Consciência e discernimento sensíveis: o sentido comum em Tomás de Aquino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v27i1.71977

Palavras-chave:

Tomás de Aquino; sensação; sentido comum; consciência

Resumo

Além dos cinco sentidos externos tradicionais, Tomás de Aquino cataloga como potências sensíveis uma variedade de sentidos internos. Dentre os sentidos internos, o sentido comum apresenta um interesse especial, na medida em que sua operação parece ser indissociável do sentir em geral. As operações típicas do sentido comum são perceber que se sente e discriminar objetos sensíveis de sentidos externos diferentes. Em virtude dessas duas operações, ele é fonte de consciência sensível e integra numa mesma unidade as informações advindas de sentidos externos irredutivelmente distintos. Ao longo deste artigo, justificaremos a introdução do sentido comum como potência sensível distinta dos sentidos externos, explicando porque o primeiro é uma condição de possibilidade dos últimos.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-09-14

Como Citar

KLEMZ GUERRERO, M. Consciência e discernimento sensíveis: o sentido comum em Tomás de Aquino. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 27, n. 1, 2022. DOI: 10.5216/phi.v27i1.71977. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/71977. Acesso em: 3 fev. 2023.