Política Energética do II Plano Nacional de Desenvolvimento: teoria, resultados e reflexões

Resumo

O presente artigo tem por objetivo analisar, a partir de uma leitura de política industrial como estratégia de desenvolvimento, as perspectivas e os resultados da Política Energética do II Plano Nacional de Desenvolvimento, especificamente, avaliar se há evidências para afirmar que o plano transformou a estrutura energética do país. Do ponto de vista metodológico, procura-se primeiro discutir os fundamentos teóricos que norteiam a implementação desse tipo de política, e posteriormente, resgatar o quadro energético do período durante e após a implementação do plano, avaliando quais foram às respostas orientadas pelo Estado sobre a estrutura produtiva. Os resultados indicam mudança da estrutura energética, com queda da dependência em relação ao petróleo e aumento da participação das hidrelétricas na geração de energia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Victor Machado, UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS (UNICAMP)
Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (2016). Passagem pela Faculdade de Econômica da Universidade do Porto. Atualmente mestrando em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Campinas - UNICAMP (2017).

Referências

BATISTA, J. C. A. A estratégia de ajustamento externo do Segundo Plano Nacional de Desenvolvimento. Revista de Economia Política.São Paulo, v.7, n.2, 1987.

CARNEIRO, R. M.. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no ultimo quarto do século XX. São Paulo, SP; Campinas, SP: Editora UNESP: UNICAMP/IE, 2002.

CASTRO, A. B. A economia brasileira em marcha forçada. Coautoria de Francisco Eduardo Pires de Souza. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1985.

CHANG, H.-J. The Political Economy of Industrial Policy. London: Macmillan, 1994.

CIMOLI, M.; DOSI, G.; NELSON. R. R.; STIGLITZ J. Instituições e políticas moldando o desenvolvimento industrial: uma nota introdutória. Revista Brasileira de Inovação, Rio de Janeiro, vol. 6 (1), jan.-jun. 2007

GIAMBIAGI, Fabio et al. (Org.). Economia brasileira contemporânea: (1945-2010). 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier: Campus, 2011

IBGE. Estatísticas históricas do Brasil: séries econômicas, demográficas e sociais de 1550 a 1988. Disponível em < https://seculoxx.ibge.gov.br/economicas/tabelas-setoriais/energia.html>. Acesso em: 02 jan. 2018.

II PND. Segundo Plano Nacional de Desenvolvimento. Brasília. set. 1974.

LESSA, C. “Visão Crítica do II PND”. In: Revista Tibiriça nº 6, jan/mar, 1977.

________. Quinze Anos de Política Econômica. SP, Ed. Brasiliense, 1982

MALAN, P., BONELLI, R. Crescimento econômico, industrialização e balanço de pagamentos: o Brasil dos anos 1970 aos anos 1980. Rio de Janeiro: Ipea/Inpes, Nov. 1983. (Texto para discussão, n. 60).

RODRIK, D. Normalizing industrial policy. September 2007

SERRA, J. Ciclos e mudanças estruturais na economia brasileira do pós-guerra. In: BELLUZZO, L. G. M., COUTINHO, R.(Org). Desenvolvimento capitalista no Brasil: ensaios sobre a crise. São Paulo: Brasiliense, v.1., 1982.

SUZIGAN, W. Estado e Industrialização do Brasil. Revista de Economia Política, vol. 8, nº. 4, pp. 5-16 out-dez/1988.

____________. Elementos essenciais da política industrial. In: ALBUQUERQUE, E. Metamorfoses do capitalismo e processos de catch-up. Belo Horizonte: UFMG, 2017.

SUZIGAN, W. E FURTADO, J. Política Industrial e Desenvolvimento. Revista de Economia Política, vol. 26, nº. 2 (102), pp. 163-185 abril-junho/2006.

SUZIGAN, W.; VILLELA, A.V. Industrial Policy in Brazil. Campinas: Instituto de Economia/UNICAMP, 1997.

TAVARES, M. C., LESSA, C. Desenvolvimento industrial nos anos 1970: impasses e alternativas. Rio de Janeiro. IE/UFRJ, 1983.

Publicado
20-12-2018
Como Citar
Machado, J. (2018). Política Energética do II Plano Nacional de Desenvolvimento: teoria, resultados e reflexões. Revista De Economia Do Centro-Oeste, 4(2), 39-56. https://doi.org/10.5216/reoeste.v4i2.54335
Seção
Artigos