Uma Perspectiva Crítica do Novo Regime Fiscal para a Dinâmica de Curto e Longo Prazo da Economia brasileira

Autores

  • Hugo Carcanholo Iasco Pereira Doutorando em Economia do CEDEPLAR/UFMG
  • Tarik Tanure Doutorando em Economia do CEDEPLAR/UFMG
  • André Teixeira Doutorando em Economia do CEDEPLAR/UFMG
  • Fabricio José Missio Prof. do CEDEPLAR/UFMG

DOI:

https://doi.org/10.5216/reoeste.v3i1.46674

Resumo

O objetivo do trabalho é apresentar uma perspectiva crítica à ideologia do “não há alternativa” presente no Novo Regime Fiscal para a dinâmica de curto e longo prazo da economia brasileira. Para tanto, o trabalho inicialmente analisa a situação dos principais agregados macroeconômicos da economia brasileira no triênio 2014-2016, destacando a recessão e o problema fiscal. Em seguida, analisam-se criticamente dois elementos: o primeiro, mais associado ao longo prazo, refere-se a distribuição de recursos no orçamento e os impactos nos gastos em capital humano (educação e saúde) e, o segundo (curto prazo), refere-se ao argumento de Meirelles de que a política fiscal tornar-se-á anticíclica e que, além disto, promoverá o crescimento econômico. No primeiro caso, demonstra-se que os graus de liberdade para as realocações orçamentárias são mínimos e que o “teto dos gastos” na verdade pode acabar reduzindo drasticamente a oferta de serviços públicos, sobretudo em educação superior e no financiamento a atividades de inovação, o que significa a reafirmação da condição de subdesenvolvimento. No segundo caso, demonstra-se que a introdução de rigidez (inércia) na economia pode mitigar o mecanismo fiscal supostamente anticíclico, especialmente em um quadro recessivo. Por fim, apresenta-se uma perspectiva crítica do “modelo” econômico presente no diagnóstico que embasou o novo regime fiscal. A conclusão é de que as soluções propostas para resolver a crise fiscal e econômica são questionáveis e configuram uma aposta altamente arriscada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALBUQUERQUE, E. DA M. E. Sistema Nacional de Inovação no Brasil: Uma análise introdutória a partir de dados disponíveis sobre a ciência e tecnologia. Revista de Economia Política, v. 16, n. 3, p. 56–72, 1996.

BARRO, R. J.; XAVIER, S.-M. I. Economic Growth. 2º ed. Massachussets: MIT, 2003.

Austeridade e retrocesso - finanças públicas e política fiscal no Brasil. São Paulo: Fórum, 21; Fundação Friedrich Ebert Stiftung (FES); GT de Macro da Sociedade Brasileira de Economia Política (SEP); e Plataforma Política Social, setembro de 2016.

EMI nº00083/2016. Ministério da Fazenda. Ministério do Planejamento, Desenvolvimento e Gestão. Brasília, 15 de Julho de 2016.

BRASIL. Proposta de Emenda Constitucional nº 55, de 26 de outubro de 2016. Altera o Ato das Disposições Constitucionais Transitórias, para instituir o Novo Regime Fiscal. Brasília

BRESSER-PEREIRA, L.C. e Y. NAKANO (2002) “Uma Estratégia de desenvolvimento com Estabilidade”. Revista de Economia Política, 22 (3), julho 2002: 146-177. Disponível em: http://www.rep.org.br/pdf/87-10.pdf

BITTES TERRA, F. “Há tratamento além da camisa de força da PEC 241?” Jornal Valor Econômico. 20/10/2016.

DE NEGRI, F. SQUEFF, F. H. S. O Mapeamento da Infraestrutura Científica e Tecnológica no Brasil. In: Sistemas Setoriais de Inovação e Infraestrutura de Pesquisa no Brasil. IPEA, 2016.

FAGERBERG, J. Evolutionary Economics III Catching up and falling behind in economic development : Convergence or divergence ? The impact of technology on “ why growth rates differ ”*. Evolutionary Economics, p. 19–22, 1995.

FERREIRA, D. PALMA, A. A. Forecasting Inflation with the Phillips Curve: A Dynamic Model Averaging Approach for Brazil. Revista Brasileira de Economia, v. 69, n 4, 2015.

FURTADO, C. A Hegemonia dos Estados Unidos e o Subdesenvolvimento da América Latina. 1º. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MENEZES FILHO, N. “Governo deve desvincular gastos obrigatórios em educação e saúde? NÃO”. Jornal Folha de São Paulo. 11/06/2016 Disponível em: http://www1.folha.uol.com.br/opiniao/2016/06/1780648-governo-deve-desvincular-gastos-obrigatorios-em-educacao-e-saude-nao.shtml

MENDES, M. J. A PEC 241 e a Saúde. Portal Monitor da Saúde. Novembro de 2016. Disponível em: http:monitordesaude.blogspot.com.br/

MENDLOVITZ, M. Análise dos Efeitos da PEC nº241 sobre a Manutenção e Desenvolvimento do Ensino. Estudo Técnico. Câmara dos Deputados. Consultoria de Orçamento e Fiscalização Financeira. 11/2016

PIRES, M. C. C. (2016). Política econômica e estabilização: uma breve análise da recessão brasileira. Brazilian Keynesian Review, 2 (2), p.247-251.

ROMER, D. Advanced Macroeconomics. 4º Edição. McCGraw-Hill Irwin, 2012.

ROSSI, P.; MELLO, G. (2016). Componentes Macroeconômicos e Estruturais da Crise Brasileira: o Subdesenvolvimento. Brazilian Keynesian Review, 2 (2), p.252-263.

ROSTOW, W. W. The Stages of Economic Growth. The Economic History Review, v. 12, n. 1, p. 1–16, 1959.

SACHSIDA, A. RIBEIRO, M. SANTOS, C. F. Curva de Phillips e a Experiência Brasileira. Texto para discussão IPEA, nº1429, 2009.

SACHSIDA, A. Inflação, Desemprego e Choques Cambiais: Uma Revisão da Literatura sobre a Curva de Phillips no Brasil. Revista Brasileira de Economia. v. 67, nº4, 2013.

SOLOW, R. M. A Contribution to the Theory of Economic Growth. The Quarterly Journal of Economics, v. 70, n. 1, p. 65–94, 1956.

UNESCO. Relatório da UNESCO sobre Ciência 2010. O Atual status da ciência em torno do Mundo. Resumo Executivo. 2010.

VIEGAS ANDRADE, M. NORONHA, K. TURRA, C. M. A PEC dos gastos e o SUS. Revista Conjuntura Econômica. Volume 71 nº1. Janeiro de 2017.

Downloads

Publicado

2017-10-12

Como Citar

PEREIRA, H. C. I.; TANURE, T.; TEIXEIRA, A.; MISSIO, F. J. Uma Perspectiva Crítica do Novo Regime Fiscal para a Dinâmica de Curto e Longo Prazo da Economia brasileira. Revista de Economia do Centro-Oeste, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 51–69, 2017. DOI: 10.5216/reoeste.v3i1.46674. Disponível em: https://revistas.ufg.br/reoeste/article/view/46674. Acesso em: 15 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos