Um drink de tradição e novidade: considerações sobre Rilke Shake, de Angélica Freitas

Autores

  • João Paulo Vieira Escute UNESP/São José do Rio Preto
  • Diana Junkes Bueno Martha UNESP, Campus São José do Rio Preto

DOI:

https://doi.org/10.5216/sig.v25i1.23120

Palavras-chave:

Palavras-chave, Tradição, Contemporaneidade, Angélica Freitas, Rilke Shake, Poesia Brasileira.

Resumo

Resumo: Angélica Freitas é uma das poetas mais produtivas de sua geração e tem se afirmado como uma das vozes mais interessantes da poesia brasileira contemporânea. Na esteira de uma tradição da modernidade em que a invenção e o cânone se amalgamam, os poemas de Angélica destacam-se pela dicção coloquial, marcando o ingresso do cotidiano nos textos. Este artigo discute aspectos da obra da poeta gaúcha, mais especificamente, alguns poemas do livro Rilke Shake em que é patente o diálogo com o cânone, estabelecido a partir de um tratamento que oscila entre o riso e a ironia.

Palavras-chave: Tradição; Contemporaneidade; Angélica Freitas; Rilke Shake; Poesia Brasileira.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

João Paulo Vieira Escute, UNESP/São José do Rio Preto

Gruduando na UNESP

Diana Junkes Bueno Martha, UNESP, Campus São José do Rio Preto

Possui mestrado (2004) e doutorado (2008) em Estudos Literários pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Araraquara). Visiting Scholar da University of Illinois at Urbana-Champaign (EUA -2010). Possui pós-doutorado na área de Análise do Discurso e Psicanálise pela Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FFCLRP-USP) (2011). Visiting Fellow da Universidade de Yale (EUA-2012), onde desenvolveu pesquisas específicas sobre Haroldo de Campos e poesia brasileira. É professora de Literatura Brasileira da Universidade Estadual Julio de Mesquita Filho - UNESP/ IBILCE, Campus de São José do Rio Preto, da graduação e da pós-graduação, onde também atua como pesquisadora e líder do Grupo de Estudos de Poesia e Cultura (GEPOC/ CNPq). Sua principal linha de pesquisa desenvolve-se na área de Letras, com ênfase em estudos de Literatura e Cultura Brasileiras, a partir de interfaces teóricas entre a teoria da literatura, teorias do discurso e a psicanálise. Atua, principalmente, nos seguintes temas: poesia brasileira contemporânea; Haroldo de Campos; cultura e literatura brasileiras na contemporaneidade; análise do discurso literário; influência, tradição, novidade, subjetividade. Pesquisadora do grupo CASA (UNESP/Araraquara/ CNPq) e do grupo AD-Interfaces (USP-RP/ CNPq). Coordenadora do GT Teoria do Texto Poético da ANPOLL.

Downloads

Publicado

2013-10-14

Como Citar

ESCUTE, J. P. V.; MARTHA, D. J. B. Um drink de tradição e novidade: considerações sobre Rilke Shake, de Angélica Freitas. Signótica, Goiânia, v. 25, n. 1, p. 51–67, 2013. DOI: 10.5216/sig.v25i1.23120. Disponível em: https://revistas.ufg.br/sig/article/view/23120. Acesso em: 8 ago. 2022.

Edição

Seção

Seção Temática