Encantarias brasileiras. A emergência de religiosidades híbridas Afro-Ameríndias: o caso do mestre Irineu Serra – DAIME

Autores

  • Leandro Mendes Rocha
  • Marcelo Henrique Ribeiro Borges

DOI:

https://doi.org/10.5216/racs.v3i1.55385

Palavras-chave:

Encantarias, Religiosidades híbridas, Religiosidade afro-ameríndias, Identidades

Resumo

Este artigo aborda as tramas da emergência de religiosidade híbridas de
matrizes afro-ameríndias centradas no uso ritualístico da ayahuasca a
partir do estudo do caso do Daime, religiosidade cuja linhagem foi fundada
pelo maranhense Raimundo Irineu Serra, em Rio Branco, Acre, durante o
chamado ciclo da Borracha. Trata-se do estudo de religiosidades híbridas
frutos de processos identitários diaspóricos em espaços transnacionais
das fronteiras amazônicas, marcados por tradições dos encantados, num
universo onde há a ausência da separação entre o mundo e o sagrado, em
que se mesclaram o xamanismo e a pajelança ameríndia-cabocla com
as matrizes africanas formando novas religiosidades, embora também
fortemente influenciadas pelo discurso hegemônico cristão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-10-11

Como Citar

ROCHA, L. M.; BORGES, M. H. R. Encantarias brasileiras. A emergência de religiosidades híbridas Afro-Ameríndias: o caso do mestre Irineu Serra – DAIME. Articulando e Construindo Saberes, Goiânia, v. 3, n. 1, 2018. DOI: 10.5216/racs.v3i1.55385. Disponível em: https://revistas.ufg.br/racs/article/view/55385. Acesso em: 5 out. 2022.