Lexicografia das línguas de sinais: resgate histórico e estudo descritivo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v32.63091

Palavras-chave:

Libras. Lexicografía. Historia

Resumo

Este artigo apresenta um resgate histórico das produções lexicográficas das Línguas de Sinais no mundo e, mais detidamente, no Brasil. As discussões foram amparadas em Krieger (2006), Sofiato e Reily (2012), Felipe (2000), principalmente. A análise das fontes históricas ocorreu, parcialmente, no Instituto Nacional de Educação de Surdos (INES). Numa dimensão diacrônica, a pesquisa partiu da Idade Média até o século XXI, retomando a raiz da Lexicografia das Língua de Sinais e a identificação da origem do registro da Libras, bem como as motivações e interesses que mobilizaram a produção de simples listas, manuais e glossários a legítimos dicionários.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Claudia Zavaglia, Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP), São José do Rio Preto, São Paulo, Brasil. E-mail: claudia.zavaglia@unesp.br

É Livre-Docente em Lexicografia e Lexiologia desde 2009. Possuí graduação em Letras pela Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho (1988), mestrado em Língua e Literatura Italiana pela Universidade de São Paulo (1997) e doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho (2002). Atualmente é professor adjunto da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - UNESP - Campus de São José do Rio Preto - SP - IBILCE. Desde de 2003, atua na Pós-Graduação em Estudos Linguísticos da UNESP/IBILCE, na linha Lexicologia e Lexicografia, direcionando suas pesquisas, substancialmente, para os estudos lexicográficos, lexicológicos e tradutológicos. 

 

Referências

ALBUQUERQUE, G. C. (Org.). Comunicando com as Mãos, Rio de Janeiro: INES, 1856.

BIDERMAN, M. T. C. A nomenclatura de um dicionário de língua. Estudos linguísticos. 1. v. São Paulo, 1994, p. 26-42,

BRANDÃO, F. Dicionário Ilustrado de Libras. São Paulo: Editora Global, 2011.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL, W. D. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue: Língua de Sinais Brasileira. v. 1, 1. ed. São Paulo: Edusp, 2001.

CAPOVILLA, F. C. et al. A. C. Novo Deit-Libras: Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngue da Língua de Sinais Brasileira (Libras). v.1, 2. ed. São Paulo: Edusp, 2012.

CAPOVILLA, F. C.; RAPHAEL. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue: Língua de Sinais Brasileira. v.1, 3.ed. São Paulo: Edusp, MEC-FNDE, 2006.

____. Dicionário Enciclopédico Ilustrado Trilíngue: Língua de Sinais Brasileira. v.2, 3.ed. São Paulo: Edusp, MEC-FNDE, 2006b.

CAPOVILLA, F. C.et al. Dicionário da Língua de Sinais do Brasil: a Libras em suas mãos. São Paulo: EDUSP, 2017.

CARDOSO, V. R. Os dicionários da língua brasileira de sinais e suas contribuições. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 2, n.1, p. 50 - 66, jan. / jun., 2017.

COSTA, E. da S.; NASCIMENTO, L. R. S. Os dicionários virtuais e impressos da língua brasileira de sinais. v. 8, n. 1, 2015.

ERIKSSON, P. Dövas Historias: daubhar – daufr – dörver – döv. Sih Läromedel, 1993.

FARIA-DO-NASCIMENTO, S. P. de. Representações Lexicais da Língua de Sinais Brasileira: uma proposta lexicográfica. Tese do Instituto de Letras, departamento de linguística, português e línguas clássicas – LIP. Brasília: UnB, 2009.

