O Realismo em Lukács - sua visão e concepção de arte: breves considerações

  • Douglas Rodrigues de Sousa Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Goiás, Brasil.
Palavras-chave: György Lukács, Realismo, Literatura, Arte, Balzac

Resumo

György Lukács concebe a arte como uma práxis social capaz de arrancar o homem da sua forma primitiva e alçá-lo à condição de sujeito consciente, elevado. Para isso, o filósofo húngaro defende que a arte realista, do realismo como tomada de posição/atitude do artista, é um dos principais fatores para o alcance da grande obra de arte.  À luz da teoria de Lukács, sobre o Realismo na literatura, empreendemos neste trabalho uma discussão teórica acerca da “arte autêntica” conforme o pensamento do crítico. Com o intuito de ilustrar as ideias do autor sobre esse processo na criação artística, realizamos uma breve leitura do conto A obra-prima ignorada, de Honoré de Balzac.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Douglas Rodrigues de Sousa, Universidade de Brasília (UNB), Brasília, Goiás, Brasil.

Formado em Letras Português pela Universidade Federal do Piauí e Mestre em Letras pela mesma instituição. Doutor em Literatura pela Universidade de Brasília - UnB.

Referências

ANDRADE, Carlos Drummond de. Poesia Completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2003.

BALZAC, Honoré de. A obra-prima ignorada. Tradução Dorothée de Bruchard e Rejane Janowitzer. São Paulo: L&PM Editores, 2012.

FREDERICO, Celso. A arte no mundo dos homens: o itinerário de Lukács. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

LUKÁCS, Georg. Ensaios sobre literatura. 2. ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 1968.

LUKÁCS, Georg. Marxismo e teoria da literatura. Tradução Carlos Nelson Coutinho. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MARX, Karl. Elementos fundamentales para la crítica de la economía política(Grundrisse). 15. ed. México (DF): Siglo Veintiuno, 1987.

Publicado
10-04-2019
Como Citar
Sousa, D. (2019). O Realismo em Lukács - sua visão e concepção de arte: breves considerações. Signótica, 31. https://doi.org/10.5216/sig.v31.54139
Seção
Dossiê