A SUPOSTA INDEXICALIDADE DOS DESIGNADORES DE ESPÉCIES NATURAIS SEGUNDO BURGE

Autores

  • César Schirmer dos Santos Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.5216/phi.v12i2.4195

Palavras-chave:

externismo, significado, referência, indexicalidade

Resumo

Nos anos 1970s, Hilary Putnam defendeu a tese que designadores de espécies naturais, como “água”, “tigre” e “ouro”, são termos indexicais que mudam de significado a cada contexto. No entanto, Tyler Burge rejeitou essa tese, e Putnam veio a adotar a posição de Burge. A rejeição de Burge está apoiada na distinção entre crenças de dicto e crenças de re. Nesse artigo veremos os pontos de contato entre as posições de Putnam e Burge, a posição de Putnam nos anos 1970s, os principais argumentos de Burge contra a tese da indexicalidade dos designadores de espécies naturais e a diferença entre crenças de dicto e crenças de re.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

César Schirmer dos Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Mestre em Filosofia, professor do Departamento de Filosofia da UFRGS, doutorando do Programa de Pós-Graduação da UFRGS.

Downloads

Publicado

20-02-2009

Como Citar

DOS SANTOS, C. S. A SUPOSTA INDEXICALIDADE DOS DESIGNADORES DE ESPÉCIES NATURAIS SEGUNDO BURGE. Philósophos - Revista de Filosofia, Goiânia, v. 12, n. 2, 2009. DOI: 10.5216/phi.v12i2.4195. Disponível em: https://revistas.ufg.br/philosophos/article/view/4195. Acesso em: 23 maio. 2024.