Desenvolvimento de Índice de Condição da Via (ICV) para Avaliação da Qualidade de Sistemas Cicloviário em Áreas Urbanas

Autores

Palavras-chave:

Sistema Cicloviário, Índice de Condição da Via, Psicologia Ambiental, Nível de Serviço

Resumo

Esta pesquisa tem como objetivo desenvolver um índice, chamado Índice de Condição da Via (ICV), a ser usado para avaliar a qualidade de sistemas cicloviários a fim de auxiliar planejadores de sistemas de transportes na implantação e avaliação de sistemas cicloviários; além de aumentar a habilidade de gestores e profissionais na tomada de decisão, apresentando critérios para análises. O ICV foi desenvolvido baseado em constatações sobre o uso da bicicleta como modo de transporte sustentável, nos preceitos da psicologia ambiental e nos métodos de avaliação do nível de serviço aplicados ao transporte. Com isso, foram definidos oito (8) indicadores para compor o ICV, a saber: largura da via, velocidade, topografia, conflitos (estacionamentos, cruzamentos sem sinalização), fluxo de veículos, amenidades, pavimentação (qualidade) e uso do solo. Ao final, normatizou-se o ICV de forma análoga ao proposto por Eastman e Jiang (2010) em que é possível classifica os segmentos em A, B ou C. Nesta escala se o valor apurado do ICV para o segmento estiver entre 0 até 0,33 é considerado ruim (C). De 0,33 até 0,67, o segmento apresenta uma boa situação (B). Quando o índice apresentar valor superior a 0,68, tem-se uma situação muito boa (A).

Biografia do Autor

Cristiano Farias Almeida, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, Goiás, Brasil

Professor da Escola de Engenharia Civil, coordenador do Núcleo de Pesquisa em Transportes (NPT-UFG).Possui graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Pará (1999), mestrado em Transportes pela Universidade de Brasília (2001), doutorado em Transportes pelo Nagoya Institute of Technology no Japão e pela Universidade de Brasília (2008), e Pós-Doutorado em Desenvolvimento de Cluster Logístico pela Université de Liège na Bélgica (2020). Atualmente é Professor Associado, Classe D, Nível 1 da Universidade Federal de Goiás. É professor permanente do Programa de Pós-Graduação Projeto e Cidade (FAV/UFG). É coordenador do Núcleo de Pesquisa em Transportes (NPT-UFG). Ex-bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). Ex-bolsista do Ministério da Educação, Cultura, Desporto, Ciência e Tecnologia do Japão (Monbukagakusho). Ex-bolsista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Ex-bolsista do Wallonie-Bruxelles Internacional.be (WBI). É atualmente Embaixador do Wallonie-Bruxelles Internacional.be (WBI) no Brasil. Elaborou o projeto de implantação do primeiro curso de Engenharia de Transportes Bacharelado da Universidade Federal de Goiás, do qual desempenhou função de Coordenador entre 2015 e 2018. Foi membro da Comissão de Implantação da Faculdade de Ciências e Tecnologia (FCT/UFG). Foi presidente do Núcleo Docente Estruturante (NDE) do curso de Engenharia de Transportes da UFG entre 2015 e 2018. Tem experiência na área de Engenharia de Transportes, com ênfase em Planejamento e Organização do Sistema de Transporte, atuando principalmente nos seguintes temas: transporte não-motorizado, transporte rodoviário semiurbano de passageiros, modelagem de redes de transportes, planejamento de transportes e desenvolvimento econômico regional, planejamento, gestão e controle dos transportes, análise espacial aplicada ao planejamento dos transportes, geografia dos transportes, cluster e plataforma logística.

