O RIO LONGÁ E O POVOAMENTO DO NORTE DO PIAUÍ

Autores

  • José Luís Lopes Araújo UFPi
  • Acciolly Rodrigues Pinto de Sousa UFPi

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v14i2.9557

Resumo

A bacia do rio Longá representou importante fator de povoamento do norte do Piauí, em face dos recursos ambientais que apresenta, tanto em relação à disponibilidade de águas subterrâneas e superficiais, como na biodiversidade caracterizada por rica flora e fauna onde se destacam espécies vegetais que facilitaram a instalação dos primeiros habitantes, ao fornecerem frutos para alimentação humana e animal, e ainda madeira e palha para a construção de habitações e confecção de bens utilitários, a exemplo do tucum, babaçu e carnaúba. Ressalte-se que a cera de carnaúba ainda continua a ser um dos principais produtos da pauta de exportação do Piauí nesta primeira década do século XXI. Além das tradicionais atividades econômicas presentes na bacia do Longá desde os primórdios da colonização, neste início de século já se observa a utilização de técnicas modernas de produção como o uso da irrigação, o que reforça a importância dos recursos hídricos ali presentes, especialmente o rio principal, que é o Longá. Assim esse estudo desenvolveu-se com o objetivo caracterizar os aspectos naturais, conhecer o processo de povoamento, identificar as atividades econômicas mais expressivas desenvolvidas na área dessa bacia, e caracterizar a atividade turística mais preponderante. A metodologia na consulta a material bibliográfico referente ao tema, como livros, artigos, monografias, e consultas na internet e observação in loco. Pode-se concluir que a bacia requer atenção dos gestores públicos e das comunidades que a habitam, pois ações preventivas precisam ser tomadas no sentido de conservar esse rico patrimônio do Piauí.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Luís Lopes Araújo, UFPi


Downloads

Publicado

2010-08-10

Como Citar

ARAÚJO, J. L. L.; SOUSA, A. R. P. de. O RIO LONGÁ E O POVOAMENTO DO NORTE DO PIAUÍ. História Revista, Goiânia, v. 14, n. 2, 2010. DOI: 10.5216/hr.v14i2.9557. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/9557. Acesso em: 24 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê