IDENTIDADE, ETNICIDADE, GLOBALIZAÇÃO E POPULAÇÕES INDÍGENAS EM FRONTEIRAS: A PRESENÇA KAMBA EM CORUMBÁ (MS) (1945-1987)

Autores

  • Giovani José da Silva Doutorando do programa de Pós-Graduação em História da UFG.

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v10i2.9160

Resumo

Este artigo tem como objeto de estudo as relações entre identidade, etnicidade e globalização na América Latina. Tomando como ponto de partida da reflexão a presença de populações indígenas em fronteiras, verifica-se que os processos socioeconômicos, políticos e culturais que se intensificaram nas últimas décadas do século XX, designados em conjunto por globalização, são altamente complexos e provocam fortes impactos nas práticas culturais e nas identidades de diversos grupos, desenvolvendo situações contraditórias, heterogêneas e fragmentadas. Particularmente, analisa-se, ainda em caráter preliminar, a trajetória histórica dos indígenas Kamba, na fronteira Brasil-Bolívia. Em um diálogo entre a História e a Antropologia, considera-se o desenvolvimento histórico das identidades assumidas pelos Kamba a partir de suas particularidades, em uma perspectiva situacional.

Palavras-chave: Identidade, etnicidade, globalização, América Latina, Kamba

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2010-03-23

Como Citar

SILVA, G. J. da. IDENTIDADE, ETNICIDADE, GLOBALIZAÇÃO E POPULAÇÕES INDÍGENAS EM FRONTEIRAS: A PRESENÇA KAMBA EM CORUMBÁ (MS) (1945-1987). História Revista, Goiânia, v. 10, n. 2, 2010. DOI: 10.5216/hr.v10i2.9160. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/9160. Acesso em: 26 set. 2022.

Edição

Seção

Dossiê