Alcácer-Quibir revisitada: a elaboração do trauma individual e coletivo na poesia da guerra colonial

Autores

  • Carina Marques Duarte Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Jane Fraga Tutikian Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v25i1.22065

Palavras-chave:

Literatura Portuguesa, Poesia

Resumo

A proposta deste trabalho é, a partir da análise de um corpus extraído da Antologia da Memória Poética da Guerra Colonial, verificar o modo como se processa a elaboração poética das experiências individual e coletiva decorrentes da participação de Portugal nesse evento bélico. Além de propagar o dilaceramento dos seres humanos confrontados com a experiência-limite da guerra, esta poesia, especialmente quando se reporta a um acontecimento histórico traumático, como foi Alcácer-Quibir, ilustra o esfacelamento da imagem da nação.

Palavras-chave: Guerra Colonial. Memória. Trauma. Poesia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carina Marques Duarte, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Doutoranda em Literatura Comparada e mestre em Literaturas Portuguesa e Luso-Africanas.

Jane Fraga Tutikian, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Professora de Literatura Portuguesa e Luso-Africanas.

Downloads

Publicado

2013-10-14

Como Citar

DUARTE, C. M.; TUTIKIAN, J. F. Alcácer-Quibir revisitada: a elaboração do trauma individual e coletivo na poesia da guerra colonial. Signótica, Goiânia, v. 25, n. 1, p. 179–201, 2013. DOI: 10.5216/sig.v25i1.22065. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/22065. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Artigo