Estaria a história à margem da vida? Ensaio sobre as possibilidades de a disciplina histórica aprimorar seus métodos a partir de outras interações teóricas que desafiam as fronteiras disciplinares

Autores

DOI:

https://doi.org/10.5216/hr.v27i3.72235

Palavras-chave:

teoria da história, história e psicanálise, estudos de gênero

Resumo

O presente artigo, escrito na forma de ensaio, discute limitações metodológicas que a interação teórica entre psicanálise e estudos de gênero pode, por hipótese, superar. O ponto de partida é o olhar estrangeiro da psicanálise sobre o conhecimento histórico, no que se refere à problemática do sujeito de conhecimento e como ela é apreendida por pesquisadores de história. Em seguida, a partir da aproximação entre a psicanálise e a história, com a contribuição da historiadora Joan Scott, o argumento desdobra-se no sentido de examinar a importância da incomensurabilidade entre esses dois saberes para uma crítica do anacronismo presente em algumas concepções que regem a história entendida como disciplina, atualmente.
Por fim, a remissão aos estudos da filósofa Judith Butler pretende demonstrar a importância das teorias da formação do sujeito como um dos caminhos de ingresso dos estudos de gênero como uma teoria da história de amplo impacto, capaz de reconfigurar os debates teóricos da área neste século XXI.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Evandro Santos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Rio Grande do Norte, Brasil, evansantos.hist@gmail.com

Doutor, Mestre e Licenciado em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), professor adjunto de Teoria e História da Historiografia no Departamento de História do Centro de Ensino Superior do Seridó, Universidade Federal do Rio Grande do Norte (CERES-UFRN) e do Programa de Pós-Graduação em História dos Sertões (MHIST), na mesma instituição.

Referências

BEER, Paulo. Psicanálise e ciência: um debate necessário. São Paulo: Blucher, 2017.

BIRMAN, Joel. Psicanálise, ciência e cultura. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1994.

BOURDIEU, Pierre. A ilusão biográfica. In: FERREIRA, Marieta de Moraes Ferreira;

AMADO, Janaína (orgs.). Usos & abusos da História Oral. Rio de Janeiro: Editora

FGV, 2006, p. 183-191.

BUTLER, Judith. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Tradução: Rogério

Bettoni. Belo Horizonte; Autêntica Editora, 2017a.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade.

Tradução: Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2017b.

BUTLER, Judith. Relatar a si mesmo: crítica da violência ética. Tradução de Rogério

Bettoni. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2017c.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano. 1. Artes de fazer. Tradução: Ephraim

Ferreira Alves. Petrópolis, RJ: Vozes, 1994.

CERTEAU, Michel de. História e psicanálise: entre ciência e ficção. Tradução:

Guilherme João de Freitas Teixeira. Belo Horizonte: Autêntica Editora. 2011.

DASTON, Lorraine; GALISON, Peter. Objectivity. New York: Zone Books, 2007.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade 3: o cuidado de si. Tradução de Maria

Thereza da Costa Albuquerque. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz & Terra, 2017.

GAY, Peter. Freud para historiadores. Tradução: Osmyr Faria Gabi Junior. Rio de

Janeiro: Paz e Terra, 1989.

GINZBURG, Carlo. Mitos, embremas, Sinais: morfologia e história. Tradução de

Federico Carotti. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

GUMBRECHT, Hans Ulrich; RODRIGUES, Thamara de Oliveira (org.). Reinhart

Koselleck: uma latente filosofia do tempo. Tradução: Luiz Costa Lima. São Paulo:

Editora Unesp, 2021.

KOSELLECK, Reinhart. Futuro passado: contribuição à semântica dos tempos

históricos. Tradução: Wilma Patrícia Maas e Carlos Almeida Pereira. Rio de Janeiro:

Contraponto: Ed. PUC-Rio, 2006.

KUHN, Thomas S. A estrutura das revoluções científicas. Tradução de Beatriz

Vianna e Nelson Boeira. São Paulo: Perspectiva, 2009.

OHARA, J. R. M. Virtudes Epistêmicas na Prática do Historiador: o caso da

sensibilidade histórica na historiografia brasileira (1980-1990). História da

Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography,

Ouro Preto, v. 9, n. 22, 2017. DOI: 10.15848/hh.v0i22.1107. Disponível em:

https://www.historiadahistoriografia.com.br/revista/article/view/1107. Acesso em: 28

fev. 2022.

OLIVEIRA, Maria da Glória de. Para além de uma ilusão: indivíduo, tempo e narrativa

biográfica. In: AVELAR, Alexandre de Sá; SCHMIDT, Benito Bisso (org.). O que

pode a biografia. São Paulo: Letra & Voz, 2018, p. 59-72.

PONTALIS, J. B. À margem dos dias. Tradução de Lidia R. Aratangy. São Paulo:

Primavera Editorial, 2012.

Downloads

Publicado

2023-09-26

Como Citar

DOS SANTOS, E. Estaria a história à margem da vida? Ensaio sobre as possibilidades de a disciplina histórica aprimorar seus métodos a partir de outras interações teóricas que desafiam as fronteiras disciplinares. História Revista, Goiânia, v. 27, n. 3, p. 4–17, 2023. DOI: 10.5216/hr.v27i3.72235. Disponível em: https://revistas.ufg.br/historia/article/view/72235. Acesso em: 23 maio. 2024.