Métodos de ensino e avaliação da aprendizagem de surdos no Ensino Médio: o que dizem os profissionais de Libras-Português?

Autores

  • Edivaldo dos Santos Junior Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: junior.antropos@gmail.com https://orcid.org/0000-0002-5327-7703
  • Rivadavia Porto Cavalcante Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: riva@ifto.edu.br https://orcid.org/0000-0002-6568-7910
  • Weimar Silva Castilho Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: weimar@ifto.edu.br
  • Mary Lucia Gomes Silveira de Senna Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: marysenna@ifto.edu.br https://orcid.org/0000-0002-4112-5470
  • Jair José Maldaner Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: jair@ifto.edu.br https://orcid.org/0000-0002-8288-6583

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v6.64972

Palavras-chave:

Saberes de linguagem. Adequação metodológica. Educação de surdos. Ensino e Avaliação.

Resumo

Este artigo tem como objetivo investigar e discutir questões relacionadas à adequação dos métodos de ensino e avaliação dos saberes de linguagem na educação de surdos em contexto de aulas regulares do Ensino Médio público. Para tanto, buscou-se fundamentação na Teoria histórico-cultural de Lev Vygotsky, que subsidia a compreensão do papel da linguagem no desenvolvimento humano, e nos aportes de Yves Chevallard e Paulo Freire, sobre as transformações adaptativas dos saberes escolares a serem ensinados e aprendidos no processo educacional, estabelecendo diálogo destes com pesquisadores da área da educação de surdos. O trabalho contou com o método qualitativo, mediante pesquisa exploratória de fontes teóricas, análise documental e de relatos de experiências de três profissionais de Libras-Português, atuantes na educação pública do Tocantins. O resultado da pesquisa revela inadequação dos métodos de ensino e avaliativos, nos quais língua e cultura do surdo são menosprezadas, prevalecendo apenas o método de leitura de texto em português.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Edivaldo dos Santos Junior, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: junior.antropos@gmail.com

Mestrando em Educação Profissional Tecnológica - ProfEPT, pelo Instiuto Federal do Tocantins - TO

Intérprete/tradutor de Libras ceritificado pelo Prolibras.

Bacharel em Teologia e professor do Seminário Teológico Batista do Tocantins.

Licenciado em Sociologia.

Rivadavia Porto Cavalcante, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: riva@ifto.edu.br

Pesquisador/Doutor em Linguistica e Práticas sociais (PROGRAMA DE MESTRADO PROFISSIONAL EM EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E TECNOLÓGICA)

Weimar Silva Castilho, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: weimar@ifto.edu.br

Doutor em Sistemas Mecatrônicos pela Universidade de Brasília (2016). Professor do programa ProfEPT (Mestrado em educação profissional e tecnologica - IFTO)

Mary Lucia Gomes Silveira de Senna, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: marysenna@ifto.edu.br

 Doutora em Ciências pela Universidade de São Paulo (USP/IPEN). Professora do programa ProfEPT (Mestrado em educação profissional e tecnológica -IFTO)

Jair José Maldaner, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Tocantins, Palmas, Tocantins, Brasil. E-mail: jair@ifto.edu.br

Pesquisador/Doutor coordenador do Programa de Mestrado em Educação Profissional e Tecnológica (ProfEPT), Campus Palmas, IFTO

Referências

BARDIN, L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

BRASIL. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm, Acesso em 09 de abr. de 2020.

BRASIL. Lei 9.394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 31 de dez.1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm Acesso em 03 de out. de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução CNE/CEB no. 2, de 11 de setembro de 2001. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 14. set. 2001. Disponível em: https://www.gov.br/mec/pt-br/publicacoes-secretarias/semesp/diretrizes-nacionais-para-a-educacao-especial-na-educacao-basica Acesso em 20 de maio 2020.

BRASIL. Lei n° 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Brasília: DF, abr. 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm Acesso em 03 de out. de 2019.

BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098 de 19 de dezembro de 2000. Brasília: DF, dez. 2005. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Decreto/D5626.htm Acesso em 03 de out. de 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Política Nacional de Educação Especial na perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília: DF. MEC; SEEP, 2008. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf Acesso em 6 de jun. 2020.

BRASIL. Lei nº 12.319, de 1 de setembro de 2010. Regulamenta a profissão de Tradutor e Intérprete da Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS. Brasília: DF, set. 2010. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12319.htm Acesso em 20 de abr. de 2020.

BRASIL. Lei Nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Brasília: DF. jun. 2015. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm Acesso em 14 de maio de 2020.

BRASIL. Saeb 2017 revela que apenas 1,6% dos estudantes brasileiros do Ensino Médio demonstraram níveis de aprendizagem considerados adequados em Língua Portuguesa. Brasília: DF, 2017. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/artigo/-/asset_publisher/B4AQV9zFY7Bv/content/saeb-2017-revela-que-apenas-1-6-dos-estudantes-brasileiros-do-ensino-medio-demonstraram-niveis-de-aprendizagem-considerados-adequados-em-lingua-portug/21206 Acesso em 20 de abr. de 2020

CHEVALLARD, Y. Sobre a teoria da transposição didática: algumas considerações introdutórias. Trad. Cleonice Puggian. Revista de Educação, Ciências e Matemática, v.3 n.2 mai/ago 2013. Disponível em: http://publicacoes.unigranrio.edu.br/index.php/recm/article/view/2338 Acesso em 20 de Abr. 2020.

CHEVALLARD, Y. La transposición didáctica. Del saber sabio al saber enseñado. Trad. Cláudia Gilman. 3ª ed. Buenos Aires: Aique, 2000.

FELIPE, T. A. Libras em contexto. 7ª ed. Rio de Janeiro: LIBRAS Editora Gráfica, 2006.

FLICK, U. Métodos de Pesquisa: introdução à pesquisa qualitativa. 3ª Ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17ª. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. 25ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

GESSER, A. Do patológico ao cultural na surdez: para além de um e de outro ou para uma reflexão crítica dos paradigmas. Trab. Ling. Aplic, Campinas, 47(1) Jan./Jun. 2008. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/tla/v47n1/v47n1a12.pdf Acesso em 29 de maio de 2020.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KAUARK, F.; MANHÃES, F. C.; MEDEIROS, C. H. Metodologia da pesquisa: guia prático. Itabuna: Via Litterarum, 2010. Disponível em: http://www.pgcl.uenf.br/arquivos/livrodemetodologiadapesquisa2010_011120181549.pdf Acesso em 11 de junho de 2020.

MALLMANN, F. M. et al. A Inclusão do Aluno Surdo no Ensino Médio e Ensino Profissionalizante: um Olhar para os Discursos dos Educadores. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, v. 20, n. 1, p. 131-146, Jan.-Mar., 2014. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbee/v20n1/a10v20n1.pdf Acesso em 01 de jun. 2020.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. Campinas, SP: Editora Alínea, 2007.

ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 1948. Disponível em: https://www.ohchr.org/EN/UDHR/Pages/Language.aspx?LangID=por Acesso em 09 de jun. 2020.

POWER, S. O detalhe e o macrocontexto: o uso da teoria centrada no Estado para explicar práticas e políticas educacionais. In: BALL, S. J.; MAINARDES, J. (Orgs). Políticas Educacionais: questões e dilemas. São Paulo: Cortez, 2011. p. 54-77.

QUADROS, R. M. O ‘BI’ em bilinguismo na educação de surdos. In: FERNANDES, Eulália (Org.). Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Mediação, 2005 p. 26-36.

QUADROS, R. M. Situando as Diferenças Implicadas na Educação de Surdos: Inclusão/exclusão. Revista Ponto de Vista. UFSC, Nº4, 2003. Não paginado. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/viewFile/1246/3850. Acesso em: 25 de jul.2020.

