O diferencial de salários de setores selecionados da indústria brasileira na atração do investimento estrangeiro direto no Brasil entre 1996 a 2009

Autores

  • Giovani da Silva Oliveira Universidade Tecnológica Federal do Paraná http://orcid.org/0000-0002-4449-4765
  • Katy Maia Universidade Estadual de Londrina - UEL.
  • Aricieri Devidé Junior Universidade Estadual de Londrina - UEL

DOI:

https://doi.org/10.5216/reoeste.v3i1.44752

Resumo

Este estudo estima uma função de produção Cobb-Douglas utilizando a metodologia de dados em painel. O objetivo foi analisar o investimento estrangeiro direto (IED) na indústria da transformação no Brasil no período de1996 a2009, observando sua interação com a mão de obra empregada nos setores selecionados, bem como a influência da taxa Selic e a variação cambial. Os resultados sugerem que o fluxo de IED buscou aproveitar o diferencial de salários do trabalhador pouco qualificado e abundante no setor industrial, bem como a importância da política monetária na atração de IED no Brasil após o Plano Real.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giovani da Silva Oliveira, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade de Passo Fundo (UPF/RS, 2011). Mestrado em Economia Regional pela Universidade Estadual de Londrina (UEL/PR, 2013). Atualmente é professor colaborador do Curso de Engenharia de Produção na Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) e no Curso de Administração de Empresas do Centro Universitário Filadélfia (UNIFIL). Foi professor colaborador/assistente no Departamento de Economia da Universidade Estadual de Londrina (UEL) entre 2014 a 2016. Foi professor no Curso de Ciências Contábeis da Universidade Norte do Paraná (UNOPAR) entre 2013 a 2015. Possui experiência na área de Teoria Econômica.

Katy Maia, Universidade Estadual de Londrina - UEL.

Possui graduação em Economia pelo Fundação de Estudos Sociais do Paraná(1978), especialização em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná(1988), mestrado em Desenvolvimento Econômico pela Universidade Federal do Paraná(1994) e doutorado em Economia pela Universidade de Brasília(2001). Atualmente é Professor da Universidade Estadual de Londrina. Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Economia dos Recursos Humanos. Atuando principalmente nos seguintes temas:mudança tecnológica, qualificação da mão-de-obra, liberalização comercial, desemprego. (Texto gerado automaticamente pela aplicação CVLattes)

Aricieri Devidé Junior, Universidade Estadual de Londrina - UEL

Possui graduação em Ciências Econômicas pela Universidade Estadual de Londrina - UEL (2002), Mestrado em Economia de Empresa pela Universidade Católica de Brasília - UCB (2004) e Doutorado em Economia pela Universidade Federal do Ceará - UFC/CAEN (2010). Tem experiência na área de Economia, com ênfase em Microeconomia, Econometria e Economia do Trabalho, atuando principalmente nos seguintes temas: indicadores socioeconômicos, mercado de trabalho e criminalidade. Atualmente é professor adjunto do Departamento de Economia da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Referências

ARAÚJO, E.; BRUNO, M.; PIMENTEL, D. Regime cambial e mudança estrutural na indústria de transformação brasileira: evidências para o período (1994-2008). Revista de Economia Política, São Paulo, v. 32, n. 3, p. 424-444, jul./set. 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/rep/v32n3/05.pdf>. Acesso em: 5 maio 2015.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Censo de capitais estrangeiros no país: resultados para 2010 e 2011. Brasília, 2012. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/Rex/CensoCE/port/ Censo%20de%20Capitais%20Estrangeiros%20-%20resultados%202011-2012.pdf>. Acesso em: 1 jun. 2015.

______. Séries temporais: tabelas especiais. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/? INVED>. Acesso em: 12 abr. 2015.

BLOMSTROM, M.; KOKKO, A. The economics of foreign direct investment incentivs. National Bureau of Economic Research, Cambridge, v. 9489, 2003. Disponível em: <http://www.nber.org/papers/w9489>. Acesso em: 1 abr. 2015.

BRASIL. Ministério do Trabalho e Emprego. Relação anual de informações sociais: RAIS. Brasília, 2012. Disponível em: <http://portal.mte.gov.br/portal-pdet/>. Acesso em: 25 abr. 2015.

BRESSER-PEREIRA, L. C.; MARCONI, N. Existe doença holandesa no Brasil? 2008. Disponível em: <http://www.bresserpereira.org.br/papers/2008/08.14.Existe.doen%C3%A7a. holandesa.comNelson.Marconi.5.4.08.pdf>. Acesso em: 5 maio 2015.

CARNEIRO, R. Desenvolvimento em crise: a economia brasileira no último quarto do século XX. São Paulo: Ed. da Unicamp, 2002.

FRANCO, G. H. B. Investimento estrangeiro direto (IED) no Brasil 1995-2004: “passivo externo” ou “ativo estratégico”? 2005. Disponível em: <http://www.econ.puc-rio.br/gfranco/CIDEC_IDE%20no%20Brasil.PDF>. Acesso em: 22 fev. 2015.

