Corpos e mentes sob controle

institucionalização da medicina e da psiquiatria em São Paulo, trajetória e propostas de Pacheco e Silva

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v28i1.75281

Palavras-chave:

Antonio Carlos Pacheco e Silva, Higiene mental, Eugenia

Resumo

Desde finais do século XIX que a expansão urbano-industrial de São Paulo esteve vinculada a preceitos de busca pela modernização. Nesse contexto, foram implementadas políticas públicas de controle dos espaços e dos corpos norteadas por preceitos higiênico-sanitaristas, ampliando a influência dos saberes médicos. Este artigo observa aspectos da institucionalização da medicina e da psiquiatria na cidade, priorizando a trajetória, produção e atuação política do médico psiquiatra Antonio Carlos Pacheco e Silva, observando suas propostas, em particular, a plataforma eugenista, bem como suas ações na Liga Paulista de Higiene Mental e a fundação e gestão do Sanatório Pinel/SP. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Bruna dos Santos Beserra Pereira, PUC-SP

Mestre em História Social pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo

Maria Izilda Santos de Matos, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo - PUC-SP

Docente na Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Possui doutorado em História pela Universidade de São Paulo

Referências

Referências:

ALEXANDER, Franz G.; SELESNICK, Sheldon T. História da psiquiatria. São Paulo: Ibrasa, 1996.

ARQUIVO PÚBLICO DO ESTADO DE SÃO PAULO (APESP). Catálogo Sanatório Pinel. Vols. I e II. São Paulo, 2000.

ASSUMPÇÃO JR., Francisco B. A ideologia na obra de Pacheco e Silva. Revista Latino-americana de Psicopatia Fundamental. São Paulo, v. 1, n. 4, dez./1998.

BEGLIOMINI, Helio. Antonio Carlos Pacheco e Silva. Academia de Medicina de São Paulo, Biografias. Disponível em: <http://www.academiamedicinasaopaulo.org.br/biografias/137/BIOGRAFIA-ANTONIO-CARLOS-PACHECO-E-SILVA.pdf>. Acesso em: 10/11/2022.

BRASIL. Presidência da República. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil (de 16 de julho de 1934). Rio de Janeiro, 1934. Disponível em: <http://www.jusbrasil.com.br/topicos/10617640/artigo-138-daconstituicao-federal-de-16-de-julho-de-1934>. Acesso em: 04/06/2022.

BULCAO, Lúcia Grando; MACHADO, Roberto; LOUREIRO, Ângela; LUZ, Rogério; MURICY, Kátia. Danação da norma: a medicina social e constituição da psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1978.

CARVALHO, José Murilo de. Os bestializados: o RJ e a República que não foi. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

COBRA, Rubem Queiroz. Vultos e episódios da Época Contemporânea. Brasília, 20/04/2003. Disponível em: <http://www.cobra.pages.nom.br/ec-salpetriere.html>. Acesso em: 20/04/2022.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

COSTA, Jurandir Freire. História da Psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

COUTO, Rita Cristina Carvalho de Medeiros. Eugenia, loucura e condição feminina no Brasil. As pacientes do Sanatório Pinel de Pirituba e o discurso médico e dos leigos durante a década de 1930. Dissertação (Mestrado em História), FFLCH, USP, São Paulo, 1994.

CUNHA, Clementina Pereira. O Espelho do Mundo: Juquery, a história de um asilo. Coleção Estudos Brasileiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1986.

CUNHA, Maria Clementina Pereira. De historiadoras, brasileiras e escandinavas. Loucuras, folias e relações de gênero no Brasil (século XIX e início do XX). Tempo. Rio de Janeiro, v. 3, n. 5, 1998.

DIWAN, P. S. O espetáculo do feio: práticas discursivas e redes de poder no eugenismo de Renato Kehl, 1917-1937. Dissertação (Mestrado em História Social), PUC-SP, São Paulo, 2003.

EL-KAREH, Almir Chaiban; SAYD, Jane Dutra. Ciência e ensino médico no Brasil (1930-1950). História, Ciências, Saúde - Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 14, n. 2, p.469-487, abr.-jun./2007.

FARIA, Lina Rodrigues de. A fase pioneira da reforma sanitária no Brasil: a atuação da Fundação Rockefeller, 1915/1930. História, Ciências, Saúde - Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 1, n. 2, p. 87-88, nov./1994-fev./1995.

FARIA, Lina Rodrigues de. A Fundação Rockefeller e os serviços de saúde em São Paulo (1920-30): perspectivas históricas. História, Ciências, Saúde - Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p.561-590, set.-dez./2002.

FOUCAULT, Michel. A casa dos loucos. Coleção Ditos & Escritos, Vol. I. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

FOUCAULT, Michel. Arte, Epistemologia, Filosofia e História da Medicina. Coleção Ditos & Escritos. Vol. VII. Rio de Janeiro: Editora Forense, 2011.

FOUCAULT, Michel. História da loucura. São Paulo: Perspectiva, 2010.