FELIPE, T. A. Projeto Dicionário Virtual da Libras. Fórum 4 - Instituto Nacional de Educação de Surdos. Vol. I (jul/dez) Rio de Janeiro. 2001. Disponível em: <https://drive.google.com/file/d/0BwAEnJAISYTTZEFSR2F3VGd0cWs/view> Acesso em: 03. jan. 2018.
____. Introdução à gramática da Libras. In: BRASIL, FERREIRA-BRITO, Lucinda (org.). Educação Especial Língua Brasileira de Sinais.V. 3. Brasília: SEESP, 1997.
______. Banco de dados e sistemas de transcrição para as línguas de sinais. In: BAALBAKI, A. C. B. (org). Instrumentos linguísticos: usos e atualizações. Araruama: Cartolina Editora, 2014.

______. Os processos de formação de palavra na Libras. v.7, n. 2, jun. 2006, Campinas: ETD – Educação Temática Digital. Disponível em: <https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/803>Acesso em: 03. jan. 2018.

______. De flausino ao grupo de pesquisadas da FENEIS-PJ. In: Anais do Seminário Surdez: desafios para o próximo milênio. Rio de Janeiro: INES, 2000. Disponível em: <https://drive.google.com/drive/folders/0B6WyKJSZvdJdNmFpQ1lWb001TEk>Acesso em: 03. jan. 2018.

______. Libras em contexto: Curso Básico/Livro do Estudante. 7 ed. MEC-SEESP-FNDE. Brasília, 2007. Disponível em: <https://librasgerais.com.br/materiais-inclusivos/downloads/libras-contexto-estudante.pdf><http://www.faseh.edu.br/biblioteca_/arquivos/acervo_digital/Libras_em_contexto_Livro_do_Professor.pdf>Acesso em: 03. jan. 2018.

______. O signo gestual-visual e a sua estrutura frasal na língua de sinais dos centros urbanos brasileiros. Dissertação de Mestrado, UFPE, 1988.

______. A relação sintático-semântica dos verbos na língua brasileira de sinais (LIBRAS). Tese de doutorado em Linguística e Filologia, UFRJ, 1998. Volumes I e II.
Disponível em: <https://pantheon.ufrj.br/bitstream/11422/4401/4/476265%20vol.I.pdf https://pantheon.ufrj.br/bitstream/11422/4401/5/476265%20vol.II.pdf>Acesso em: 03. jan. 2018.

____. Pela Regulamentação da Lei 10.436, 24 de abril de 2002. Ano V, número 24, p. 13-14, Janeiro/Março de 2005.

____. O INES e a educação de surdos no Brasil. v. 1, 2ª ed. Rio de Jeneiro: INES, 2008.

FELIPE, T. A.; LIRA, G. A. Dicionário Virtual de Língua Brasileira de Sinais. cd-rom/online. Versão 2.0. Rio de Janeiro: INES, 2005. Disponível em:<http://www.ines.gov.br/dicionario-de-libras/main_site/libras.htm>Acesso em: 03. jan. 2018.

GAMA, J. da F. Iconoghaphia dos signaes dos surdos-mudos. Rio de Janeiro: Typographia Universal de E & H Laemmert, 1875.

____. Iconoghaphia dos signaes dos surdos-mudos. Série Histórica do INES. Rio de Janeiro: INES, 2011 [1875].

HAENSCH, G.et al. La lexicografía. Madrid: Editorial Gredos, 1982.

HOEMANN, W. H.; OATES, E.; HOEMANN, S. Linguagem de Sinais do Brasil. Porto Alegre: Centro educacional para deficientes auditivos, 1983.

INES, Linguagem de Sinais: as mãos também falam. [Rio de Janeiro]: MEC/SEESP, [1856].

____. O INES e a educação de surdos no Brasil. v. 1, 2ª ed. Rio de Jeneiro: INES, 2008. PARREIRA DA SILVA, M. C. Para uma tipologia geral de obras lexicográficas. In: ISQUERDO, A. N., ALVES, I. M. (Orgs.) As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. v. 3. Campo Grande: Ed. UFMS ; São Paulo : Humanitas, , p. 283-293, 2007.

KOJIMA, C. K.; SEGALA, S. R. A imagem do pensamento: Libras. São Paulo: Escala educacional, 2012.

