Arqueologia do officium: eichmann, o funcionário e a banalidade da catástrofe: intersecções de G. Agamben e H. Arendt

Autores

  • Castor Mari Martín Bartolomé Ruiz Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Centro de Ciências Humanas, Área de Conhecimento e Aplicação de Filosofia, São Leopoldo, Rio Grande dos Sul, Brasil, castorbartolome@terra.com.br https://orcid.org/0000-0002-6826-1560

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v23i1.49991

Palavras-chave:

Arqueologia do ofício, Subjetivação do funcionário, Eichmann, G. Agamben

Resumo

Este ensaio desenvolve um estudo, a partir da obra de G. Agamben, sobre a arqueologia do ofício e as implicações ético-políticas do modo de subjetivação do funcionário. O funcionário age a partir do dever de oficio, separando, nessa ação, a responsabilidade pessoal da eficiência da ação. Ao agir como funcionário não atua em nome próprio, mas age em nome de outro, para o qual se transfere toda responsabilidade ética da ação funcional. Eichmann apresenta-se como o modelo de funcionário que cumpriu o dever de sua função, independentemente de suas convicções pessoais a respeito da catástrofe humana que provocou. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Castor Mari Martín Bartolomé Ruiz, Universidade do Vale do Rio dos Sinos, Centro de Ciências Humanas, Área de Conhecimento e Aplicação de Filosofia, São Leopoldo, Rio Grande dos Sul, Brasil, castorbartolome@terra.com.br

Downloads

Publicado

07-08-2018

Como Citar

MARI MARTÍN BARTOLOMÉ RUIZ, C. Arqueologia do officium: eichmann, o funcionário e a banalidade da catástrofe: intersecções de G. Agamben e H. Arendt. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 23, n. 1, p. 197–242, 2018. DOI: 10.5216/phi.v23i1.49991. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/49991. Acesso em: 26 maio. 2024.

Edição

Seção

Dossiê de Artigos Originais