ROSA, W.; LOCATELLI, A. Produtos educacionais: diálogo entre universidade e escola. Ensino de Ciências e Tecnologia em Revista, v. 8, n. 2. jul./ago. 2018. Disponível em: http://srvapp2s.urisan.tche.br/seer/index.php/encitec/article/view/2716/0 Acesso em 10 de abr. 2020.

SANTOS, A. D. W.; BORDAS, M. A. Garcia. A educação do surdo e a pedagogia freiriana. In: V CONGRESSO BRASILEIRO MULTIDISCILINAR DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, 2009, Londrina. Anais do V congresso brasileiro multidisciplinar de educação especial. Londrina, 2009. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/congressomultidisciplinar/pages/arquivos/anais/2009/009.pdf# Acesso em 15 de jun. 2020.

SANTOS, W. F.; MENEZES, M. B. A Transposição Didática interna em uma sala de aula inclusiva: O caso do ensino para surdos sobre o conjunto dos números naturais. Educ. Matem. Pesq., São Paulo, v.21, n.5, pp. 102-114, 2019. Disponível em: http://revistas.pucsp.br/emp/article/view/45581 Acesso em 15 de abr. 2020.

SILVA, A. C. A representação social da surdez: entre o mundo acadêmico e o cotidiano escolar. In: FERNANDES, E. (Org.). Surdez e bilinguismo. Porto Alegre: Mediação, 2005 p. 37- 49.

SILVA, R. A. C. Um olhar sobre o surdo na nova Base Nacional Comum Curricular no Brasil. Revista Virtual de Cultura Surda. Edição Nº 23. Maio de 2018. Disponível em: http://editora-arara-azul.com.br/site/admin/ckfinder/userfiles/files/6%C2%BA%20Artigo%20da%20Revista%2023%20de%20CAMARA%20SILVA.pdf Acesso em 19 de Nov. 2019.

SKLIAR, C. As diferenças e as pessoas surdas. Revista Fórum: Rio de Janeiro. nº 35. 17-24. jan-jun 2017. Disponível em: http://www.ines.gov.br/seer/index.php/forum-bilingue/issue/viewIssue/21/24 Acesso em 29 de fev. 2020.

SOARES, M. Alfabetização e Letramento: caminhos e descaminhos. In: Universidade Estadual Paulista. UNESP. Pró-Reitoria de Graduação. Caderno de Formação: Formação de professores. Didática dos Conteúdos. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2011. v.2 193p (curso de Pedagogia), p. 96-100. Disponível também em: Revista Pátio-Revista Pedagógica de 29 de fevereiro de 2004. Ed. Artmed.

UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos. 1990. Resultado da Conferência Mundial sobre Educação para Todos – satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jomtien, Tailândia, 5 a 9 de março de 1990. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/declaracao-mundial-sobre-educacao-para-todos-conferencia-de-jomtien-1990 Acesso em 02 de jun. 2020.

UNESCO. Coordenadoria Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência (CORDE). Declaração de Salamanca de princípios, política e prática para as necessidades educativas especiais. Brasília: CORDE, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf Acesso em 04 de abr. 2020.

VYGOTSKY, L. S. Pensamento e linguagem. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

VYGOTSKI, L. S. Obras Escogidas. v. 5. Fundamentos de Defectología. Madrid: Visor, 1997.

VYGOTSKY, L. S. A defectologia e o estudo do desenvolvimento e da educação da criança anormal. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 37, n. 4, p. 861-870, dez. 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ep/v37n4/a12v37n4.pdf Acesso em 22 de abr. 2020.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

Downloads

Publicado

2021-11-19

Como Citar

SANTOS JUNIOR, E. dos .; CAVALCANTE, R. P. .; CASTILHO, W. S.; SENNA, M. L. G. S. de; MALDANER, J. J. Métodos de ensino e avaliação da aprendizagem de surdos no Ensino Médio: o que dizem os profissionais de Libras-Português?. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 6, 2021. DOI: 10.5216/rs.v6.64972. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revsinal/article/view/64972. Acesso em: 5 out. 2022.

Edição

Seção

Artigos