O TEATRO COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO DE SURDOS

Autores

  • Hildomar José Lima Universidade Federal de Goiás
  • Divino Gomes Vieira Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil.

DOI:

https://doi.org/10.5216/rs.v1i1.39646

Resumo

Por ser uma arte de caráter fortemente visual, que aglutina todas as outras artes e linguagens, o teatro tem grande receptividade nas comunidades surdas e pode ser uma proposta pedagógica eficiente para melhorar o desempenho de alunos surdos e tornar sua educação mais interessante e significativa. O objetivo deste trabalho é trazer reflexões sobre os benefícios do uso do teatro na educação do surdo. A experiência dramática, levada à sala de aula, auxilia o desenvolvimento cognitivo e pode ser avaliada como um percurso, por meio do qual ocorre a transformação da interioridade do aluno surdo e também de sua realidade exterior. Para o desenvolvimento deste trabalho, foram essenciais as obras de Courtney e Reverbel, no que diz respeito ao teatro e à educação, assim como os textos de Freitas, que desenvolveu pesquisas sobre o teatro e a educação de surdos, apontando a importância das atividades de dramatização teatral, propostas em salas de aula, para motivar as práticas de linguagem escrita em Língua Portuguesa do aluno surdo e a redução dos entraves linguísticos entre surdos e ouvintes.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BRASIL. Lei 10.436, de 24 de abril de 2002. Diário Oficial da União – publicado em 25 de abril de 2002; 181º da Independência e 114º da República. Brasília, DF: Senado, 2002. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/leis/2002/L10436.htm>. Acesso em: 01 dez. 2015.

BRASIL. Parâmetros Curriculares para o Ensino Médio: linguagens, códigos e suas tecnologias. Orientações educacionais complementares aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEB, 2002.

BRASIL. Decreto 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Diário Oficial da União – publicado em 23 de dezembro de 2005; 184º da Independência e 117º da República. Brasília, DF: Senado, 2005. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil/_Ato2004-2006/2005/Decreto/ D5626.htm>. Acesso em: 01 dez. 2015.

COURTNEY, Richard. Jogo, teatro e pensamento. São Paulo: Perspectiva, 2003 (Col. Estudos).

FREITAS, Cilene Rodrigues Carneiro. Processo de compreensão e reflexão sobre iniciação teatral de surdos. 2014. 154 f. Texto base Dissertação (mestrado) – Universidade de Brasília, DF. Disponível em:

<http://repositorio.unb.br/06/1/2014_CileneRodriguesCarneiroFreitas.pdf>. Acesso em 08 nov. 2015.

GOLDFELD, M. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sociointeracionista. 3. ed. São Paulo: Plexus, 2002.

GRUPO SIGNATORES. Dica de Leitura. Disponível em: http://www.signatores.com.br/>

Acesso em: 16 nov. 2015

GUARINELLO, A. C. O papel do outro na escrita de sujeitos surdos. São Paulo: Plexus, 2007.

PERLIN, G. Identidades Surdas. In: SKLIAR, C. (Org.) A Surdez: um olhar sobre as diferenças. Porto Alegre: Editora Mediação, 1998.

QUASE9TEATRO. Disponível em: https://www.facebook.com/quase9teatro. Acesso em: 23 out. 2015

REVERBEL, Olga. Jogos teatrais na escola:atividades globais de expressão. São Paulo: Scipione, 1989.

RUDE, Teresa Cristina S.; GUERCHON, Paula. Teatro para Surdos: Uma abordagem de comunicação e expressão do não verbal ao verbal. Revista Arqueiro – Instituto Nacional de Educação de Surdos, Rio de Janeiro, vol. 6, dez. 2002. Disponível em: http://www.ines.gov.br/publicacoes/revista-arqueiro/arqueiro_06.pdf Acesso em: 23 de Nov. 2015

TBS BRASIL. Teatro Brasileiro de Surdos. Disponível em: http://tbsbrasil.blogspot.com.br/

Acesso em: 12 nov. 2015.

Downloads

Publicado

2016-02-01

Como Citar

LIMA, H. J.; VIEIRA, D. G. O TEATRO COMO INSTRUMENTO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO DE SURDOS. Revista Sinalizar, Goiânia, v. 1, n. 1, p. 93–102, 2016. DOI: 10.5216/rs.v1i1.39646. Disponível em: https://revistas.ufg.br/revsinal/article/view/39646. Acesso em: 17 jun. 2024.

Edição

Seção

Artigos