KRIEGER, Maria da Graça. Dicionário em sala de aula: guia de estudos e exercícios. Rio de Janeiro: Lexikon, 2012.

____. Tipologias de dicionários: registros de léxico, princípios e tecnologias. Vol. 4, n. 3, 2006.

LIRA,G. A. Dicionário digital da Língua Brasileira de Sinais – concepção e desenvolvimento do projeto. In: ANAIS DO INES, Rio de Janeiro: Gráfica do INES, 2001.

MOURA, M. C. O Surdo: caminhos para uma nova identidade. Rio de Janeiro: Editora Revinter, 2000.

OATES, E. Linguagem das mãos. Rio de Janeiro: Gráfica editora livro S.A, 1969.

OVÍDEO, A. Vuelta a um hito histórico de la linguística de las lenguas de señas: la mimographie de Bébian em el sistema de transcripción de Stokoe. Revista de la Escuela de Ciências del Lenguaje de la Universidade del Valle, n. 37, 2009, p. 293-313. Disponível em: <http://revistalenguaje.univalle.edu.co/index.php?seccion=REVISTA&revista=37--2&articulo=356>. Acesso em: março/2018.

PARREIRA DA SILVA, M. C. Para uma tipologia geral de obras lexicográficas. In: ISQUERDO, A. N., ALVES, I. M. (Orgs.) As ciências do léxico: Lexicologia, Lexicografia, Terminologia. v. 3. Campo Grande: Ed. UFMS ; São Paulo : Humanitas, , p. 283-293, 2007.

PÉLISSIER. Iconographie des signes, avec des notes explicatives. Paris: Imprimerie et Librarie de Paul Dupont, 1856.

SCHLÜNZEN, E. TOMOE M.; DI BENEDETTO, L. dos S.; SANTOS, D. A. do N. dos. História das pessoas surdas: da exclusão à política educacional brasileira atual. v. 11. Unesp/UNIVESP, 2013.

SOFIATO, C.; REILY, L. Dicionários e manuais de língua de sinais: análise crítica das imagens. In: SOFIATO; Cássia, at al. Língua Brasileira de Sinais - Libras: aspectos linguísticos e históricos. São Carlos: UAB-UFSCar/EdUFSCar, 2012.

______. Dicionarização da língua brasileira de sinais: estudo comparativo iconográfico e lexical. v. 40, n.1 São Paulo: Educação e Pesquisa, 2014.

SOFIATO, C. O desafio da representação pictórica da Língua de Sinais Brasileira. Dissertação (Mestrado do Curso de Artes Visuais) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas.São Paulo: UNICAMP, 2005.

______. Do desenho à litografia: a origem da língua brasileira de sinais. Tese (Doutorado do Curso de Artes Visuais) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas.Campinas, SP: UNICAMP, 2011.

STOKOE, W. Sign and Culture: A Reader for Students of American Sign Language. Listok Press, Silver Spring, MD. 1960.

TEMÓTEO, Janice Gonçalves. Lexicografia da Língua de Sinais Brasileira do Nordeste. 252f. Tese (Doutorado em Psicologia Experimental) Universidade de São Paulo – USP. São Paulo, 2012.

ZAVAGLIA, C. Metodologia em ciências da linguagem: lexicografia. In: GONÇALVES, Adair Vieira; GÓIS, Marcos Lúcio de Sousa (Orgs.). Ciências da linguagem: o fazer científico. 1. ed. 1.v. Campinas: Mercado de Letras, 2012.

Downloads

Publicado

2021-07-08

Como Citar

LEÔNCIO, Érika L.; ZAVAGLIA, C. Lexicografia das línguas de sinais: resgate histórico e estudo descritivo. Signótica, Goiânia, v. 32, 2021. DOI: 10.5216/sig.v32.63091. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/63091. Acesso em: 27 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Estudos Linguísticos