Referências

AASHATO. Guide for the Development of Bicycle Facilities, American Association of State Highway and Transportation Officials. Washington, D.C. USA, 1999. Disponível em: https://nacto.org/wp-content/uploads/2011/03/AASHTO-Guide-for-the-Development-of-Bicycle-Facilities-1999.pdf. Acesso em: 12 dez. 2016.
ALTMAN, I. Environment and Social Behaviour: Privacity, personal space, territory and crowding. Monterre, CA: Brooks/Cole. 1975, 256 p.
ANTP – Associação Nacional de Transporte Público. Sistema de Informações de Mobilidade, Relatório Geral de 2016. Publicado em maio. 2018. Disponível: http://files.antp.org.br/simob/simob-2016-v6.pdf . Acesso em: 03 janeiro, 2020.
BRASIL. Lei n. 9.503, 23 de setembro de 1997. CTB - Código de Trânsito Brasileiro. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9503.htm. Acesso: 08 junho, 2017.
_______. Secretaria Nacional de Transportes e da Mobilidade Urbana. Caderno de Referência para a Elaboração de Plano de Mobilidade por Bicicleta nas Cidades – Ministério das Cidades, Secretaria Nacional de Transporte e da Mobilidade Urbana, 2007. 232 p.
________. Lei n 12.587, de 03 de janeiro de 2012. Lei Federal de Mobilidade Urbana. Diário Oficial da União, Brasília-DF, 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12587.htm. Acesso: 26 julho, 2016.
_______. Lei n. 9.503, 23 de setembro de 1997. CTB - Código de Trânsito Brasileiro. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 1997. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9503.htm. Acesso: 08 junho, 2017.
BELL et. al. Environmental Perception and Cognition In: Bell, P. A. et al. (1996) Environmental Psychology. 5.ed. Fort Worth, TX: Harcourt College Publishers.
COSTA, H. G. Introdução ao método de análise hierárquica: Análise multicritério no auxílio à decisão. XXXVI – SBPO, O Impacto da Pesquisa Operacional nas Novas Tendências Multidisciplinares. 1ª Edição. Niterói, RJ. 2002. p.83-85.
DAVIS, J. Bicycle Safety Evaluation. Auburn University, Auburn City of Chattanooga, and Chattanooga-Hamilton County Regional Planning Commission, Chattanooga, June 1987.
DAVIS, G. A.; WICKLATZ, Trina. Sample-Based Estimation of Bicycle Miles of Travel (BMT). Retrieved from the University of Minnesota Digital Conservancy, 2001. Disponível em: http://hdl.handle.net/11299/742.
DELABRIDA, Z. N. C. A imagem do Uso da Bicicleta: Um estudo entre moradores de Taguatinga. Dissertação de Mestrado. Instituto de Psicologia. Universidade de Brasília, Brasília, DF, 2004, 77p.
DIXON, L. B. Bicycle and Pedestrian Level-of-Service Performance Measures and Standards for Congestion Management Systems. Transportation Research Record n.1538, 1996. p. 1- 9.
DNIT - Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes. Manual de Projetos Geométricos para Travessias Urbanas. Rio de Janeiro – RJ, Brasil, 2010, 392 p.
EASTMAN, R.; JIANG, H. Fuzzy Measures in Multicriteria Evaluation. Application of fuzzy measures in multi-criteria evaluation in GIS, International Journal of Geographical Information Science, 2010, 14:2, 173-184, DOI: 10.1080/136588100240903
EPPERSON, B. Evaluating Suitability of Roadways for Bicycle Use: toward a cycling level of service standart. Transportation Research Record. Washington, DC, United States, 1994. Disponível em: http://onlinepubs.trb.org/Onlinepubs/trr/1994/1438/1438-002.pdf. Acesso: 15 junho, 2016.
EVERETT, P. B. e WATSON, B. G. Psychological Contributions to Transportation. Em D. Stokols & I. Altman (Eds.), Handbook of environmental psychology, vol II (pp. 987-1008). New York: Wiley. DC. 1987.
