 2015. v. 4, p. 163-310.

ILARI, Rodolfo. Introdução. In: ILARI, Rodolfo (org.). Gramática do português culto falado no Brasil: palavras de classe fechada. São Paulo: Contexto, 2014. v. 3, p. 7-11.

LIMA, Fábio Rogério Batista; SANTOS, Plácida Leopoldina Ventura Amorim da Costa. O aspecto icônico da linguagem visual. Informação & Informação, Londrina, v. 24, n. 1, p. 147-168, jan./abr. 2019.

NASCENTES, Antenor. Dicionário Etimológico da Língua Portuguesa. Nomes Próprios. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1952. t. 2.

NEVES, Maria Helena de Moura. A gramática funcional. São Paulo: Martins Fontes, 2004.

NEVES, Maria Helena de Moura. Gramática de Usos do Português. São Paulo: UNESP, 2000.

OLIVEIRA, Carlos Eduardo de. Iconicidade toponímica na chapada diamantina: estudo de caso. 2008. Dissertação (Mestrado em Semiótica e Linguística Geral) – Departamento de Linguística, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

PRIETO, Maria Helena de Teves Costa Urena. Apontamentos de terminologia toponímica. Revista Evphrosyne, Lisboa, v. VIII, [s. num.], p. 127-144, 1972. (Nova série).

SAPIR, Edward. Língua e ambiente (1969). In: CÂMARA JR, Joaquim Mattoso. Lingüística como ciência. Ensaios. Rio de Janeiro: Livraria Acadêmica, 1969. p. 43-62.

SARMIENTO, Frei Martin. Onomástico Etimológico de la Lengua Gallega. Madrid: TUY Tipografía Regional, 1925.

SEABRA, Maria Cândida Trindade Costa de. Variação e Mudança linguística de topônimos. In: COSTA, Daniela; BENÇAL, Dayme (org.). Nos caminhos do léxico. Campo Grande: Editora UFMS, 2016. v. 1, p. 137-154.

SILVA, Rosa Virgínia Mattos. Tradição Gramatical e Gramática Tradicional. 5. ed. São Paulo: Contexto, 2021.

TAVARES, Marineide Cassuci; ISQUERDO, Aparecida Negri. A Questão da Estrutura Morfológica dos Topônimos: Um Estudo na Toponímia Sul-Mato-Grossense. SIGNUM: Estud. Ling., Londrina, v. 9, n. 2, p. 273-288, dez. 2006.

VASCONCELLOS, José Leite de. Opúsculos: Onomatologia. Coimbra: Imprensa da Universidade, 1931. v. 3.

Downloads

Publicado

2022-12-30

Como Citar

MARTINS MENDES, G.; DIAS DE CASTRO, M. C. Análise morfológica e motivação dos orônimos de Tasso Fragoso-MA. Signótica, Goiânia, v. 34, p. e71987, 2022. DOI: 10.5216/sig.v34.71987. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/71987. Acesso em: 18 jul. 2024.

Edição

Seção

Estudos Linguísticos