______. O Brasil e a globalização na primeira década após o Plano Real: os censos de capital estrangeiro no Brasil, 1995, 2000 e 2005. In: SEMINÁRIO NOVOS DILEMAS DE POLÍTICA ECONÔMICA, 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Instituto de Política Econômica, 2010. Disponível em: <http://www.economia.puc-rio.br/gfranco/ Terceiro%20censo_artigo%20livro %20DDC_final%5B1%5D.pdf>. Acesso em: 24 abr. 2015.

GONÇALVES, J. E. P. Empresas estrangeiras e transbordamentos de produtividade na indústria brasileira: 1997 a 2000. 2005. 108 f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

IBGE. Pesquisa Industrial Anual – PIA Empresa. Rio de Janeiro, 2012.

______. Classificação Nacional de Atividade Econômica: CNAE 2.0. Rio de Janeiro, 2007. CD-ROM.

INSTITUTO DE ESTUDOS PARA DO DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - IEDI. Investimento estrangeiro direto no Brasil: um panorama. 2006. Disponível em: <http://www.iedi.org.br/admin_ori/pdf/20060804_ide.pdf>. Acesso em: 22 fev. 2015.

INSTITUTO DE PESQUISA ECONÔMICA APLICADA – IPEA. Inserção internacional brasileira: temas de economia internacional/IPEA. Brasília, 2010.

______. Taxa de câmbio comercial para venda: real (R$) / dólar americano (US$) - fim período. 2013. Disponível em: <http://www.ipeadata.gov.br/>. Acesso em: 22 maio 2015.

JORGE, M. F. Investimento estrangeiro direto e inovação: um estudo sobre ramos selecionados da indústria brasileira. 2007. 86 f. Dissertação (Mestrado em Economia) - Faculdade de Ciências Econômicas da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

KRUGMAN, P. R.; OBSTFELD, M. Economia internacional: teoria e política. 8. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

LAPLANE, M.; SARTI, F. Investimento estrangeiro direto e o impacto na balança comercial nos anos 90. Texto para Discussão, Rio de Janeiro, n. 629, 1999. Disponível em: <http://www.ipea.gov.br/pub/td/tda1999a.html>. Acesso em: 22 fev. 2015.

MARKUSEN, J. R.; MASKUS, K. E. Multinational firms: reconciling theory and evidence. In: BLOMSTROM, M.; GOLDBERG, L. S. (Ed.). Topics in empirical international economics: a festschirift in horor of robert e. lipsey. Chicago: Universit of Chicago Press, 2001. p. 71-98. Disponível em: . Acesso em: 22 fev. 2015.

NOORBAKHSH, F.; PALONI, A.; YOUSSEF, A. Human capital and FDI inflows to developing countries: new empirical evidence. World Development, Oxford, v. 29, n. 9, p. 1593-1610, set. 2001. Disponível em: <http://www.sciencedirect.com/science/ article/pii /S0305750X01000547>. Acesso em: 22 fev. 2015.

OLIVEIRA, G. S.; MAIA, K.; DEVIDÉ JÚNIOR, A. Sectoral analysis of foreign direct investment and growth in Brazil from 1996 to 2009. In: DANG, H. et al. (Org.). Transnational corporations and development in Brazil: challenges and opportunities. Maringá: TNC, 2014. v. 4, p. 159-174.

RIBEIRO, M. S. Investimento estrangeiro direto e remessas de lucros e dividendos no Brasil: estratégias microeconômicas e determinantes macroeconômicos (2001 – 2004). 2006. 155 f. Tese (Doutorado em Economia) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006. Disponível em: <https://www.cedeplar.ufmg.br/economia/teses/2006/ Mauro_Sudano_Ribeiro.pdf >. Acesso em: 6 fev. 2015.

SIMONSEN, M. H.; CYSNE, R. P. Macroeconomia. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2007.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT – UNCTAD. Investimentos estrangeiros diretos. 2013. Disponível em: . Acesso em: 12 fev. 2015.

VU, B.; NOY, I. Sectoral analysis of foreign direct iinvestment and growth in the developed countries. Journal of International Financial Markets, Oxford, v. 19, n. 2, p. 402-413, abr. 2009. Disponível em: <http://ideas.repec.org/a/eee/intfin/v19y2009i2p402-413.html>. Acesso em: 22 fev. 2015.

WORD BANK. Word debt tables: external finance for developing countries. Washington, 1996. v. 1 (Analysis and Summary Tables). Disponível em: <http://www.worldbank.org/reference/>. Acesso em: 12 jun. 2015.

Downloads

Publicado

2017-10-12

Como Citar

OLIVEIRA, G. da S.; MAIA, K.; DEVIDÉ JUNIOR, A. O diferencial de salários de setores selecionados da indústria brasileira na atração do investimento estrangeiro direto no Brasil entre 1996 a 2009. Revista de Economia do Centro-Oeste, Goiânia, v. 3, n. 1, p. 18–35, 2017. DOI: 10.5216/reoeste.v3i1.44752. Disponível em: https://revistas.ufg.br/reoeste/article/view/44752. Acesso em: 20 jul. 2024.

Edição

Seção

Artigos