Interrogatórios policiais da delegacia de repressão a crimes contra a mulher: algumas práticas sequenciais de negociação

Autores

  • Paulo Cortes Gago UFJF
  • Priscila Júlio Guedes Pinto UFJF.

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v24i2.19169

Palavras-chave:

Interrogatórios policiais, Delegacia da Mulher, Negociação, Interação, Análise da Conversa Etnometodológica.

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo descrever duas práticas sequenciais de negociação, utilizadas por um inspetor de polícia nos interrogatórios policiais da Delegacia de Repressão a Crimes Contra a Mulher (DRCCM): (i) sequências de encaminhamento para apresentação de solução pelas partes; e (ii) sequências de apresentação de solução pelo inspetor. Utiliza-se como referencial teórico-metodológico a Análise da Conversa Etnometodológica para o estudo de práticas sociais construídas localmente nas interações. Esse estudo é de natureza aplicada e mostra que os policiais fazem negociação nos interrogatórios. Espera-se que este material possa servir de base para a reflexão profissional de policiais para melhor atenderem à população.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Cortes Gago, UFJF

Professor Adjunto de Liinguistica

Priscila Júlio Guedes Pinto, UFJF.

Doutoranda do curso de Lingística da UFJF.

Downloads

Publicado

2012-12-26

Como Citar

GAGO, P. C.; JÚLIO GUEDES PINTO, P. Interrogatórios policiais da delegacia de repressão a crimes contra a mulher: algumas práticas sequenciais de negociação. Signótica, Goiânia, v. 24, n. 2, p. 339–365, 2012. DOI: 10.5216/sig.v24i2.19169. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/19169. Acesso em: 4 mar. 2024.

Edição

Seção

Artigo