Dois discursos sobre a Natureza

Dos contrassensos naturalistas à “geologia fenomenológica” de Husserl

Autores

  • Carlos Diógenes Côrtes Tourinho Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, Rio de Janeiro, Brasil, cdctourinho@yahoo.com.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v26i2.68834

Resumo

O presente artigo trata de dois discursos sobre a Natureza. No primeiro deles, aborda a doutrina do Naturalismo, segundo a qual pensar a Natureza consiste em pensá-la como um todo unitário e indivisível do qual fazem parte a matéria orgânica e inorgânica. Em relação de continuidade com as demais espécies, o homem seria um organismo biológico, cujas funções psíquicas seriam meramente funções do sistema nervoso central. O artigo mostra que tal doutrina incorre em problemas de fundamentos. Já o segundo discurso nos remete para uma “geologia fenomenológica”, na qual Husserl pensa a Terra não meramente como um planeta a girar em torno do Sol, mas como uma “Terra-solo” na qual os corpos se distribuem em um sistema aberto de possibilidades. Se o discurso naturalista se “fecha” em torno da naturalização da consciência, a geologia husserliana nos fala da “abertura” desse solo originário a todos os seres, dentre os quais o próprio homem que, neste solo, constitui para si suas metas e aspirações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Diógenes Côrtes Tourinho, Universidade Federal Fluminense (UFF), Niterói, Rio de Janeiro, Brasil, cdctourinho@yahoo.com.br

Doutor em Filosofia pela PUC-RIO. Professor de Filosofia da Faculdade de Educação e do Programa de Pós-graduação em Filosofia da Universidade Federal Fluminense-UFF. Coordenador do GT de Fenomenologia e membro do GT de Filosofia Francesa Contemporânea da ANPOF.

Downloads

Publicado

2022-06-27

Como Citar

TOURINHO, C. D. C. Dois discursos sobre a Natureza: Dos contrassensos naturalistas à “geologia fenomenológica” de Husserl. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 26, n. 2, 2022. DOI: 10.5216/phi.v26i2.68834. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/68834. Acesso em: 6 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Artigos Originais