Estudar, trabalhar ou alocar o tempo de outra maneira? Decisões dos jovens do sexo masculino no Brasil Metropolitano entre 2002 e 2015

Autores

  • Anne Caroline Costa Resende Universidade Federal de Minas Gerais
  • Mariangela Furlan Antigo Universidade Federal de Minas Gerais
  • Tomás de Faria Balbino Universidade Federal de Minas Gerais
  • Carolina Guinesi Mattos Borges Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.5216/reoeste.v4i1.55043

Resumo

Este artigo busca estudar as decisões dos jovens de 18 a 24 anos do sexo masculino entre estudar, pertencer à pea ou alocar o tempo de outra maneira. A análise compreende o período entre 2002 a 2015, baseada nos dados da Pesquisa Mensal de Emprego do IBGE, quando esta tem sua série encerrada. Aplicada a seis regiões metropolitanas do país, a saber, Recife, Salvador, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre, os resultados apontam taxas de desocupação e de inatividade mais expressivas para jovens residentes nas regiões metropolitanas de Recife e de Salvador enquanto Porto Alegre figura com as menores taxas. Diferenças ainda mais evidentes ao se considerar a escolaridade dos jovens, com destaque para o grupo de 8 a 10 anos de estudo, no qual a taxa de inatividade da região metropolitana do Rio de Janeiro se destaca entre as mais altas. O emprego de matrizes de transição mostra um aumento na alocação do tempo em não estudar e não pertencer à população economicamente ativa (pea), com maior expressão para as regiões metropolitanas do Nordeste. Além disso, estimativas para cada região de um modelo logit multinomial, considerando a possibilidade de o jovem pertencer à pea e estar estudando, pertencer à pea e não estudar, não pertencer à pea e estudar e, ainda, não pertencer à pea e não estudar no período atual, mostram uma dependência temporal significativa da posição na qual ele se encontrava no ano anterior, evidenciando dificuldades para realizar transições, principalmente para aqueles que não se encontram na pea e não estudam. Jovens pretos e pardos, na condição de filhos, com menores níveis de escolaridade apresentam maior probabilidade de não pertencer à pea e não frequentar a escola. Fatores macroeconômicos contribuem para esse comportamento no período mais recente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-09-24

Como Citar

COSTA RESENDE, A. C.; FURLAN ANTIGO, M.; BALBINO, T. de F.; MATTOS BORGES, C. G. Estudar, trabalhar ou alocar o tempo de outra maneira? Decisões dos jovens do sexo masculino no Brasil Metropolitano entre 2002 e 2015. Revista de Economia do Centro-Oeste, Goiânia, v. 4, n. 1, p. 49–62, 2018. DOI: 10.5216/reoeste.v4i1.55043. Disponível em: https://revistas.ufg.br/reoeste/article/view/55043. Acesso em: 22 maio. 2024.

Edição

Seção

Artigos