FISHER et. al. Envirohnmental Psychology, 2ª edição. Nova Yorque, Holt, Rinehart and Winston, 1984.
FHWA – Federal Highway Administration. Guide on Methods to Estimate Non – Motorized Demand Travel. Suporting Documentation. Washington, D.C. USA. July, 1999.
GEHL, J. Cidade para Pessoas. Editora Perspectiva, 3ª Edição, Di Marco, São Paulo, SP, Brasil, 2015, 280 p.
GEIPOT – Grupo Executivo de Integração da Política de Transporte. Planejamento Cicloviário: Diagnóstico Nacional. Brasília, DF. 2001. Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0BxR5Ri6g5X_ZTXVWS3pyVUdPdDA/view. Acesso: 03 maio de 2015.
GIFFORD, R. Environmental Psichology: Principles and Practical (2ª ed.) Boston, MA: Allyn e Bacon, 1987, 506 p.
GUNTHER, H. Mobilidade e “affordance” como cerne dos Estudos Pessoa-Ambiente. Estudos de Psicologia, 8(2).273-280. 2003. UnB. Brasília, DF. DOI: https://dx.doi.org/10.1590/S1413-294X2003000200009
HALL. E. T. The hidden dimension, New York, Doubleday, 1966. Disponível em: www.philo-online.com/TEXTES/HALL Edward Twichell - The hidden dimension.pdf. Acesso em: 10 janeiro, 2017.
HAMER, L.J., ALMEIDA C.F. Variáveis Psicológicas e o Nível de Serviço que Predizem a Mobilidade Urbana na Implantação de Ciclovias. VII Congresso Luso Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável PLURIS 2016. Maceió, AL. Disponível em: https://fau.ufal.br/evento/pluris2016/files/Tema%203%20-%20Mobilidade%20e%20Transportes/Paper1133.pdf
HAMER, L.J.; ALMEIDA C.F.; ANDRADE, K. Contribuição para definição de diretrizes para Implantação de ciclovias com base na identificação do perfil do Usuário potencial de bicicletas: Um estudo no Corredor Universitário de Goiânia. XXIX Congresso de Pesquisa e Ensino de Transporte. Ouro Preto, MG, 2016b.
HAMER, L.J.; ALMEIDA C.F. Variáveis Psicológicas e o Nível de Serviço que Predizem a Mobilidade Urbana na Implantação de Ciclovias. VII Congresso Luso Brasileiro para o Planejamento Urbano, Regional, Integrado e Sustentável PLURIS 2016c. Maceió, CE.
HCM – Highway Capacity Manual. Transportation Research Board. Washington, D.C., EUA: National Research Council, 2000.
HEIMSTRA, N.W.; McFARLING L.H. Psicologia Ambiental. Tradução de Manoel Andrade Schmidt, São Paulo: EPU: Ed. da Universidade de São Paulo, SP. 1978.
HUNTER et. al. Bicycle-motor vehicle crash types: the early. Transportation Research Record 1502,1999 p. 68-74.
LANDIS et. al. Real time human perceptions: toward a bicycle level of service. Transportation Record. Washington D.C. January, 1997. DOI: 10.3141/1578-15
LEE, T. Psicologia e meio ambiente. Rio de Janeiro: Zahar. 1977.
LEWIN, K. Forças Ambientais no Comportamento e Desenvolvimento Infantil. In K.Lewin, Teoria dinâmica da personalidade (pp.71-115) Ed. Cutrix São Paulo, SP, Brasil, 1975.
LYNCH, K. A imagem da cidade. Editora Martins Fontes, Coleção Mundo da Arte, São Paulo, SP. 1997, 240 p.
KIRNER, J. Proposta de um método para a Definição de Rotas Cicláveis em Areas Urbanas, Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de São Carlos , São Carlos, SP, Brasil, 2006, 110f.
KOHLSDORF, M.E. A Apreensão da Forma da Cidade. Editora UnB, Brasília, DF. 1996. 240 p.MORVAL, J. Psicologia Ambiental. Coleção Epigénese, desenvolvimento e psicologia; Tradução de António Viegas. Instituto Piaget. Lisboa, Portugal, 2007. 138 p.
MOSER, G. Psicologia ambiental. Estudos de Psicologia, 3(1), 1998. p. 121-130. 
MONTEIRO, F.B.; CAMPOS, V. B. G. Métodos de Avaliação da Qualidade dos Espaços para Ciclistas. Anais do XXV Congresso da ANPET, Belo Horizonte, MG. v2, pp.1242-1253, 2011.
