Do fundamento moral à forma da normatividade

meu caminho ao naturalismo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v28i1.76092

Palavras-chave:

normatividade, naturalismo moral, estrutura do querer moral, reciprocidade, simetria, ciência moral.

Resumo

O texto articula o itinerário da investigação do autor a partir da pergunta pelo fundamento da moral até a emergência de uma concepção naturalista própria. Entre um ponto e outro, mostra as dificuldades para articular ação, valor e dever —a normatividade— sob um ponto de vista imanente. O eixo em torno do qual os elementos básicos da moralidade estão ligados no diapasão naturalista é a descrição da estrutura da normatividade com base nos quereres recíprocos e reflexivos. A normatividade, segundo essa descrição, seria o resultado de quereres que se constrangem mutuamente enquanto almejam que os demais quereres concernidos queiram o que eles querem, num movimento que também constrange a si mesmos, por isso, reflexivo. O texto termina com o elenco de duas hipóteses de trabalho cuja confirmação completam a concepção naturalista e a qualifica para franquear o diálogo entre ciências e moral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

28-06-2023

Como Citar

NAVES DE BRITO, A. Do fundamento moral à forma da normatividade: meu caminho ao naturalismo. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 28, n. 1, 2023. DOI: 10.5216/phi.v28i1.76092. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/76092. Acesso em: 23 jul. 2024.