Identidades fraturadas: variações do duplo em Dois Irmãos, de Milton Hatoum

Autores

  • Flávio Pereira Camargo Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, camargolitera@gmail.com
  • Alex Bruno da Silva Universidade Estadual de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, alexprofessor100@gmail.com

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v30i3.51087

Palavras-chave:

Gêmeos. Narrador, Espaço. Memória.

Resumo

Neste artigo, propomos uma análise das variações do mito do duplo no romance Dois irmãos, de Milton Hatoum, publicado em 2000. Com base nos pressupostos teórico-críticos de Bravo (1997), Rank (2013), Bachelard (1993), Rosset (1999) e Freud (1996), pretendemos demonstrar que, para além do tema dos irmãos gêmeos, o duplo, em Dois irmãos, pode ser lido em mais dois aspectos de duplicidade: a configuração do narrador, que tenta definir sua identidade como espelho do outro, e a imagem da casa em ruínas, espaço que reflete duplamente a decadência da família libanesa, bem como a identidade cultural do imigrante em terra alheia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Pereira Camargo, Universidade Federal de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, camargolitera@gmail.com

Alex Bruno da Silva, Universidade Estadual de Goiás (UFG), Goiânia, Goiás, Brasil, alexprofessor100@gmail.com

Downloads

Publicado

2018-08-31

Como Citar

PEREIRA CAMARGO, F. .; BRUNO DA SILVA, A. Identidades fraturadas: variações do duplo em Dois Irmãos, de Milton Hatoum. Signótica, Goiânia, v. 30, n. 3, p. 346–364, 2018. DOI: 10.5216/sig.v30i3.51087. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/51087. Acesso em: 26 fev. 2024.

Edição

Seção

Artigo