FOUCAULT, Michel. Microfísica do poder. São Paulo: Graal, 2010.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2014.

GONÇALVES, Leandro Pereira; MATOS, Maria Izilda Santos de. O estrangeiro na obra de Plínio Salgado: matrizes, representações, apropriações e memórias. Patrimônio e Memória. São Paulo, UNESP, v. 10, p.157-182, jan.-jun./ 2014.

KOBAYASHI, Elisabete; FARIA, Lina; COSTA, Maria Conceição da. Eugenia e Fundação Rockefeller no Brasil: a saúde como proposta de regeneração nacional. Sociologias. Porto Alegre, n. 22, p.314-351, dez./2009.

MARINHO, Maria Gabriela da Silva Martins da Cunha. A Fundação Rockfeller e o campo biomédico em São Paulo – ensino superior e pesquisa científica em São Paulo. In: MONTEIRO, Yara Nogueira (Org.). História da saúde: olhares e veredas. São Paulo: Instituto de Saúde de São Paulo, 2010.

MARINS, Paulo César Garcez. Habitação e vizinhança: limiares da privacidade no surgimento das metrópoles brasileiras. In: SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil. República: da Belle Époque à Era do Rádio. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Corpos e emoções: história, gênero e sensibilidades. São Paulo: e-Manuscrito, 2018.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Cotidiano e cultura – história, cidade e trabalho. São Paulo: e-Manuscrito, 2019.

MATOS, Maria Izilda Santos de. Meu Lar é o Botequim: Alcoolismo e Masculinidade. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 2002.

NEVES, Afonso Carlos. O emergir do corpo neurológico no corpo paulista: neurologia, psiquiatria e psicologia em São Paulo a partir dos periódicos médicos paulistas (1889-1936). Tese (Doutorado em História Social), FFLCH, USP, São Paulo, 2008.

PACHECO E SILVA, A. C. Direito à saúde. São Paulo, 1934.

PACHECO E SILVA, A. C. Immigração e hygiene mental. Rio de Janeiro: Liga Brasileira de Hygiene Mental, 1926.

PACHECO E SILVA, A. C. Psiquiatria clínica e forense. São Paulo: Renascença, 1940.

PAIVA, Carlos Henrique Assunção. Imperialismo & filantropia: a experiência da Fundação Rockefeller e o sanitarismo no Brasil na Primeira República. História, Ciências, Saúde - Manguinhos. Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p.205-214, jan.-abr./2005.

PEREIRA, Bruna dos Santos Beserra. Entre a Loucura e a norma: mulheres internadas no Sanatório Pinel (SP, 1929-1944). São Paulo: e-Manuscrito, 2018.

PICCININI, Walmor J. História da Psiquiatria. Psychiatry online Brasil. Vol. 9, n. 7, julho/2004. Disponível em: <http://www.polbr.med.br/ano04/wal0704.php>. Acesso em: 10/11/2022.

RAGO, Margareth. Do cabaré ao lar – a utopia da cidade disciplinar. São Paulo: Paz e Terra, 2014.

RIBEIRO, Maria Alice Rosa. História sem fim... Inventário da saúde pública. São Paulo 1880-1930. São Paulo: Editora Unesp, 1993.

SCHOLZ, Cley. Sanatório Pinel. Estadão. Reclames do Estadão. 07/08/2010. Disponível em: <http://www.estadao.com.br/blogs/reclames-do-estadao/sanatorio-pinel/>. Acesso em: 20/05/2022.

SILVA, Marcia Barros da. O mundo transformado em laboratório: ensino médico e produção de conhecimento em São Paulo de 1891 a 1933. Tese (Doutorado em História Social), FFLCH, USP, 2003.

SILVA, Márcia Regina Barros. O Laboratório e a República: saúde pública, ensino médico e produção de conhecimento em São Paulo – 1891 a 1933. Rio de Janeiro: Fiocruz, 2014.

TALEROW, Gustavo Querodia. Entre febres, comas e convulsões: as terapias biológicas no Hospital do Juquery administrado por Pacheco e Silva (1923-1937). Dissertação (Mestrado em História Social), FFLCH, USP, São Paulo, 2011.

TARELOW, Gustavo Querodia; MOTA, André. Antônio Carlos Pacheco e Silva: eugenia, raça e a Liga Paulista de Higiene Mental, 1926-1950. Projeto História. São Paulo, v. 75, p. 148-168, set.-dez. 2022.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Medicina. Annaes da Faculdade de Medicina de São Paulo. São Paulo, v. 1, 1926.

UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO. Faculdade de Saúde Pública. Disponível em:

Downloads

Publicado

2023-12-22

Como Citar

DOS SANTOS BESERRA PEREIRA, B.; SANTOS DE MATOS, M. I. Corpos e mentes sob controle: institucionalização da medicina e da psiquiatria em São Paulo, trajetória e propostas de Pacheco e Silva. História Revista, Goiânia, v. 28, n. 1, p. 136–156, 2023. DOI: 10.5216/hr.v28i1.75281. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/75281. Acesso em: 27 maio. 2024.