"Menores degenerados”

As experiências de crianças e adolescentes no Hospital de Alienados do Recife-PE (1926-1939)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v28i1.75253

Palavras-chave:

História da Psiquiatria, Degeneração, História da Infância

Resumo

O presente artigo tem o intuito de analisar os discursos psiquiátricos e as experiências de crianças e adolescentes internados no Hospital de Alienados do Recife, entre as décadas de 1920 e 1930, que foram enquadradas no diagnóstico: “episódio delirante dos degenerados”. O conceito de “degeneração” surgiu no campo psiquiátrico a partir da publicação do Tratié des Maladies Mentales (1857), do psiquiatra franco-austríaco Bénédict Augustin Morel. A “degeneração” seria uma espécie de desvio patológico do “tipo normal” da humanidade, e estaria, para o autor, na base de toda alienação. Centrada no organismo, a degeneração poderia ser fruto de diversas causas sociais e biológicas: miscigenação, uso de tóxicos, religiosidade, sexualidade etc. A partir de então, a psiquiatria clássica, inspirada nos alienistas franceses, seria ampliada para novos domínios e áreas de atuação. Assim, a psiquiatra atuaria não somente no corpo, dentro da instituição médica, mas também na sociedade, através da prevenção, da normatização e da regulamentação de comportamentos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carlos Alberto Cunha Miranda, Universidade Federal de Pernambuco

Professor da Universidade Federal de Pernambuco. Doutor em História pela Universidade Federal de
Pernambuco

Rafael Bezerra, Universidade Federal de Pernambuco

Docente permanente do curso do Mestrado Profissional em Preservação e Gestão do Patrimônio Cultural das Ciências e da Saúde (COC/Fiocruz) e como professor do Mestrado Profissional em Ensino de História
(ProfHistória/Unirio). Doutor em História Social pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Referências

Anais do Primeiro Congresso Médico de Pernambuco, 1909.

Boletim de Higiene Mental

Diário de Pernambuco

Livro dos Prontuários do Pavilhão de Observação do Hospital de Alienados do Recife, 1926-1930.

BERCHIERE, Paul. Os Fundamentos da Clínica: História e estrutura do saber psiquiátrico. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1980;

CAMPOS, Zuleica D. P; SANTOS, Elaine M. G. Psiquiatria e Espiritismo na Legislação da Primeira República no Brasil. Revista de História Saeculum. João Pessoa, v. 24, n. 42, p. 69-85, 2020.

CAPONI, Sandra. Loucos e Degenerados: Uma Genealogia da Psiquiatria Ampliada. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2012;

COSTA, Jurandir Freire. História da Psiquiatria no Brasil: Um Corte Ideológico. 5ª ed. Rio de Janeiro: Garamond, 2007;

COSTA, Jurandir Freire. Ordem Médica e Norma Familiar. 5ª ed. Rio de Janeiro: Editora Graal, 2004.

ENGEL, Magali Gouveia. Os delírios da razão: médicos, loucos e hospícios (Rio de Janeiro,1830 - 1930). Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2001.

FILHO, Heronildes Coelho. A Psiquiatria no país do açúcar. João Pessoa: Editora União 1977.

FOUCAULT, Michel. Os anormais. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

FOUCAULT, Michel. O Poder Psiquiátrico. São Paulo: Martins Fontes, 2006;

GOFFMAN, Erving. Manicômios, Prisões e Conventos. 9ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.

HUTZIER, Celina Ribeiro. Ulysses Pernambucano: Psiquiatria Social. Revista Ci.& Trop. Recife, 1987.

MACHADO, LOUREIRO, LUZ. Danação da Norma: Medicina Social e Constituição da Psiquiatria no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Graal, 1978.

MIRANDA, Carlos Alberto Cunha. A Teoria da Degeneração e suas Implicações no Hospital de Doenças Nervosas e Mentais. Recife-PE/1920. Revista Tempo e Argumento: Florianópolis, v.13, nº. 33. P. 01-36, 2021.

MIRANDA, Carlos Alberto cunha. A psiquiatria e a repressão policial ao espiritismo e aos cultos afro-brasileiros. Recife:1930-1945. In: Artes de curar e práticas de saúde: circularidade, institucionalidade e repressão. (ORG) PIMENTA, MOTA. Tânia e André. São Paulo: Hucitec, 2022.

MOREL, Auguste. Tratado das degenerescências na espécie humana. Revista Latino-Americana de Psicopatologia Fundamental. São Paulo. vol. 11, nº.3, setembro de 2008.

PADOVAN, Maria Concepta. As Máscaras da Razão: Memórias da Loucura no Recife durante o Período do Estado Novo. (1937-1945). UFPE: Dissertação. 2007;

PINEL, Phillippe. Tratado médico- filosófico sobre a alienação mental ou a mania. Porto Alegre: Editora da UFRGS, 2007.

PERNAMBUCANO, Ulysses. Assistência a Psicopatas em Pernambuco: Ideias e Realizações. Revista Arquivos de Assistência aos Psicopatas de Pernambuco, Recife, ano. II, nº.1, 1932.

PERNAMBUCANO, Ulysses. A Ação Social do Psiquiatra. In: Revista de Neurobiologia, Tomo VI. nº4, 1943.

PESSOTTI, Isaias. Os Nomes da Loucura. Rio de Janeiro: Editora 34. 1999.

PESSOTTI, Isaias. O Século dos Manicômios. Rio de Janeiro: Editora 34, 1996.

PORTOCARRERO, Vera. Arquivos da Loucura: Juliano Moreira e a Descontinuidade Histórica da Psiquiatria. Rio de Janeiro: Editora Fiocruz, 2002;

STEPAN, Nacy Leys. A hora da eugenia: raça, gênero e nação na América do Sul. Rio de Janeiro: Editora da Fiocruz, 2005.

SÁ-JÚNIOR, Luiz. In. BASTOS, Othon. A História da Psiquiatria em Pernambuco e outros Histórias. 2ª ed. Recife: Editora Lemos, 2002, p. 17.

VENANCIO, Ana Teresa Acatauassú; BRAGA, André Luiz de Carvalho. Assistência psiquiátrica nacional: narrativas para uma política pública no contexto brasileiro (1940 a 1970). In: WADI, Yonissa Marmitt (org.). Narrativas sobre loucuras, sofrimentos e traumas. 22. ed. Curitiba: Máquina de Escrever, 2016.

Downloads

Publicado

2023-12-22

Como Citar

CUNHA MIRANDA, C. A.; SANTANA BEZERRA, R. "Menores degenerados”: As experiências de crianças e adolescentes no Hospital de Alienados do Recife-PE (1926-1939). História Revista, Goiânia, v. 28, n. 1, p. 93–114, 2023. DOI: 10.5216/hr.v28i1.75253. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/75253. Acesso em: 27 maio. 2024.