MORVAL, J. Psicologia Ambiental. Coleção Epigénese, desenvolvimento e psicologia; Tradução de António Viegas. Instituto Piaget. Lisboa, Portugal, 2007.
PAIVA, M. Fatores que Influenciam no Uso da Bicicleta de Forma Integrada com o Metrô. Tese de doutorado em Transportes, Publicação T. D – 002A/2013, Departamento de Engenharia Civil e Ambiental, UnB, Brasília, DF, 2013. 206 p.
PEZZUTO, C. C. Fatores que influenciam o uso da bicicleta. Dissertação de Mestrado em Engenharia Urbana – centro de Ciências Exatas, Universidade São Carlos , São Carlos, SP, 2002.
RAMOS, P.A.M. Projecto de Ciclovias. Dissertação de Mestrado, Escola de Engenharia Civil Departamento de Transportes, Universidade de Porto. Lisboa, Portugal, 2008.
SAATY, T.L. The Analytic Hierarqchy Process. Tradução e revisão por Wainer da Silveira e Silva, McGraw-Hill, Makron, São Paulo, SP, Brasil, 1991. pp. 278.
SAATY, T.L. Decision Making with Dependence and Feedback: The Analytic Network Process, RWS Publications, Pittsburgh, PA, USA. 2001.
SOARES, U.P. Procedimento para a Localização de Terminais Rodoviários Interurbanos, Interestaduais de Passageiros. Dissertação em Engenharia de Transporte . COOPPE/UFG, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 2006.
SOCKZA, L. Contextos Humanos e Psicologia Ambiental. Fundação Calouste Gulbenkian. Lisboa, Portugal, 2005.
SOMMER, R. Personal Space. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1969.
SORTON, A.; WALSH, T. Bicycle stress level as a tool to evaluate urban and suburban bicycle compatibility. Transportation Research Record, nº 1438, 1994. pp. 17-24.
STOKOLS, D. Bridging the theoretical and applied facets of Environmental Psychology. American Psychologist, Ed.51a, 1188- 1189. November, 1996. DOI: 10.1037/0003-066X.51.11.1188.
SUSTRANS. The national Cycle Network: Guide and Pratical Details issue 2, Bristol, UK, 1997. Disponível em/; <http: sustrans .org.uk/resoures/technical-guidelines>. Acesso em: 15 Julho 2016.
SUSTRANS. Design Manual Handbook for Cycle-friendly Design. Bristol, UK , 2014. Dispomível em: <http://www.sustrans.org.uk/sites/default/files/file_content_type/sustrans_handbook_for_cycle-friendly_design_11_04_14.pdf. Acesso em 19/03/2017.
TRB – TRANSPORTATION RESEARCH BOARD. Highway Capacity Manual. Washington, D.C., EUA: National Research Council. 2000.
TREVIZANO, W. A.; FREITAS, A. L. P. Emprego do Método de Análise Hierárquica (MAH) na seleção de processadores. In:XXV Encontro Nacional de Engenharia de Produção – Porto Alegre, RS, Brasil, 2005.
TUAN, Yi-F. Espaço e lugar: a perspectiva da experiência. São Paulo: Difel, 1983.
USA - UNITED STATES OF AMERICA. Departamento of Transportation. Federal Highway Administration. The ABC’ s of Bikeways. Washington, DC. 1979. Disponível em: <http:www.lume.ufrg.br/bitstream/handle/10183/28577/000769157.pdf?sequence=1>. Acesso em: 13/03/2017.
VILAÇA, L. B. Comportamento sócio-espacial de pessoas em movimento :um estudo exploratório no calçadão da Avenida Engenheiro Roberto Freire. 2008. 188 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia, Sociedade e Qualidade de Vida) - Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2008.

Downloads

Publicado

28-12-2020

Como Citar

Almeida, C. F., Hamer, L. ., & Lisboa, R. (2020). Desenvolvimento de Índice de Condição da Via (ICV) para Avaliação da Qualidade de Sistemas Cicloviário em Áreas Urbanas. Revista Jatobá, 2. Recuperado de https://revistas.ufg.br/revjat/article/view/66825

Edição

Seção

Artigos livres