DANÇA CONTEMPORÂNEA: PERCEPÇÃO, CONTRADIÇÃO E APROXIMAÇÃO

  • Paulo Henrique Alves de Souza Centro de Educação Profissional em Artes Basileu França
Palavras-chave: Estéticas, Compreensão, Dança Contemporânea.

Resumo

O presente artigo tem como objetivo evidenciar qual a compreensão acerca da Dança Contemporânea que pessoas que estão envolvidas em processo de formação na área das Artes possuem. Ele apresenta uma análise a partir de uma investigação de campo, descritiva e de cunho qualitativo. Os sujeitos pesquisados foram alunos de um curso técnico em Dança Contemporânea da cidade de Goiânia. Ainda que as discussões acerca do que seja um movimento contemporâneo de dança sejam bastante amplas, tentamos a partir da análise de uma realidade, desvelar quais seriam os aspectos e características que pessoas envolvidas no processo de formação artística possuem a respeito de tal manifestação de dança. Alguns aspectos que foram encontrados se referem à multiplicidade, liberdade de criação, improvisação, pesquisa de movimento, compreensão crítica da realidade e rompimento com padrões estéticos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Henrique Alves de Souza, Centro de Educação Profissional em Artes Basileu França
Possui graduação em Educação Física pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2010) e é Técnico em Dança Contemporânea - Bailarino Contemporâneo pelo Centro de Educação Profissional em Artes Basileu França (2012). É Especialista em Pedagogias da Dança pela Pontifícia Universidade Católica de Goiás (2012) e Pós-Graduando em Docência do Ensino Superior pela Faculdade Brasileira de Educação e Cultura. Tem experiência na área de Educação Física, com ênfase em Saúde da Família, Anatomia Humana, Ginástica Artística e Fisiologia do Exercício, além de atuar como bailarino profissional e ministrar aulas para curso de formação técnica em Dança Contemporânea e Ballet Clássico.
Publicado
20-12-2013
Como Citar
Alves de Souza, P. H. (2013). DANÇA CONTEMPORÂNEA: PERCEPÇÃO, CONTRADIÇÃO E APROXIMAÇÃO. Pensar a Prática, 16(4). https://doi.org/10.5216/rpp.v16i4.20245
Seção
Artigos Originais