Análise de livros didáticos de português com foco no ensino bilíngue para alunos surdos

Autores

  • Osilene Maria de Sá e Silva da Cruz Instituto Nacional de Educação de Surdos, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: osileneacruz@gmail.com
  • Renata Soneghetti Cauper Pinto Secretaria de Estado de Educação do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil / Secretaria Municipal de Educação de Queimados, Rio de Janeiro, Brasil. E-mail: renata.aulas@gmail.com https://orcid.org/0000-0001-7077-5328

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v6.68462

Palavras-chave:

Análise de Material Didático. Libras – Língua Portuguesa. Letramento e Ensino para Surdos. Checklist

Resumo

Esta pesquisa apresenta a análise de dois livros didáticos de língua portuguesa do 8º ano do Ensino Fundamental, disponibilizados pelo Governo Federal para escolas com sistema regular/inclusivo e escolas bilíngues para surdos, como o Instituto Nacional de Educação de Surdos - INES. A pesquisa tem como principal objetivo mostrar em que aspectos o corpus analisado atende (ou não) às demandas de alunos surdos. Por meio de pesquisa bibliográfica, analisamos o gênero textual entrevista, abordado nas unidades didáticas dos livros “Português: conexão e uso” e “Tecendo linguagens: Língua Portuguesa”. Os procedimentos partem da proposta de ensino baseado em gêneros (RAMOS, 2004) e o instrumento de análise consiste em um checklist (CRUZ; MORAIS, 2019) para verificar materiais didáticos adotados no ensino. A fundamentação teórica ampara-se, principalmente, em Kleiman (1995), Lodi (2017) e Antunes (2003 e 2007), para que o professor selecione material com metodologias mais acessíveis aos surdos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANTUNES, I. Aula de português: encontro & interação. São Paulo: Parábola Editorial, 2003.

ANTUNES, I. Muito além da gramática: por um ensino de línguas sem pedras no caminho. São Paulo: Parábola Editorial, 2007.

BAKHTIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem: problemas fundamentais do método sociológico da linguagem. 16. ed. São Paulo: Hucitec, 2014.

BRASIL. Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 25 de abril de 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm. Acesso em: 09 ago. 2020.

______. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2005/decreto/d5626.htm. Acesso em: 08 dez. 2020.

______. Lei de Diretrizes e Bases. Lei nº 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm. Acesso em: 09 ago. 2020.

______. MEC. Base Nacional Comum Curricular. Brasília, 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/images/BNCC_EI_EF_110518_versaofinal_site.pdf. Acesso em: 09 ago. 2020.

______. MEC. Guia de livros didáticos PNLD 2020: Língua Portuguesa. Brasília, 2020. Disponível em: https://pnld.nees.ufal.br/assets-pnld/guias/Guia_pnld_2020_pnld2020-lingua-portuguesa.pdf. Acesso em: 09 ago. 2020.

CRUZ, O. M. S. S.; GOUVEIA, L. L Q. Produção textual de alunos surdos incluídos no Ensino Médio: um estudo de caso. Pensares em Revista, São Gonçalo-RJ, n. 12, p. 94-117, 2018.

CRUZ, O. M. S. S; MORAIS, F. B. C. Análise de material didático para aprendizes surdos por meio de checklist. 2019. No prelo.

DELL’ISOLA, R. L. P. Gêneros textuais em livros didáticos de português língua estrangeira: o que falta? In: DIAS, R; CRISTOVÃO, V. L. L. (orgs). O livro didático de língua estrangeira: múltiplas perspectivas. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2009.

DELMANTO, D.; CARVALHO, L. B. de. Português: conexão e uso, 8º ano. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2018.

FILHO, F. A. Gêneros jornalísticos: notícias e cartas de leitor no ensino fundamental. São Paulo: Cortez, 2011.

GESSER, A. Libras: que língua é essa?: Crenças e preconceitos em torno da língua de sinais e da realidade surda. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

KARNOPP, L. B. Práticas de Leitura e Escrita Entre os Surdos. LODI, A. C. B.; MÉLO, A. D. B.; FERNANDES, E. (Orgs.) Letramento, Bilinguismo e Educação de Surdos. Porto Alegre: Mediação, 2015.

KLEIMAN, A. B. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas, SP: Mercado das Letras, 1995.

LODI, A. C. B. (et al.). Letramento e minorias. 8. ed. Porto Alegre: Mediação, 2017.

OLIVEIRA, A. T.; ARAÚJO, L. A. M. Tecendo linguagens: Língua Portuguesa, 8º ano. 5. ed. Barueri [SP]: IBEP, 2018.

QUADROS, R. M. de. Língua de herança: língua brasileira de sinais. Porto Alegre: Penso, 2017.

RAMOS, R. C. G. Gêneros textuais: proposta de aplicação em cursos de língua estrangeira para fins específicos. The ESPecialist, 2004. v.24, n.2: 107-129.

RANGEL, E. Livro didático de Língua Portuguesa: o retorno do recalcado. In: BEZERRA, M. A.; DIONISIO, A. P. O livro didático de português: múltiplos olhares. 3. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2005.

ROJO, R. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

SOARES, M. Formação de rede: uma alternativa de desenvolvimento profissional de alfabetizadores/as. Cadernos Cenpec, São Paulo, v. 4, n. 2, p. 146-173, dez. 2014.

UNESCO. Declaração de Salamanca e Linha de Ação. Brasília: CORDE, 1994.

Downloads

Publicado

11-11-2021

Como Citar

Cruz, O. M. de S. e S. da ., & Pinto, R. S. C. (2021). Análise de livros didáticos de português com foco no ensino bilíngue para alunos surdos. Revista Sinalizar, 6. https://doi.org/10.5216/rs.v6.68462

Edição

Seção

Artigos