ESTRATIFICAÇÃO AMBIENTAL PARA AVALIAÇÃO E RECOMENDAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO NO ESTADO DE GOIÁS

Autores

  • Cristiane Rachel de Paiva Felipe Uni-ANHANGÜERA
  • João Batista Duarte Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos - UFG
  • Luciene Fróes Camarano Uni-ANHANGUERA

Palavras-chave:

Análise AMMI, genótipos vencedores, interação GxA, adaptabilidade, zoneamento

Resumo

O objetivo deste estudo foi identificar estratos ambientais para a recomendação de variedades de milho e locais-chave para a condução de ensaios deste tipo, em Goiás. Foram avaliados 47 ensaios, em quatro safras (2002/2003, 2003/2004, 2004/2005 e 2005/2006) do programa de avaliação de variedades de milho da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Abastecimento do Estado de Goiás (Seagro-GO). A estratificação ambiental foi implementada por meio da abordagem AMMI de genótipos vencedores, que permite, pelo estudo da interação de genótipos com ambientes (GxA), tanto a identificação dos genótipos mais adaptados a cada ambiente quanto a formação de grupos de ambientes similares. Foram estabelecidos dois estratos ambientais, que se mostraram consistentes ao longo das safras agrícolas avaliadas, com destaque para os agrupamentos de Ipameri, Inhumas e Senador Canêdo, estáveis ao longo de quatro anos, e Porangatu e Orizona, estáveis por três anos. Com a estratificação obtida, é possível redução de, pelo menos, 16% dos locais de teste atualmente utilizados e/ou sua substituição por outros locais, buscando-se aumentar a eficiência da avaliação varietal na região. A variedade ALBandeirante apresentou alto potencial produtivo e grande adaptabilidade às condições de cultivo do milho em Goiás.

PALAVRAS-CHAVE: Análise AMMI; genótipos vencedores; interação GxA; adaptabilidade; zoneamento.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cristiane Rachel de Paiva Felipe, Uni-ANHANGÜERA

Cristiane Rachel de Paiva Felipe é graduada em Agronomia pela Fundação de Ensino Superior de Itumbiara (1991), Mestre em Ciências Agrárias pela Universidade de Brasília (2003) e Doutora em Agronomia na Universidade Federal de Goiás. Foi extensionista rural da Emater-GO de 1993 à 1999 e pesquisadora da Agência Goiana de Desenvolvimento Rural e Fundiário até 2008. Atualmente é pesquisadora da Secretaria de Agricultura Pecuária e Abastecimento e Diretora do Núcleo de Pós-Graduação do Centro Universitário de Goiás Uni-ANHANGUERA, onde também ministra aulas de estatística experimental e metodologia científica. Tem experiência na área de probabilidade e estatística, com ênfase em análise de dados, atuando principalmente nos seguintes temas: planejamento experimental e análise de dados, análise AMMI, interação de genótipos com ambientes e avaliação de experimentos em redes.

João Batista Duarte, Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos - UFG

É graduado em Engenharia Agronômica, pela Universidade Federal de Goiás - UFG (1984), com mestrado em Genética e Melhoramento de Plantas (UFG, 1988) e doutorado em Agronomia, área de Genética e Melhoramento de Plantas, pela Universidade de São Paulo (ESALQ / USP, 2000). Possui especialização em Metodologia do Ensino Superior (UFV - ABEAS, 1994) e em Estatística (UFG, 1997). Desde 1994, é professor efetivo da UFG / Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos, sendo atualmente Prof. Associado, nível I. Tem experiência na área de Agronomia, com ênfase em Melhoramento de Plantas e Estatística Experimental e, mais especificamente, nos temas: interação de genótipos com ambientes, adaptabilidade e estabilidade fenotípica, planejamento de experimentos, análise de dados, modelos lineares e metodologia científica. Foi editor-chefe do periódico científico Pesquisa Agropecuária Tropical, entre 2001 e 2008.

Downloads

Publicado

30-06-2010

Como Citar

FELIPE, C. R. de P.; DUARTE, J. B.; CAMARANO, L. F. ESTRATIFICAÇÃO AMBIENTAL PARA AVALIAÇÃO E RECOMENDAÇÃO DE VARIEDADES DE MILHO NO ESTADO DE GOIÁS. Pesquisa Agropecuária Tropical, Goiânia, v. 40, n. 2, p. 186–199, 2010. Disponível em: https://revistas.ufg.br/pat/article/view/6158. Acesso em: 21 fev. 2024.

Edição

Seção

Genética e Melhoramento de Plantas