Descartes: a dúvida e suas dívidas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v28i1.76066

Palavras-chave:

Santo Agostinho, Teresa D’Ávila, Descartes.

Resumo

O artigo discute passagens importantes da obra de Santo Agostinho e argumenta que muitas são as antecipações de teses comumente atribuídas a Descartes.  Entre elas, uma clara antecipação à célebre fórmula “penso, logo existo” na obra do Bispo de Hipona, assim como de outras teses importantes distribuídas ao longo de sua obra.  Na segunda parte, culmina o texto com outro dado praticamente desconhecido: o fato de que o estilo meditativo empregado por Descartes também já fora antecipado por uma autora cuja obra era amplamente conhecida na Europa da metade do século XVI e do século XVII. Trata-se da freira Teresa D’Ávila que fora canonizada quando o jovem Descartes estudava com os jesuítas em La Flèche. Levanta-se, assim, a necessidade de repensarmos a historiografia acadêmica à que a maioria de nós fomos submetidos quando iniciamos os estudos filosóficos sem termos sido expostos às verdadeiras fontes das teses centrais que encontramos em muitas obras clássicas do pensamento filosófico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

28-06-2023

Como Citar

ARMIJOS PALACIOS, J. G. Descartes: a dúvida e suas dívidas. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 28, n. 1, 2023. DOI: 10.5216/phi.v28i1.76066. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/76066. Acesso em: 16 jul. 2024.