O visível e o invisível: vida e morte na fenomenologia de Michel Henry

Autores

  • Reinaldo Furlan Universidade de São Paulo (USP), Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil, reinaldof@ffclrp.usp.br

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v26i2.68722

Resumo

O objetivo deste artigo é mostrar a relevância do pensamento de Michel Henry para uma reflexão sobre o sentido fenomenológico da vida. Uma reflexão que colocará em questão a história da filosofia e a fenomenologia histórica, e que implicará a própria história da sociedade ocidental moderna e contemporânea. Nossa apresentação da filosofia de Michel Henry se divide em cinco seções: a questão da prerrogativa do sentido grego de fenômeno e verdade na história da filosofia; o conceito de “carne” para a definição da vida; a ilusão transcendental da vida por meio do ego; a abstração da vida ou desvitalização do mundo, decorrente desta ilusão; e, por fim, o diagnóstico de decadência da vida na sociedade ocidental moderna, fruto desse processo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2022-06-27

Como Citar

FURLAN, R. O visível e o invisível: vida e morte na fenomenologia de Michel Henry. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 26, n. 2, 2022. DOI: 10.5216/phi.v26i2.68722. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/68722. Acesso em: 28 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê de Artigos Originais